NASCAR Cup
19 jun
Postponed
27 jun
Evento encerrado
28 jun
Evento encerrado
12 jul
Evento encerrado
23 jul
Evento encerrado
02 ago
Evento encerrado
07 ago
Postponed
08 ago
Evento encerrado
R
Watkins Glen
14 ago
Canceled
R
Daytona II
16 ago
Próximo evento em
3 dias
R
Dover II
21 ago
Postponed
R
Richmond II
10 set
Próximo evento em
28 dias
R
Bristol II
19 set
Próximo evento em
37 dias
R
Las Vegas II
25 set
Próximo evento em
43 dias
R
Talladega II
02 out
Próximo evento em
50 dias
R
Charlotte II
09 out
Próximo evento em
57 dias
R
Kansas II
18 out
Próximo evento em
66 dias
R
Texas II
25 out
Próximo evento em
73 dias
R
Martinsville II
30 out
Próximo evento em
78 dias
R
Phoenix II
06 nov
Próximo evento em
85 dias

Com Tony Stewart roubando a cena, NASCAR formaliza 11ª classe em seu Hall da Fama

compartilhar
comentários
Com Tony Stewart roubando a cena, NASCAR formaliza 11ª classe em seu Hall da Fama
Por:
1 de fev de 2020 18:49

Além do "Smoke", Waddell Wilson, Buddy Baker, Joe Gibbs e Bobby Labonte foram imortalizados no Hall da Fama da maior categoria do automobilismo americano

Na noite desta sexta-feira a NASCAR formalizou a classe de 2020 de seu Hall da Fama em Charlotte, na Carolina do Norte. A 11ª edição incluiu Waddell Wilson, Buddy Baker, Joe Gibbs, Bobby Labonte e Tony Stewart.

Aqui estão alguns dos destaques dos discursos durante a emocionante cerimônia:

Waddell Wilson

Waddell Wilson (à esquerda)

Waddell Wilson (à esquerda)

Photo by: Getty Images

Construtor de motores e chefe de equipe, Waddell Wilson forneceu carros e orientou pilotos em algumas de suas maiores vitórias na história da NASCAR. Como construtor de motores, ele ajudou David Pearson (1968 e 1969) e Benny Parsons (1973) a chegarem aos títulos da Cup. No geral, os motores de Wilson ajudaram alguns dos maiores pilotos, incluindo David Pearson, Fireball Roberts, Bobby Allison, Cale Yarborough e Darrell Waltrip, para 109 vitórias e 123 poles. Wilson ajudou três carros a irem ao Victory Lane na Daytona 500 como chefe de equipe, vencendo com Buddy Baker (1980) e Cale Yarborough (1983- 1984). O famoso “Grey Ghost” que montou para Buddy Baker ainda possui o recorde da Daytona 500 com velocidade média de 177.602mph.

“Ficar aqui neste palco é algo que eu nunca sonhei que estaria fazendo. Agradeço a Deus pelas muitas bênçãos e pessoas que ele colocou em minha vida que tornaram isso uma realidade. Sem ele, nada disso seria possível.”

"Tive dez ótimos anos trabalhando para Holman e Moody e foi aí que desenvolvi as habilidades necessárias para fazer o que amo. John Holman e Ralph Moody trabalharam duro para conseguir os melhores pilotos e eu tive a honra de trabalhar com Fireball Roberts, Fred Lorenzen, A.J. Foyt, Dick Hutcherson, Junior Johnson, Mario Andretti, David Pearson e Bobby Allison.”

“Adoro correr e agradeço aos fãs e todo o apoio deles ao longo desses anos. É uma honra inacreditável entrar no Hall da Fama da NASCAR. É uma noite inesquecível para mim e minha família.”

Buddy Baker, representado pelo piloto Ryan Newman

Buddy Baker

Buddy Baker

Photo by: NASCAR Media

Em 1980, o nativo de Charlotte venceu a Daytona 500 com uma velocidade média de corrida de 177.602 mph, um histórico que permanece até hoje. Ele ganhou 19 corridas na Cup, incluindo uma vitória em Darlington em 1970, onde colocou uma volta em todo o grid. Ele também venceu a Coca-Cola 600 em Charlotte em 1972 e 1973. Depois de se aposentar em 1992, Baker fez uma transição bem-sucedida para a TV como comentarista da The Nashville Network e da CBS, e mais tarde como apresentador de rádio na SiriusXM NASCAR.

"Este meu herói tinha talento para palavras e disse uma vez: 'Você pode ter problemas quando sentir o ar na parte de trás do pescoço, em vez de na cara'.”

"É um lema em que vivo sempre. A única coisa mais rápida que sua inteligência era sua velocidade em um carro de corrida. Uma vez que ele saiu na frente, ninguém estava passando por ele. Minha citação favorita dele era: 'É a sua história; você decide como é escrita'”, completou Newman.

Joe Gibbs

Joe Gibbs

Joe Gibbs

Photo by: NASCAR Media

Tricampeão campeão do Super Bowl, o “Coach”, como é chamado, começou a Joe Gibbs Racing em 1992 e levou a organização a cinco campeonatos da Cup e cinco títulos da Xfinity Series. Conhecido por ser um motivador mestre, Gibbs tem três vitórias na Daytona 500 e cinco vitórias na Brickyard 400. Seus títulos da Cup vêm com três pilotos diferentes: Bobby Labonte (2000), Tony Stewart (2002, 2005) e Kyle Busch (2015 e 2019).   

“Quero dizer para todos aqui. Eu estava muito nervoso, vindo do futebol americano para as corridas, como seríamos aceitos, a família e todos. Eu só quero agradecer a todos aqui. A família NASCAR surreal. Queria dizer à família France, obrigado por sua orientação, liderança e a maneira como você nos aceitou. Os fãs e os outros competidores, isso significa muito para nós quando decolamos nas corridas.”

Bobby Labonte

Bobby Labonte, Toyota

Bobby Labonte, Toyota

Photo by: Jay Alley

Correu com vários tipos de carro antes de ter sua primeira experiência como piloto em tempo integral da NASCAR Cup aos 28 anos, em 1993. Sua persistência valeu a pena com uma carreira marcada por 21 idas ao Victory Lane e o título de 2000. Sucesso em todas as três séries nacionais da NASCAR, Labonte foi o primeiro de quatro pilotos a vencer a Cup e a Xfinity Series. Ele também é um dos 27 pilotos a vencer pelo menos uma corrida nas três séries nacionais.

“Desde que me lembro, havia duas coisas que eu fazia quando criança. Eu corri em midgets no sul do Texas e vi meu irmão correr. Eu o idolatrei. Então, depois de todos esses anos, estou diante de vocês, seguindo os passos de meu irmão. Estou até usando a mesma gravata que ele usava na noite de indução. Terry, você me ajudou muito ao longo da minha carreira, não há como eu te retribuir. Eu, provavelmente, diria que você não será recompensado. Mas saiba que sempre me esforcei para ser como você.”

Tony Stewart

Tony Stewart

Tony Stewart

Photo by: Barry Cantrell / NKP / Motorsport Images

Stewart imediatamente mostrou que seria uma força a ser reconhecida pela NASCAR, conquistando três vitórias em sua temporada de novato. Os títulos logo surgiram. Stewart venceu seu primeiro campeonato da Cup em 2002, guiando pela Joe Gibbs Racing e repetiu o feito rapidamente em 2005. Sua versatilidade estava em exibição ao longo de sua carreira de 17 anos na NASCAR. Ele registrou 49 vitórias na Cup, vencendo em todos os estilos de pista. Ele venceu a prestigiada Brickyard 400 em casa, no Indianapolis Motor Speedway duas vezes. Em 2009, Stewart se tornou dono de uma equipe, em parceria com Gene Haas. Ele ganhou 16 vezes como piloto/proprietário, e o título de 2011, após batalha com Carl Edwards, decidida apenas no desempate.

"Então, em maio, quando fui votado na turma do Hall da Fama deste ano, fiquei honrado. Mas eu também estava em conflito. Não sou velho ... ou, pelo menos, não me sinto velho. Eu ainda estou correndo. Na verdade, estou correndo agora mais do que nunca. E, na minha opinião, o Hall da Fama da NASCAR está lá para homenagear a conclusão da carreira de alguém.

"Mas nos oito meses desde que fui nomeado para a turma deste ano, passei a apreciar que honra é essa. Sou uma das apenas 55 pessoas a serem incluídas no Hall da Fama da NASCAR. E, considerando que a NASCAR existe há mais de 70 anos, isso é meio louco. É realmente um grupo de elite, e é incrivelmente fantástico fazer parte dele.”

"Não sou de ficar excessivamente sentimental, mas sei que levo uma vida abençoada e me tornar um membro do Hall da Fama da NASCAR é prova disso. Obrigado por estar aqui hoje à noite e compartilhar esse momento, e obrigado a todos - desde os dias no Columbus Fairgrounds, a todas as pistas que corremos no USAC, à Indy e NASCAR e agora de volta às bases dos sprint cars.”

Stewart quebrou o gelo e brincou ao final de seu discurso: "E já que estamos falando de família, já que eu não tenho uma só minha eu seria negligente se não agradecesse todas as namoradas que fizeram parte dessa jornada comigo. Seu pouco tempo e sacrifício significou muito para mim."

Outras homenagens

Edsel Ford II ganhou o Prêmio Landmark 2020 por contribuições extraordinárias à NASCAR. Ford é membro do Conselho de Administração da Ford Motor Co. e executivo de longa data da empresa fundada por seu bisavô, Henry Ford.

Na sexta-feira anterior, o antigo repórter e editor de revistas da NASCAR, Dick Berggren, foi homenageado como o vencedor deste ano do Squier-Hall Award pela NASCAR Media Excellence.

Daniel Suarez muda de equipe na NASCAR Cup para 2020

Artigo anterior

Daniel Suarez muda de equipe na NASCAR Cup para 2020

Próximo artigo

Presidente Trump estará presente na Daytona 500 neste domingo

Presidente Trump estará presente na Daytona 500 neste domingo
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria NASCAR Cup
Autor Jim Utter