Fórmula 1
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
33 dias
Fórmula E
R
ePrix de Nova York
10 jul
-
11 jul
Canceled
IndyCar
R
Texas
04 jun
-
06 jun
Próximo evento em
5 dias
R
GP de Indianápolis
02 jul
-
04 jul
Próximo evento em
33 dias
NASCAR Cup
R
All-Star
27 mai
-
28 mai
Evento encerrado
R
29 mai
-
31 mai
Postponed
Stock Car Brasil
10 abr
-
12 abr
Evento encerrado
R
Santa Cruz do Sul
17 jul
-
19 jul
Próximo evento em
48 dias
MotoGP
R
GP da República Tcheca
06 ago
-
09 ago
Próximo evento em
68 dias
R
GP da Áustria
13 ago
-
16 ago
Próximo evento em
75 dias

Prévia: O que esperar da etapa de Berlim da Fórmula E virtual

compartilhar
comentários
Prévia: O que esperar da etapa de Berlim da Fórmula E virtual
Por:
22 de mai de 2020 19:42

Circuito do Tempelhof Airport de Berlim será o palco da competição pela primeira vez, após atualização da plataforma rFactor 2

Duas vitórias impulsionam Pascal Wehrlein à liderança do campeonato virtual, realizado em parceria com a Motorsport Games para apoiar o esforço contra o coronavírus da UNICEF.

A pista alemã de 1,48 km apareceu no calendário da vida real da F-E em 2015 e agora se junta a Mônaco, Hong Kong, no Race at Home

Leia também:

O piloto da Venturi, Edoardo Mortara, que conquistou a pole position em Hong Kong, explica ao leitor do Motorsport.com como é uma volta no traçado alemão.

A superfície:

A F-E corre no pátio do antigo aeroporto, cuja superfície é composta de blocos de concreto após o uso do local durante a Guerra Fria.

As juntas dos blocos proporcionam uma passagem irregular, enquanto o próprio concreto é extremamente abrasivo.

Mortara diz: “A superfície não é asfalto normal, é bem diferente. Você tem esse concreto áspero, que normalmente dá bastante aderência à pista e causa um pouco mais de problemas nos pneus. A maneira como você configura seu carro para Berlim é um pouco diferente.”

"Você pensaria que há muito desenvolvimento de trilhas, mas na verdade não há muito", acrescenta Mortara. “O nível de aderência já é bastante alto quando você chega lá por causa da superfície especial. Durante o fim de semana de corrida, você costuma ter muitos pedações de pneu fora da linha de corrida, porque é muito abrasivo. Isso causa um pouco mais de desgaste dos pneus.”

Tempelhof layout

Tempelhof layout

Photo by: FIA Formula E

Curvas 1, 2 e 3

A primeira curva é uma das mais longas da F-E. Ela vem após uma reta principal curva para a esquerda e depois você encara 270 graus antes de passar rapidamente para a direita na sequência nas curvas 2 e 3.

Mortara explica: “Na primeira parte da pista, você tem uma longa curva 1 para a esquerda e depois duas para a direita muito próximas. Estas são curvas muito lentas. O que é muito importante nesse tipo de curva lenta é frear tarde e ter boas saídas, especialmente a partir da curva 3."

Curvas 4 e 5

Depois de se dirigir para a estreita curva 4 à esquerda, a pista apresenta ainda a curva 5 antes de uma longa reta.

“Entrando em uma curva para a esquerda, que na verdade é mais como uma pequena chicane, é muito importante sair bem dela, porque então você tem uma reta muito longa”, diz Mortara.

Curva 6

Após a reta, a curva 6 permite que os pilotos experimentem linhas variadas, mas a maioria tende a correr bem na entrada para abrir a curva o máximo possível para garantir uma passagem suave.

“Depois da primeira longa reta que você tem no circuito, a seguir é uma para a esquerda bastante aguda”, disse Mortara. "É muito importante frear tarde. É irregular, complicado e é muito fácil travar as rodas dianteiras.”

Curvas 7 e 8

A seguir, está a curva 7 bastante aberta e a 8 à direita.

"A 7 é provavelmente uma das curvas mais rápidas que temos no calendário da Fórmula E", disse Mortara. "A próxima curva à direita é com o pé embaixo."

Curva 9

A chegada para a curva 9 oferece a maior oportunidade de ultrapassagem em Tempelhof. O último setor é composto por apenas duas curvas, e o hairpin apertado significa que é fácil para os pilotos perderem o ápice.

Mortara diz: “Aqui é muito importante frear tarde, mas é bastante acidentado, por isso é difícil porque é fácil travar novamente as rodas dianteiras. A saída também é bastante importante.”

Curva 10

Antes de fechar a volta, está a longa curva final, para a qual os pilotos pisam no freio a 50 metros. Eles precisam sair de forma limpa e com forte tração para se impulsionar para a ‘reta curva’.

"Então você está pronto para a última curva", disse Mortara. “Isso é um pouco complicado, porque a saída é bastante aberta, por isso é importante levar alguma velocidade para a curva.”

“Se você conseguir uma boa saída, isso o colocará na reta principal, que é levada para esquerda.”

A quinta etapa do Race at Home, acontece neste sábado, 23 de maio, às 11h30, com transmissão ao vivo no Motorsport.com.

Live de Felipe Massa: Piloto revela "causos" hilários da vida na F1

PODCAST: Emerson Fittipaldi abre o jogo

 

Próximo artigo
eNASCAR Heat Pro League: Equipe Germain Gaming conquista dupla vitória em Mid-Ohio

Artigo anterior

eNASCAR Heat Pro League: Equipe Germain Gaming conquista dupla vitória em Mid-Ohio

Próximo artigo

Assista à etapa de Berlim do Race at Home Challenge da Fórmula E

Assista à etapa de Berlim do Race at Home Challenge da Fórmula E
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E , eSports
Autor Matt Kew