MotoGP
R
GP do Catar
05 mar
-
08 mar
Próximo evento em
45 dias
R
GP da Tailândia
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
59 dias
R
GP das Américas
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
73 dias
R
GP da Argentina
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
87 dias
R
GP da Espanha
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
101 dias
R
GP da França
14 mai
-
17 mai
Próximo evento em
115 dias
R
GP da Itália
28 mai
-
31 mai
Próximo evento em
129 dias
R
GP da Catalunha
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
136 dias
R
GP da Alemanha
18 jun
-
21 jun
Próximo evento em
150 dias
R
GP da Holanda
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
157 dias
R
GP da Finlândia
09 jul
-
12 jul
Próximo evento em
171 dias
R
GP da República Tcheca
06 ago
-
09 ago
Próximo evento em
199 dias
R
GP da Áustria
13 ago
-
16 ago
Próximo evento em
206 dias
R
GP da Grã-Bretanha
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
220 dias
R
GP de San Marino
10 set
-
13 set
Próximo evento em
234 dias
R
GP de Aragón
01 out
-
04 out
Próximo evento em
255 dias
R
GP do Japão
15 out
-
18 out
Próximo evento em
269 dias
R
GP da Austrália
23 out
-
25 out
Próximo evento em
277 dias
R
GP da Malásia
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
283 dias
R
GP de Valência
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
297 dias

Rabat: "Ainda me falta um pequeno passo para chegar ao topo"

compartilhar
comentários
Rabat: "Ainda me falta um pequeno passo para chegar ao topo"
Por:
18 de jul de 2018 21:47

Depois de ser uma das sensações do início da temporada, o piloto do Reale Avintia sofreu para entrar nos pontos nas últimas corridas

Tito Rabat, Avintia Racing
Tito Rabat, Avintia Racing
Tito Rabat, Avintia Racing
Tito Rabat, Avintia Racing
Tito Rabat, Avintia Racing
Tito Rabat, Avintia Racing

Tito Rabat protagonizou um excelente começo de campeonato, figurando no top 10 em duas das três primeiras corridas do ano. No entanto, com a chegada da MotoGP à Europa, o piloto da Ducati não conseguiu manter o bom nível mostrado no começo de 2018 e só somou oito pontos nas seis corridas seguintes.

O espanhol, que sofreu uma forte queda no teste realizado em Montmeló no final de maio, conta com dois 13º como melhores resultados desde que voltou ao velho continente, longe do desempenho que o levou a ser felicitado pela cúpula da Ducati.

"No começo eu estava feliz porque os resultados estavam chegando, mas uma vez que voltamos para a Europa, fizemos boas classificações, fizemos bem tudo, mas os resultados não chegavam por uma coisa ou outra. Terminamos corridas como a de Jerez a 22 segundos e em Assen a 16", explica Rabat.

Leia também:

Precisamente no último fim de semana em Sachsenring, Rabat foi 13º novamente, salvando um dos circuitos que ele menos gosta e que menos se adaptam à GP17.

"Foi o fim de semana mais complicado de todos. Largamos bem e mantivemos a posição. Estávamos sofrendo nas curvas para a esquerda. Mudamos a moto para a corrida porque não sabíamos o que fazer e funcionou. Dentro do que pudemos, conseguimos somar. Era um circuito para salvar. Eu não gostei, nem foi o melhor para a moto.”

No entanto, fazendo um balanço da temporada, o campeão da Moto2 de 2014 se mostra satisfeito com o progresso feito em seu primeiro ano com a Ducati, mas reconhece que precisa melhorar se quiser lutar de onde estava nas primeiras corridas.

"Está claro que a diferença com no ano passado é muito grande, mas ainda assim para chegar ao topo eu preciso dar um pequeno passo e estamos trabalhando nisso", concluiu.

Próximo artigo
Rossi revela pressão em engenheiros: “quando me veem, fogem"

Artigo anterior

Rossi revela pressão em engenheiros: “quando me veem, fogem"

Próximo artigo

10 anos: A briga épica de Rossi e Stoner em Laguna Seca

10 anos: A briga épica de Rossi e Stoner em Laguna Seca
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Autor Carlos Guil Iglesias