Conteúdo especial

More Than Equal visa oferecer às mulheres uma chance na F1 dentro de 10 anos

Organização feminina More Than Equal espera encontrar a primeira mulher campeã mundial de pilotos da Fórmula 1 em 10 anos

Girls on Track visit to teams garages in pit

O automobilismo está em constante evolução e é um dos poucos esportes em que homens e mulheres podem competir entre si em igualdade de condições. Hoje, as mulheres se tornaram mais visíveis no mundo das corridas, mas os desafios que continuam a enfrentar as impedem de competir no topo, especialmente na Fórmula 1.

Nos Estados Unidos, a Xfinity Series da NASCAR teve Natalie Decker, e havia três mulheres na Truck Series - Jennifer Jo Cobb, Hailie Deegan e Jessica Friesen. Tatiana Calderon e Simona de Silvestro correram em circuitos de rua e mistos na Indy.

O WEC tinha uma equipe feminina de Iron Dames que competiu durante a temporada regular, incluindo a lendária 24 Horas de Le Mans. E nesta temporada na F1, as pilotas foram representadas apenas em funções de desenvolvimento: Jessica Hawkins com a Aston Martin e Jamie Chadwick com a Williams Racing.

Mas enquanto o automobilismo como um todo continua progredindo com a representação feminina, a F1 – que é considerada o auge das corridas – é uma categoria importante que não tem uma mulher competindo em nível de campeonato mundial. Atualmente, as mulheres ocupam muitos papéis de destaque em vários tipos de séries. Eles são estrategistas, membros da equipe de box, engenheiras, proprietárias de equipes, assessores de imprensa e muito mais. De uma perspectiva de competição, no entanto, as mulheres continuam a enfrentar oportunidades limitadas.

As mulheres provam consistentemente que podem ter sucesso nas mesmas posições que os homens – elas são astronautas, militares e líderes globais em muitas esferas da vida – mas não conseguem uma vaga na F1. A categoria lidera a indústria do automobilismo, em termos de tecnologia e inovação, mas ficou para trás com a falta de acesso a pilotas, fazendo com que elas não adquirissem um lugar permanente no grid. Com poucas perspectivas de que isso mude em um futuro próximo, é essencial fornecer apoio extra para mulheres e meninas ao longo de seu tempo nas fórmulas juniores.

A iniciativa More Than Equal aspira mudar a ausência de pilotos do sexo feminino na F1 nos próximos 10 anos por meio de um programa especializado projetado para oferecer suporte e ajudar a quebrar barreiras que impedem meninas e mulheres de competir no mais alto nível do automobilismo.

Jamie Chadwick, celebrates on the podium.

Jamie Chadwick, celebrates on the podium.

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

A W Series foi criada em resposta à falta de oportunidades para as mulheres no automobilismo, oferecendo a elas um campeonato para competir com base no mérito e na igualdade de máquinas. A W Series também alcançou um marco em sua terceira temporada e atraiu um milhão de espectadores no Reino Unido para a corrida de Silverstone em 2022 – esta também foi a primeira vez que um evento de automobilismo fora da F1 atraiu tanta audiência desde 2014.

E o que o público de um milhão no Reino Unido mostra é que não apenas uma série de pilotos femininas tem o potencial de atrair números de audiência semelhantes aos dominados por motoristas masculinos. Mas também há um interesse significativo em ver as mulheres correrem e, do ponto de vista comercial, um mercado valioso a ser explorado.

Já que a demanda para ver pilotos mulheres competindo em corridas existe e continua a crescer para os espectadores do automobilismo, não é hora de isso se refletir no nível superior?

Mais importante, de uma perspectiva mais profunda, os fãs de corrida – especialmente as mulheres – precisam se sentir representados na pista e ter modelos com os quais possam se relacionar de maneira pessoal. Se meninas e mulheres puderem ver uma piloto feminina competindo na principal categoria do mundo, elas poderão ter esperança e coragem para seguir seus sonhos nas pistas.

O automobilismo é um esporte caro que requer grandes quantias de dinheiro para competir, desde os estágios iniciais do kart – veja um pequeno Lewis Hamilton em Cadet karts, abaixo – até subir na classificação para as categorias de primeira linha, como a F1.

Super One British Kart Championship: Lewis Hamilton, 1st position, Cadet Class

Super One British Kart Championship: Lewis Hamilton, 1st position, Cadet Class

Photo by: Motorsport Images

Um dos principais problemas que as pilotas encontram ao longo de sua carreira no automobilismo tem a ver com a falta de financiamento disponível e com a falta de patrocinadores de longo prazo. Embora esse problema exista para os pilotos do sexo masculino, é uma preocupação maior para as do sexo feminino, que também precisam superar as percepções da velha escola sobre o que um piloto deve ser.

Sem o devido apoio financeiro e patrocinadores, as pilotas geralmente não têm acesso a equipamentos de qualidade, programas, treinamento físico – e os melhores carros – colocando-as ainda mais em desvantagem em relação aos pilotos do sexo masculino.

More Than Equal pretende um dia ter uma piloto feminina não apenas competindo na F1, mas se tornando uma campeã mundial. A iniciativa fundada pelo ex-piloto de F1 David Coulthard e pelo empresário Karel Komarek quer construir uma estrutura para identificar as barreiras que impedem a entrada e a continuação das mulheres no automobilismo e, em seguida, trabalhar para derrubar essas barreiras até um assento permanente na F1.

Com iniciativas como Girls on Track, FIA WIM (Women in Motorsport Commission) e várias outras organizações, a indústria do automobilismo continua pressionando para que mais pilotos do sexo feminino compitam em todas as séries de corrida. E enquanto o Girls on Track e o FIA WIM fornecem suporte a meninas e mulheres em suas carreiras de corrida, uma organização como a More Than Equal é essencial para aspirantes a pilotos do sexo feminino que desejam competir no nível mais alto do automobilismo porque se concentra exclusivamente na F1.

Coulthard acredita que, se o More Than Equal puder encontrar jovens de todo o mundo que desejam ser pilotos de corrida, então a iniciativa pode montar um sistema de apoio que fornecerá os recursos necessários para ajudá-las a entrar na F1. Acima de tudo, a More Than Equal se esforçará para oferecer às meninas as mesmas oportunidades e apoio que os meninos no estágio inicial de sua carreira de piloto, para que tenham tempo de sobra para atingir a meta de entrar na F1 em 10 anos.

No momento, o caminho para a F1 parece assustador e cheio de incertezas para as mulheres, mas o futuro parece promissor por causa de iniciativas como More Than Equal. Com o apoio adequado e apoio financeiro ao longo de suas carreiras, as pilotas estão cada vez mais perto de quebrar as barreiras da F1.

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Grid Experience Club chega para agregar fãs de e proporcionar experiências exclusivas como guiar F1
Próximo artigo Galeria: Duelo de kart entre Verstappen, Pérez, Márquez, Gasly e Tsunoda em Motegi

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil