Dakar: Medeiros vence a primeira etapa e lidera nos Quadriciclos

É o primeiro brasileiro a vencer na edição. O maranhense, que largou em sétimo, assumiu a ponta desde o primeiro controle e completou o percurso em 6h16m25s

Marcelo Medeiros

Marcelo Medeiros

Duda Bairros

Tem festa no acampamento da TAG Racing na Arábia Saudita. O piloto brasileiro Marcelo Medeiros, a bordo de seu Yamaha Raptor #177, finalizou a primeira especial do 46º Dakar com o melhor tempo entre os quadriciclos e lidera a categoria com 6h41m34s.

O maranhense de São Luiz, que largou em sétimo, completou os 414 quilômetros de trecho cronometrado entre Al’Ula e Al Henakiyah em 6h16m25s. Marcelo é o primeiro brasileiro a conquistar vitória na edição 2024.

Leia também:

A etapa deste sábado, 06, foi considerada difícil e cheia de ação, e deu o tom da edição 2024 do Dakar. O percurso, traçado do zero, teve características geológicas nunca vistas antes na história do rali e o caminho, quase todo em piçarras e pedras escuras, serpenteou ao redor de vulcões, em uma paleta de tons minerais com todos os tons de cinza.

Quem soube poupar pneus, teve mais vantagem no dia. O desafio de 414 quilômetros de indícios do tamanho do grau de dificuldade que a competição terá pela frente.

“Foi um daqueles dias em que tudo deu certo. Fui para a largada focado, o quadri estava funcionando redondo e contribuiu para este excelente resultado. Mantive um bom ritmo. Consegui passar todos os quadriciclos e ganhar a etapa. Estou muito feliz, com a vitória”, comemora o representante brasileiro.

Medeiros que largou em sétimo, já conquistou o melhor tempo deste o primeiro posto de controle do trecho cronometrado (km38) impondo três segundos de vantagem ao melhor do prólogo, o argentino Francisco Moreno. E, no segundo “waypoint” (km 87), abriu vantagem de mais de um minuto sobre o pelotão.

No terceiro, perdeu um pouco da vantagem, caindo para 35 segundos sobre o outro argentino Manuel Andujar, seu principal oponente. Na chegada ao WP do km 127, a vantagem do piloto da Tag Racing Team chegou a 2m30s, enquanto a segunda colocação ficou embolada entre os argentinos e o francês Alexandre Giroud.

A partir daí e com o caminho livre, o maranhense ampliou a diferença a cada controle, chegando à frente com 3m27s, no km 281 e 4m36, no km 318. Na briga entre argentinos e o francês, Juraj Varga, da Eslováquia, e Laisvydas Kancius, da Lituânia, correram por fora e ultrapassaram na cronometragem na linha de chegada, com 2m40s e 10m03s, respectivamente, atrás do brasileiro. Esta é a nona vitória em toda sua história de participações do Dakar.

Neste domingo (7), a segunda etapa da maior prova de off-road do planeta reserva um trecho de grandessíssimos desafios. De início, serão 30 km de dunas. No entanto a maior parte da especial será de trechos rápidos, no qual a sorte favorecerá os corajosos, mas não os imprudentes. Com este percurso, o Dakar porá a resiliência dos competidores e a resistência de suas máquinas. E este será um longo dia no caminho para Al Duwadimi, com 192 quilômetros de deslocamentos e uma especial de 463 quilômetros.

O roteiro da 46ª edição do Dakar terá aproximadamente oito mil quilômetros, dos quais aproximadamente 4,7 mil são de trechos cronometrados. Este ano, o percurso do Dakar terá até 60% de trechos inéditos e em quase todas as etapas passam por dunas. O rali ainda contará com uma etapa de 48 horas, a sexta da edição, partindo e chegando a Shubaytah, em um percurso em formato de laço, na região desértica chamada de “Quarteirão Vazio” (Empty Quarter), no deserto Rub’Al Khali, que cobre 650 mil km², sendo a maior área contínua coberta de areia no mundo.

Dentro do Dakar, Marcelo Medeiros computou no ano passado quatro vitórias consecutivas e conclui na nona posição entre os quadriciclos. Em 2022, o piloto de São Luís (MA) completou em sexto em estreia na Arábia Saudita. O competidor da TAG Racing conta com outras três participações, quando a competição aconteceu na América do Sul. Em sua estreia, em 2016, e no ano seguinte o maranhense não finalizou a prova. Em 2018, ficou em quarto lugar entre os quadriciclos.

O Dakar 2024 conta pontos para o Mundial de Rally Cross Country (FIA e FIM).

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e McLAREN

Podcast #263 – Max mais incomodado? Briga pela P2 acirrada? O que esperar da F1 2024?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior Em todas as telas: como acompanhar o Dakar 2024
Próximo artigo Duas vitórias brasileiras e arrancada de Moraes no Dakar, apesar de pneu furado

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil