A F1 está indo longe demais com as pistas de rua?

Mudança da corrida na Espanha para Madri, no lugar de Barcelona, foi o 'gatilho' para o questionamento

madrid-cropped

A mudança do GP da Espanha para um circuito urbano em Madri levantou muitas sobrancelhas. Mas até que ponto são válidas as preocupações dos fãs com o crescente número de circuitos de rua da Fórmula 1?

Leia também:

"Outro circuito de rua, não", foi a resposta dominante nas mídias sociais após o anúncio da F1 de que o GP da Espanha deixaria sua casa de longa data em Barcelona. Com o futuro de Barcelona no limbo, a partir de 2026, o evento será realizado em um novo circuito de 'misto' em Madri, localizado no recinto de feiras IFEMA, próximo ao aeroporto de Barajas, muito mais perto do centro da cidade do que o seu homólogo catalão.

O mapa sinuoso da pista, que apresenta algumas seções construídas propositadamente, incluindo uma curva inclinada de alta velocidade, bem como um traçado de rua mais típico de parada e arrancada, não inspirou muita confiança entre um número crescente de fãs descontentes que sentem que a F1 está começando a se afastar demais de seus amados locais tradicionais e permanentes para circuitos urbanos menos evocativos.

Nos últimos anos, vários circuitos de rua se juntaram ao calendário, incluindo os de Baku, Jeddah e Las Vegas. Há também os circuitos urbanos ou de parque. Não são tecnicamente circuitos de rua, mas estão localizados em áreas metropolitanas tão densas que os projetistas de pistas são limitados pelo ambiente apertado.

Miami é um deles, e Madri também será.

Você poderia argumentar sobre alguns, mas olhando para o calendário deste ano, sete dos 24 locais podem ser classificados como alguma forma de circuito de rua: Jeddah, Melbourne, Miami, Mônaco, Baku, Singapura e Las Vegas.

Todos eles se encaixam na estratégia da Liberty Media de ir para cidades vibrantes de "destino", facilitando o acesso dos fãs aos locais usando o transporte público e a infraestrutura existente, além de oferecer às equipes e aos patrocinadores opções de hospitalidade mais atraentes.

Esteban Ocon, Alpine A523

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

Esteban Ocon, Alpine A523

Com 17 locais permanentes restantes, parece que a reação dos fãs contra os circuitos de rua é um pouco exagerada nesta fase, embora possa ser vista como um medidor de onde os aficionados de longa data acham que o equilíbrio deve estar.

Os circuitos de rua e sua enxurrada comum de curvas fechadas de 90 graus não mexem com a imaginação dos fãs ou dos pilotos da mesma forma que Eau Rouge, Stowe ou 130R, e também não trazem à tona o melhor do maquinário extremamente impressionante desta era.

A fanfarra em torno da estreia bem-sucedida da F1 em Las Vegas não convenceu os puristas, e provavelmente nunca o fará, e o desejo declarado da Liberty Media de realizar 24 eventos no estilo do Super Bowl provavelmente aumentou a sensação de alarme de que os Monzas, Spas e Suzukas do mundo terão que, eventualmente, dar lugar a Milão, Bruxelas ou Osaka, esta última emergindo como uma candidata interessada em sediar uma corrida no futuro.

Mas esse não parece ser o caso.

A Motorsport.com entende que a F1 tem plena consciência da necessidade de preservar seu delicado equilíbrio entre locais permanentes e circuitos de rua - e entre tradição e comércio - em vez de fazer com que os dois tipos de corrida concorram entre si.

E embora o termo "cidade de destino" evoque imagens de corridas no centro da cidade através de grandes metrópoles, isso não significa que cada novo local tenha que ser exatamente isso, desde que o acesso dos fãs e as instalações estejam de acordo com o padrão.

Um exemplo disso é Zandvoort, que fica a uma certa distância do centro de Amsterdã, mas possui excelentes conexões de transporte público. O vizinho de Zandvoort ao sul, Spa-Francorchamps, melhorou muito nos últimos anos depois de ter ficado para trás, oferecendo agora instalações e pacotes de entretenimento muito melhores para os fãs, mesmo que suas opções de transporte ainda sejam limitadas.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, 1st position, waves from his cockpit as fans turn the air orange in celebration of victory

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, 1ª posição, acena de seu cockpit enquanto os torcedores deixam o ar laranja para comemorar a vitória

Monza é a próxima na fila para aderir à filosofia da Liberty de renovar a infraestrutura inadequada do local histórico em um esforço para salvaguardar seu lugar no calendário e, ao mesmo tempo, reforçar seus esforços de sustentabilidade contra o pano de fundo das metas Net Zero 2030 da F1.

A F1 parece estar disposta a trabalhar com os promotores desses locais tradicionais e favoritos dos fãs para que aceitem sua visão de como deve ser um grande prêmio do século XXI, o que poderia inspirar alguma confiança de que não está simplesmente decidido a abandoná-los completamente.

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e McLAREN

Sai Barcelona, entra Madri: F1 muda DNA e pode perder GPs clássicos

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior De 'Visa Racing Bulls' a MasterCard Lola: relembre nomes bizarros de equipes de F1
Próximo artigo Haas anuncia data de lançamento do VF-24 e completa cronograma de divulgações dos carros da F1 2024

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil