Indy Indy 500

Ericsson detona última relargada “injusta e perigosa” da Indy 500

Piloto diz que nunca categoria nunca reiniciou uma corrida sem ao menos uma volta de aquecimento

Marcus Ericsson, Chip Ganassi Racing Honda

Segundo lugar das 500 milhas de Indianápolis, Marcus Ericsson acredita que a decisão de reiniciar a corrida para disputa em uma única volta foi “injusta e perigosa”.

O piloto da Chip Ganassi Racing foi derrotado por Josef Newgarden, da Penske, por 0s0974, depois de liderar após a bandeira verde.

Leia também:

Embora Ericsson tenha mantido a liderança nas curvas 1 e 2, Newgarden conseguiu uma chance de ultrapassá-lo na reta final para a curva 3, que provou ser a jogada decisiva.

Mas Ericsson não achou que a corrida deveria ter sido reiniciada sem tempo para uma volta completa de aquecimento.

“Foi um final de corrida injusto e perigoso”, disse Ericsson. “Nunca fizemos um reinício direto dos boxes. Não deixamos os pneus na temperatura correta.

“Acho que foi uma maneira difícil de terminar a corrida, realmente não concordo com a forma como fizeram isso.

“Não acho que tivemos voltas suficientes para fazer o que fizemos, não acho que seja seguro sair dos boxes com pneus frios para reiniciar quando metade do pelotão está tentando entrar na pista, não acho que seja uma maneira justa ou correta de terminar uma corrida. Eu não concordo com isso.

“Acho que fiz uma última relargada incrível e peguei Josef completamente desprevenido e, de surpresa, mantive a liderança em, mas simplesmente não consegui segurar depois disso, não foi o suficiente, por isso é difícil de engolir.”

Ericsson, que liderou por 30 voltas em sua tentativa de obter sua segunda vitória consecutiva na Indy 500, acha que não havia mais nada que pudesse ter feito diferente, tendo assumido a liderança de Newgarden pouco antes da bandeira vermelha final para um acidente com vários carros.

“Me sinto desapontado porque pensei que fizemos tudo certo”, disse ele. “Acho que fizemos uma corrida incrível, tive um ótimo carro, estratégia de corrida e pit stops, alguns bons reinícios.

“Tentei pegar Josef de surpresa indo cedo e funcionou. Depois que ele passou por mim, tentei correr atrás dele, mas infelizmente não foi o suficiente. Ele fez bem o seu trabalho.”

Ericsson também disse que é difícil trazer o grid para a bandeira verde sem o risco de ser ultrapassado imediatamente.

Ele acrescentou: “Os carros, com as especificações aerodinâmicas que tivemos este mês, é muito difícil liderar, então acho que antes era um pouco mais fácil.

“Eu sabia que para o último reinício seria quase impossível manter a liderança. Tentei dar um salto e não fui ultrapassado na curva 1, mas não foi o suficiente.”

Aston-Honda na F1 2026: Detalhes, impacto para RBR/Mercedes e o fator Alonso

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: após críticas de Max e Lewis, dá para dizer que F1 está perdendo seu DNA?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Newgarden passa Ericsson na última volta e vence Indy 500 pela primeira vez
Próximo artigo RETA FINAL: Alonso e Aston jogaram fora chance única em Mônaco?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil