Fórmula 1
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
66 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
80 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
87 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
115 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
143 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
150 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
164 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
171 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
185 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
199 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
206 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
220 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
234 dias

Alonso: Rivais não estão explorando "fraquezas" de Hamilton

compartilhar
comentários
Alonso: Rivais não estão explorando "fraquezas" de Hamilton
Por:
29 de jan de 2020 13:53

Espanhol sente que Lewis Hamilton tem "pontos fracos" na Fórmula 1 "que ainda não foram explorados"

Em entrevista exclusiva à revista F1 Racing, Fernando Alonso, companheiro de Lewis Hamilton na McLaren em 2007, falou das conquistas recentes de seu ex-rival à pedido da publicação.

Alonso, agora bicampeão das 24 Horas de Le Mans e campeão mundial de endurance, está fora da F1 desde o final da temporada de 2018 e conquistou seu último título em 2006.

Leia também:

Hamilton venceu seis campeonatos nesse período, incluindo cinco nos últimos seis anos, o que Alonso diz que mostra que o piloto da Mercedes "aumentou seu nível."

"Especialmente em 2019, quando o carro não foi tão dominante quanto em outras temporadas", acrescentou Alonso, que manifestou interesse em retornar à F1 em 2021, se as novas regras tiverem o objetivo de melhorar as corridas.

"Se ele não pode vencer, ele sempre está muito próximo, nem 20 segundos mais atrás, o que acontece um pouco com Valtteri [Bottas, atual companheiro de Hamilton].”

"Um fim de semana em que o carro não é tão competitivo, Bottas está em quinto, sexto ou um minuto atrás, mas Lewis não. Ele deu um passo à frente, ele está mais competitivo, mais preparado."

"Ele ainda tem alguns pontos fracos que ainda não foram explorados ​​- ninguém está pressionando esse botão, dessa fraqueza."

Quando solicitado a falar sobre as fraquezas de Hamilton, Alonso disse: "Se você estudar a temporada de Lewis, sempre há uma tendência comum.”

"Ele começa o ano devagar e ninguém tira proveito disso. Todos nós ficamos empolgados com o fato de que será o ano de Bottas, mas não é."

"Seria bom competir contra ele [Lewis] em uma luta adequada. Talvez seus pontos fracos não sejam reais e tudo seja calculado, mas seria bom descobrir".

Alonso, cujo relacionamento formal com a McLaren terminou no final da temporada passada, explicou que tirar proveito de uma possível fraqueza no início da temporada exporia Hamilton à pressão que ele sente que não tem sofrido nos últimos anos.

"Quando você tem um bom pacote, os outros competidores caem e você aumenta sua liderança no campeonato, tudo parece calmo", disse Alonso.

"Se você está apenas um ponto à frente ou dez pontos atrás, o estresse é diferente.”

"Os erros são diferentes e as suas comunicações por rádio são diferentes. Precisamos ver Hamilton quando a pressão está alta".

Relembre os 10 melhores e os 10 piores momentos de Alonso com a McLaren 

Top-10: Melhores momentos

Galeria
Lista

Apresentação: Fernando Alonso e Lewis Hamilton

Apresentação: Fernando Alonso e Lewis Hamilton
1/10

Foto de: McLaren

Em 15 de janeiro de 2007, em Valência, foi apresentada a dupla mais promissora da F1, bem como seu novo MP4/22. A equipe renovou sua imagem, chegaram novos patrocinadores principais, o banco Santander Bank e a Vodafone, ex-patrocinadora da Ferrari. O evento foi gigantesco, Alonso rodou com seu carro em um circuito improvisado em torno do local do evento. O que poderia dar errado em 2007?

Malásia 2007: Alonso vence em sua segunda corrida

Malásia 2007: Alonso vence em sua segunda corrida
2/10

Foto de: Hazrin Yeob Men Shah

Em Sepang, Fernando Alonso alcançaria sua primeira vitória com sua nova equipe. Não só isso, o espanhol se colocou como líder mundial, uma posição na época muito familiar para ele. Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen o acompanharam novamente no pódio. Tudo estava indo muito bem para Alonso.

Mônaco 2007: Alonso faz história

Mônaco 2007: Alonso faz história
3/10

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Fernando Alonso já havia vencido o GP de Mônaco em 2006. No entanto, em 2007 ele conseguiu algo que nenhum outro piloto havia conseguido antes: vencer em anos consecutivos com equipes diferentes. Foi sua segunda vitória naquele ano e uma que lhe permitiu colocar a ordem em casa, porque, embora Lewis Hamilton ainda não tivesse vencido sua primeira corrida, ele era o líder mundial. A partir daí, eles empataram em pontos, mas com o líder Alonso, graças às suas duas vitórias. A partir da próxima corrida, no Canadá, as coisas começaram a mudar.

GP da Europa de 2007

GP da Europa de 2007
4/10

Foto de: Lorenzo Bellanca / Motorsport Images

O GP da Europa de 2007, em Nürburgring, foi uma corrida louca, que teve a chuva como uma das protagonistas e terminou com uma grande vitória de Alonso em um final apertado, com contato com Felipe Massa. A raiva do espanhol, parcialmente gerada por esse contato, teve de ser contida por Ron Dennis ao chegar ao parque fechado. Alonso ficou dois pontos atrás de Hamilton no mundial.

Hungria 2015

Hungria 2015
5/10

Foto de: McLaren

Após um início de segunda passagem pela McLaren, atormentado por problemas de confiabilidade e falta de potência, além do acidente na pré-temporada, em Hungaroring, Fernando Alonso alcançou seu primeiro bom resultado de 2015 com o quinto lugar, depois de ter começado no 15º. Essa quinta posição seria a melhor desses anos, a repetindo em outras três ocasiões nas temporadas seguintes. Mas em 2015, com o déficit que eles tinham em desempenho, talvez tenha sido a mais perceptível.

Malásia 2016: De último ao sétimo

Malásia 2016: De último ao sétimo
6/10

Foto de: McLaren

Depois de várias mudanças na unidade de potência, Fernando Alonso acumulou 45 posições de punição de grid, algo que não era incomum na época na Honda. Largando da última posição, ele fez seu trabalho habitual no início e, acompanhado de uma boa estratégia, conseguiu se colocar no final da luta pela sexta posição com Sergio Pérez. Acabou em sétimo, marcando a sexta volta mais rápida da corrida, que com a McLaren Honda da época, não era pouca coisa.

Indy 500 de 2017

Indy 500 de 2017
7/10

Foto de: Phillip Abbott / Motorsport Images

Embora esse momento possa ser classificado como um dos piores, pela forma como terminou, perdendo o GP de Mônaco para tentar a Indy 500, Alonso se saiu muito bem em termos de desempenho. Com as cores da McLaren, mas em um carro da Andretti Autosport, o espanhol foi instantaneamente rápido em encontrar um carro competitivo pela primeira vez em muito tempo. Ele liderou a corrida quatro vezes e por 27 voltas e parecia poder lutar pela vitória. No entanto, a 21 voltas do final, ele teve que abandonar.

Brasil 2017

Brasil 2017
8/10

Foto de: Andrew Hone / Motorsport Images

A sexta posição de largada de Fernando Alonso em Interlagos em 2017 foi a melhor que ele teve em sua segunda passagem pela McLaren, embora, na verdade, ele tenha se classificado em sétimo, mas avançou graças a uma penalidade para Daniel Ricciardo. Na corrida, ele foi superado por Lewis Hamilton, que havia batido na classificação, mas lutou com o que tinha e chegou na oitava posição.

Baku 2018

Baku 2018
9/10

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

As imagens de Fernando Alonso entrando nos boxes de Baku, no final da primeira volta com o carro sobre duas rodas, porque o pneu dianteiro direito foi furado e o traseiro direito não existia mais, além dos danos no assoalho, parecia indicar que o espanhol deixaria a corrida. Ele voltou à pista para começar um retorno que o levaria ao sétimo lugar.

Espanha 2018

Espanha 2018
10/10

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

A partir de 2018, Fernando Alonso realizou grandes corridas com a McLaren Renault, um carro que no final parecia sofrer alguns dos mesmos males que seus antecessores, apesar da troca do motor da Honda. Terminar as corridas naquele ano significou pontos, mas Barcelona geralmente coloca cada equipe em seu lugar. Apesar disso, Alonso entrou no Q3 e venceu a Renault na classificação. Na corrida, ele teve que tomar medidas evasivas antes do incidente gerado por Romain Grosjean na primeira curva, perdeu posições, mas se recuperou avançando em uma boa manobra sobre Esteban Ocon e depois conquistando a posição de Charles Leclerc para terminar em oitavo.

Top-10: Piores momentos

Galeria
Lista

Hungria 2007: quando a guerra estourou

Hungria 2007: quando a guerra estourou
1/10

Foto de: Charles Coates / Motorsport Images

A classificação do GP da Hungria de 2007 foi a gota que transbordou o copo de Fernando Alonso e McLaren. Alonso conseguiu a pole, mas depois a perderia ao ser punido por obstruir deliberadamente Lewis Hamilton na área da McLaren, o impedindo de iniciar sua última volta de classificação. Sua equipe também não marcaria pontos para o mundial de construtores, e depois disso, o "Spygate" entre McLaren e Ferrari acabaria tornando ainda mais tóxica a relação entre o espanhol e sua equipe.

Japão 2006

Japão 2006
2/10

Foto de: XPB Images

Embora o GP do Brasil seja mais lembrado por ser a corrida em que Fernando Alonso deixou de ser campeão mundial, após o título de Kimi Raikkonen, o GP do Japão, algumas corridas antes, talvez tenha sido mais importante. Alonso bateu e passou em branco, enquanto Lewis Hamilton venceu sob forte chuva em Fuji.

Pré-temporada de 2015: acidente misterioso

Pré-temporada de 2015: acidente misterioso
3/10

Foto de: XPB Images

Nunca houve um dia com tanta agitação durante um teste de inverno em Barcelona como no domingo, 23 de fevereiro de 2015, quando Fernando Alonso sofreu um acidente estranho que o forçou a ser levado de helicóptero do circuito e que mais tarde o forçaria a perder a primeira corrida de seu segundo capítulo como piloto da McLaren. Foi especulado com diferentes razões técnicas, incluindo um choque elétrico ao piloto, como as razões do incidente. No entanto, o vento excessivo foi oficialmente culpado, embora mais tarde o próprio Alonso em seu retorno à Malásia falasse de um problema com a direção, negando ter acordado achando que estava no ano anterior e falando outro idioma, como foi especulado em alguns meios de comunicação. A verdade, por enquanto, permanece um mistério.

Japão 2015: "GP2 engine!"

Japão 2015: "GP2 engine!"
4/10

Foto de: XPB Images

Em Suzuka, na casa da Honda, Fernando Alonso não conteve sua frustração e via rádio, sendo ultrapassado por outros carros nas retas, devido à falta de potência, ele descreveu o motor japonês como um motor de GP2. Talvez tenha sido uma de suas comunicações de rádio mais lembradas, certamente a mais famosa de seu tempo na McLaren. A Honda aproveitou as vitórias na Fórmula 1 com a Red Bull em 2019 para devolver o dardo do espanhol por meio de suas redes sociais, quase quatro anos depois.

Brasil 2015: A imagem dos memes

Brasil 2015: A imagem dos memes
5/10

Foto de: XPB Images

Fernando Alonso a pé, sem capacete, tomando banho de sol em uma área do circuito de Interlagos, durante o treino de classificação do GP do Brasil. O espanhol sofreu com a segunda falha de motor do final de semana com humor, já que nos treinos livres ele já havia sofrido uma. A Honda já possuía uma dúzia de unidades de potência durante o ano, mais que o dobro do limite das regras. Alonso chegou a dizer que preferia ter todas as falhas possíveis naquele ano e nenhuma no ano seguinte. Infelizmente, doze meses depois, ele era cinegrafista no S do Senna durante os treinos livres, depois que sua McLaren parou.

Austrália 2016

Austrália 2016
6/10

Foto de: Sutton Motorsport Images

A imagem de Fernando Alonso emergindo da destruição de sua McLaren depois de voar, quando atingiu Esteban Gutierrez, foi um grande alívio, dada a magnitude do acidente com o qual, pelo segundo ano consecutivo, seu início de temporada na McLaren estava indo muito mal. Como resultado de um pneumotórax e costelas fraturadas, o espanhol teve que perder o GP do Bahrein, onde o belga Stoffel Vandoorne estreou.

Pré-temporada 2017

Pré-temporada 2017
7/10

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

A pré-temporada de 2017, finalmente a última da McLaren com a Honda antes de mudar para a Renault em 2018, foi decepcionante para Fernando Alonso e sua equipe, ainda mais do que nos dois anos anteriores. Eles estavam lentos, pouco confiáveis, foram aqueles que completaram o mínimo de voltas e também mantiveram um notável déficit de velocidade em reta. O espanhol tornou público seu desconforto com a Honda falando com a imprensa, observando que a McLaren estava pronta para vencer, mas a Honda não.

Rússia 2017: Quatro corridas, quatro abandonos

Rússia 2017: Quatro corridas, quatro abandonos
8/10

Foto de: LAT Images

Novamente, o início da temporada com a McLaren estava indo bem, exceto Fernando Alonso. Após três abandonos consecutivos, depois de estar próximo aos pontos na Austrália, sofrendo falhas no eixo e na unidade de potência na China e no Bahrein, respectivamente, na Rússia, nem sequer largou, devido a um problema no motor na volta de apresentação. Já era a terceira temporada com a Honda, mas às vezes parecia um déjà vu.

Brasil 2018

Brasil 2018
9/10

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Uma corrida ruim para Fernando Alonso em Interlagos, que foi punido com 5 segundos, por ignorar bandeiras azuis, assim como Vandoorne, mas mesmo assim ele ficou atrás do belga. Alonso não parecia mais motivado no final de uma temporada que havia caído após um começo emocionante. O 17º lugar, duas voltas atrás, igualou seu pior resultado com a McLaren. Isso já havia acontecido em Abu Dhabi 2015.

Indy 500 de 2019

Indy 500 de 2019
10/10

Foto de: McLaren

Já fora da Fórmula 1, mas focado em sua participação no WEC, onde já havia adicionado a segunda vitória de sua tríplice coroa, nas 24 Horas de Le Mans em 2018, Fernando Alonso tentou novamente a Indy 500. No entanto, ele nunca encontrou a velocidade que parecia instantânea dois anos antes com a Andretti Autosport. Procurando as milhas perdidas ficou fora do dos 33 primeiros e, consequentemente, fora da corrida. Foi sua última aparição em competição como piloto da McLaren, um triste fim para uma associação que nunca atendeu às suas próprias expectativas.

 

Próximo artigo
Mercedes terá reunião que pode definir saída da F1 em 2020, diz site

Artigo anterior

Mercedes terá reunião que pode definir saída da F1 em 2020, diz site

Próximo artigo

F1 confirma programação para o GP do Japão de 2020 com largada mais cedo

F1 confirma programação para o GP do Japão de 2020 com largada mais cedo
Carregar comentários