Extreme E: Equipe de Rosberg vence xPrix do Senegal apesar de batida com dupla de Hamilton

Na disputa final, quatro carros viraram dois com apenas alguns minutos

Extreme E: Equipe de Rosberg vence xPrix do Senegal apesar de batida com dupla de Hamilton

A disputa da Fórmula 1 foi parar na Extreme E. Na disputa da final do xPrix do Oceano, no Senegal, as equipes de Nico Rosberg e Lewis Hamilton tiveram uma batida na primeira curva, mas isso não impediu que o time do campeão de 2016 da F1 levasse a melhor.

As nuvens de poeira menores em comparação ao evento inaugural na Arábia Saudita em abril permitiu uma final com quatro carros pela primeira vez na pista de seis quilômetros na praia próxima a Lac Rose.

Leia também:

Mas o espetáculo rapidamente foi reduzido a apenas dois carros após batidas no começo da disputa para a X44 de Lewis Hamilton e a JBXE, do também campeão da F1 Jenson Button.

Com Sébastien Loeb tendo iniciado a semifinal com a X44, sua companheira de equipe, Cristian Gutiérrez foi a bola da vez, mas acabou eliminada na saída da primeira curva.

Gutiérrez e Molly Taylor, da Rosberg X Racing, foram com tudo contra os representantes da Veloce Racing e a JBXE na disputa final. 

Enquanto a X44 optou pela linha de fora, a RXR foi por dentro e ambas ficaram lado a lado, mas no meio da trajetória, Taylor teve um problema com a areia que a tirou rapidamente da linha. Com isso, ela e Gutiérrez bateram e o carro da X44 acabou perdendo o controle antes de parar com uma suspeita de falha na direção.

Molly Taylor, Johan Kristoffersson, Rosberg X Racing, Cristina Gutierrez, Sebastien Loeb, X44

Molly Taylor, Johan Kristoffersson, Rosberg X Racing, Cristina Gutierrez, Sebastien Loeb, X44

Photo by: Charly Lopez / Motorsport Images

A JBXE também abandonou quando sua primeira piloto, Mikaela Ahlin-Kottulinsky mudou de linha na praia e perdeu o pneu direito traseiro ao atingir um banco de areia. Isso deixou Taylor na frente, tendo que se defender de Stéphane Sarrazin, da Veloce Racing, abrindo uma liderança de 1s53 ao se aproximar da zona de mudança de pilotos.

Mas quando ela entrou na área com limite de 30km/h, o diretor de prova, Scot Elkins, acionou uma bandeira vermelha com os eles ainda na pista para recuperar os carros da X44 e da JBXE.

A RXR ainda assim optou por mudar os pilotos, entregando as chaves para o tricampeão mundial de rallycross Johan Kristofferson, enquanto Sarrazin seguiu na pista aguardando instruções. 

Pouco depois, Sarrazin entregou o carro para Jamie Chadwick, e os dois carros restantes se alinharam no portão de saída original com Kristofferson do lado de dentro. Ele logo usou o hyperdrive boost na relargada, com Chadwick fazendo o mesmo pouco depois, mas a RXR manteve a liderança na primeira curva.

A partir dali, Chadwick não conseguiu responder e foi perdendo terreno, terminando a 14s676 na chegada. Kristoffersson manteve o 100% de aproveitamento da RXR na Extreme E.

Molly Taylor, Johan Kristoffersson, Rosberg X Racing

Molly Taylor, Johan Kristoffersson, Rosberg X Racing

Photo by: Andrew Ferraro / Motorsport Images

CONHEÇA a SAGA da roda de BOTTAS que causou MAIOR 'pit stop' da HISTÓRIA da F1 e envolveu FERRARI

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: O que a liderança inédita de Verstappen representa na F1?

 

compartilhar
comentários
Indy: Reveja os momentos finais da vitória de Castroneves nas 500 Milhas de Indianápolis

Artigo anterior

Indy: Reveja os momentos finais da vitória de Castroneves nas 500 Milhas de Indianápolis

Próximo artigo

Matheus Ferreira é campeão da etapa francesa do Europeu de Kart

Matheus Ferreira é campeão da etapa francesa do Europeu de Kart
Carregar comentários