Fórmula 1
R
GP de 70º aniversário
07 ago
Próximo evento em
2 dias
04 set
Próximo evento em
30 dias
R
GP da Toscana
11 set
Próximo evento em
37 dias
R
GP de Singapura
17 set
Canceled
R
GP da Rússia
25 set
Próximo evento em
51 dias
R
GP do Japão
08 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
23 out
Canceled
R
GP do México
30 out
Canceled
R
GP do Brasil
13 nov
Canceled
R
GP de Abu Dhabi
27 nov
Próximo evento em
114 dias

ANÁLISE: A antes toda poderosa Williams agora está à venda

compartilhar
comentários
ANÁLISE: A antes toda poderosa Williams agora está à venda
Por:
31 de mai de 2020 15:36

A notícia de que a Williams pode estar à venda é vista como algo triste, apesar de não surpreender pela situação que a equipe vive

A equipe de Fórmula 1 teve um grande impacto nos últimos anos enquanto tentava balançar sua renda contra uma lista crescente de gastos. Essa última foi impactada pela péssima performance na pista, que viu a equipe cair de terceiro no Mundial de Construtores em 2015, para o último lugar em 2018 e 2019.

É a dura realidade da F1 que resultados significam renda. A partir do momento que você não tem bons resultados na pista, cria-se um ciclo vicioso onde você sofre para encontrar o investimento necessário para melhorar sua posição competitiva.

Leia também:

No início, Frank Williams dividia a direção do negócio com Patrick Head, e ele sempre resistiu vender a equipe. Ele recebeu diversas ofertas ao longo dos anos, mas era um negócio da família, e não tinha intenção de mudar isso - apesar de eventualmente Head decidir que era hora de vender.

Toto Wolff adquiriu uma parte em 2009, e depois que o austríaco mudou suas atenções para Mercedes, ela foi comprada pelo empresário americano Brad Hollinger, que detém uma parte significante das ações, 17%.

Em 2011, a Williams começou o processo de abertura de vendas na bolsa de Frankfurt, com 20% das ações sendo disponibilizadas em um primeiro momento, usando parte das ações de Sir Frank, mas a maioria sendo da parte de Head.

Em dezembro de 2019, a Williams fez uma grande reestruturação e injeção de verba quando a bem-sucedida Divisão Avançada de Engenharia foi vendida, com o Grupo Williams mantendo apenas uma pequena parte.

Claire Williams, Deputy Team Principal, Williams Racing

Claire Williams, Deputy Team Principal, Williams Racing

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

A Williams não é a única equipe da F1 aberta a novos investidores, ou mesmo donos. Porém, como uma companhia listada, ela tem responsabilidades legais extras, e especialmente a necessidade de manter a transparência sob seus negócios financeiros.

Por isso o comunicado lançado na sexta, que colocou a equipe à venda, de modo muito público e muito distante do que estamos acostumados a ver.

O comunicado diz: "As opções sendo consideradas incluem, mas não são limitadas a, arrumar novo capital para o negócio, a venda de uma pequena parte das ações do WGPH, ou a venda da maioria das ações da WGPH ou um venda potencial de toda a empresa".

"Apesar de não termos tomado decisões sobre o assunto ainda, para facilitar discussões com partes interessadas, a companhia anuncia o início de um 'processo formal de venda'".

A notícia veio junto com a divulgação dos resultados financeiros de 2019 da Williams. Após um 2018 sólido, houve queda em 2019, com a renda do grupo caindo mais de 15 milhões de libras - e esse número ainda inclui a venda da Divisão de Engenharia Avançada.

Os números específicos da equipe da F1 foram piores ainda, com a renda caindo 35 milhões de libras - uma discrepância enorme entre anos.

Porém, a revelação mais importante veio do CEO Mike O'Driscoll que disse que a equipe "havia sido notificada do fim do relacionamento com sua patrocinadora master, ROKiT e a patrocinadora ROK Drinks".

Anunciada em fevereiro do ano passado, o acordo com a ROKiT parecia ser o sonho da equipe. No final de 2018, a Williams havia perdido um acordo com a Rich Energy para a Haas no último minuto, e aí a empresa apareceu do nada.

Os números eram altos e o chefe, Jonathan Kendrick - que já havia inclusive trabalhado com a Williams em 1978 - parecia ser o parceiro ideal. Ele era um entusiasta da F1 antiga, que não estava preocupado com os péssimos resultados na pista a curto prazo. O acordou foi estendido para 2023, sugerindo que tudo ia bem. Porém, as coisas não estavam tão bem assim, como indicou o fim do acordo.

Mechanics wheel Nicholas Latifi, Williams FW43 back into the garage

Mechanics wheel Nicholas Latifi, Williams FW43 back into the garage

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

A situação não mudou da noite para o dia, então deve ter se desenvolvido nos bastidores ao longo dos últimos meses. Em outras palavras, a equipe sabia que o fim do acordo com seu principal parceiro poderia estar próximo - e a tempestade perfeita foi se criando com a chegada da pandemia da Covid-19 e o impacto no calendário e no fundo de prêmios da F1.

No mês passado, a empresa negociou um empréstimo substancial com Michael Latifi, pai de seu piloto, Nicholas, para ajudar a navegar pelo momento.

O fato é que mais de 100 carros históricos da Williams na F1 foram listados como colaterais - além de prédios e do local da fábrica - algo simbólico representando as dificuldades de uma equipe que já foi a toda poderosa da F1.

Latifi é um parceiro compreensivo e que obviamente tem seus motivos para ver a organização saudável. A chefe da equipe, Claire Williams, disse ao Motorsport.com: "O empréstimo nos dá recursos necessários para seguir adiante".

É interessante notar o momento do anúncio desta sexta. Ao longo dos últimos cinco anos, os resultados anuais da empresa haviam sido publicados em abril, na seguinte ordem: 27, 11, 05, 20 e 05.

Esse ano, os números vieram bem mais tarde, dando à empresa espaço para respirar e considerar suas opções para o futuro, finalizar o empréstimo de Latifi e ter clareza sobre a situação com a ROKiT.

O timing também trouxe a confirmação formal do teto orçamentário da F1 e a sua redução para 2021 e os próximos anos, além de medidas que criam um futuro melhor para todas as equipes, o que permite à Williams apresentar boas notícias junto das ruins.

É significante que o CEO O'Driscoll reconheceu formalmente as mudanças no regulamento em seu comunicado: "Estamos confiantes que a visão e planos de longo prazo da Liberty Media, que inclui um inédito teto orçamentário para o esporte, irá nivelar o grid em 2021 e além, permitindo uma competição maior entre as equipes".

Lembre-se também que todas as equipes terão que assinar um novo Pacto de Concórdia nos próximos meses, comprometendo-se a mais cinco anos no esporte. É lógico analisar todas as opções antes de fazer isso.

O lado negativo é que, graças à pandemia, esse não é um bom momento para vender nada, ainda mais uma equipe de automobilismo. E estar em uma posição na qual você precisa tornar isso público é uma imagem muito negativa para começar as negociações.

Além disso, pessoas ricas que poderiam ter interesse em adquirir uma equipe de F1 podem não estar tão ricas quanto estavam há alguns meses, e estão enfrentando as mesmas incertezas que todos os demais.

Ainda há compradores em potencial por aí. Porém, em um momento em que outras equipes também estão no mercado - e estão em melhor situação no grid - a Williams dificilmente seria a primeira opção para quem tem dinheiro para gastar. É uma simples reflexão de sua performance na pista.

Porém, com o apoio correto, a Williams ainda tem muito a oferecer, e o fato de que uma organização com tanta história pode estar disponível no mercado pela primeira vez tem muito apelo. E também existe uma fábrica muito bem equipada, com pessoas boas e com experiência.

Qualquer investidor sabe também que o novo teto significa que equipes com menos verbas podem também buscar diminuir a distância - e que as equipes de ponta não poderão continuar gastando tudo e mais um pouco em busca do sucesso. Além disso, o novo Pacto de Concórdia deverá incluir uma distribuição mais justa dos prêmios.

Com sorte, o investidor ou comprador certo, alguém com comprometimento e visão para levar a Williams à parte de cima do grid novamente, está por aí. Pode até ser que a equipe já esteja em conversas avançadas, mesmo que a porta tenha sido aberta de modo formal apenas agora.

O pai de Latifi é um óbvio candidato. Porém, há uma grande diferença entre um empréstimo e um investimento - e o canadense já está bastante comprometido desde que comprou 10% da McLaren.

A Williams está claramente em uma situação difícil, mas essa não é apenas uma 'venda de fogo', um passo antes da falência. É uma tentativa controlada de ver quais são as opções por aí, e está sendo feita no momento certo, já que Claire insiste que a equipe já tem o orçamento necessário para essa temporada.

"Não vejo isso como desespero", disse. "Acho que é a coisa certa e prudente a ser feita. E na Williams, como família, sempre colocamos nossa equipe da F1 em primeiro lugar".

"E eu analiso que esse momento de buscar investimento mesmo nessa situação condiz com nossa filosofia de que sempre tentaremos proteger o futuro de nossa equipe, proteger as pessoas que trabalham conosco".

Riccardo Patrese, Williams FW14B Renault, leads Nigel Mansell, Williams FW14B Renault

Riccardo Patrese, Williams FW14B Renault, leads Nigel Mansell, Williams FW14B Renault

Photo by: Motorsport Images

GALERIA: Relembre a história da Williams na F1 através de seus carros e pilotos

Galeria
Lista

Patrick Nève, 1977

Patrick Nève, 1977
1/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

A Williams estreou como equipe na F1 em 1977, com o belga Patrick Nève como piloto. À época, o grupo ainda não era construtor, já que usava um carro da March.

Alan Jones, Williams Ford-Cosworth FW06, 1978

Alan Jones, Williams Ford-Cosworth FW06, 1978
2/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Foi neste ano que a Williams se tornou um construtor, com Jones como piloto. Seu melhor resultado foi um segundo lugar nos Estados Unidos.

Clay Regazzoni, Williams Ford-Cosworth FW07, 1979

Clay Regazzoni, Williams Ford-Cosworth FW07, 1979
3/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na primeira temporada com dois pilotos, vieram as primeiras vitórias com Jones, que terminou o ano em terceiro. Já o suíço Regazzoni ficou em quinto.

Carlos Reutemann, Williams Ford-Cosworth FW07B, 1980

Carlos Reutemann, Williams Ford-Cosworth FW07B, 1980
4/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Depois de ensaiar o título em 1979, Jones levantou a taça no ano seguinte, superando o brasileiro Nelson Piquet, então na Brabham. Substituto de Regazzoni, o argentino Reutemann foi o terceiro, contribuindo para o primeiro mundial de construtores da Williams.

Carlos Reutemann, Williams Ford-Cosworth FW07C, 1981

Carlos Reutemann, Williams Ford-Cosworth FW07C, 1981
5/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nesta temporada, Reutemann superou Jones e foi o vice-campeão, à frente do australiano. Piquet conquistou seu primeiro título. Entretanto, a Williams foi a campeã de construtores.

Keke Rosberg, Williams Ford-Cosworth FW08, 1982

Keke Rosberg, Williams Ford-Cosworth FW08, 1982
6/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em ano atribulado, a Williams teve quatro pilotos se alternando em dois carros. Além de Reutemann, o norte-americano Mario Andretti, o irlandês Derek Daly e o finlandês Keke Rosberg. Este venceu apenas uma vez, mas foi consistente para conquistar seu único título. A Ferrari foi a campeã de construtores.

Keke Rosberg, Williams Ford-Cosworth FW08C, 1983

Keke Rosberg, Williams Ford-Cosworth FW08C, 1983
7/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nesta temporada, Rosberg teve o francês Jacques Laffite como companheiro (o britânico Jonathan Palmer também disputou uma prova). Entretanto, eles não brigaram pelo tíulo de pilotos e nem pelo de construtores. Piquet foi bicampeão e a Ferrari a melhor equipe.

Keke Rosberg, Williams-Honda FW09, 1984

Keke Rosberg, Williams-Honda FW09, 1984
8/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

No ano em que o austríaco Niki Lauda conquistou seu terceiro título, Rosberg e Laffite não foram capazes de brilhar, exceto pela vitória do finlandês em Dallas.

Keke Rosberg, Williams-Honda FW10, 1985

Keke Rosberg, Williams-Honda FW10, 1985
9/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nesta temporada, o britânico Nigel Mansell estreou pela equipe. Ele terminou o ano em sexto, atrás de Rosberg, terceiro. A Williams também foi terceira. O francês Alain Prost conquistou seu primeiro título com a McLaren.

Nelson Piquet, Williams-Honda FW11, 1986

Nelson Piquet, Williams-Honda FW11, 1986
10/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

No primeiro ano como 'sucessor' de Rosberg, Piquet terminou em terceiro, atrás de Mansell. Prost foi o campeão, mas a Williams faturou entre os construtores.

Nelson Piquet, Williams-Honda FW11B, 1987

Nelson Piquet, Williams-Honda FW11B, 1987
11/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

O brasileiro conquistou seu tricampeonato batendo Mansell na batalha interna da Williams, que chegou ao seu quarto mundial de construtores.

Nigel Mansell, Williams-Judd FW12, 1988

Nigel Mansell, Williams-Judd FW12, 1988
12/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Depois do tri, Piquet foi para a Lotus. Seu substituto foi o italiano Riccardo Patrese. Mal, a Williams esteve longe da dominante McLaren, que viu o brasileiro Ayrton Senna conquistar seu primeiro título sobre o companheiro Prost.

Thierry Boutsen, Williams-Renault FW13, 1989

Thierry Boutsen, Williams-Renault FW13, 1989
13/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Mansell foi para a Ferrari. Em seu lugar, veio o belga Thierry Boutsen, que terminou o ano em quinto. Patrese foi o terceiro e a Williams foi a vice entre os construtores, atrás da McLaren, que viu o tricampeonato de Prost.

Thierry Boutsen, Williams-Renault FW13B, 1990

Thierry Boutsen, Williams-Renault FW13B, 1990
14/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Boutsen e Patrese foram sexto e sétimo, respectivamente, e a Williams caiu para o quarto posto entre os construtores, liderados pela McLaren. Senna bateu Prost, que fora para a Ferrari, e conquistou seu segundo título.

Nigel Mansell, Williams-Renault FW14, 1991

Nigel Mansell, Williams-Renault FW14, 1991
15/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

De volta após a passagem pela Ferrari, Mansell foi vice, assim como a Williams. Os vencedores foram Senna e McLaren.

Nigel Mansell, Williams-Renault FW14B, 1992

Nigel Mansell, Williams-Renault FW14B, 1992
16/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Foi neste ano que Mansell conquistou seu sonhado título. Patrese foi o vice e a Williams sobrou entre os construtores, tendo feito um dos carros mais icônicos de toda a história da F1.

Alain Prost, Williams-Renault FW15C, 1993

Alain Prost, Williams-Renault FW15C, 1993
17/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Patrese foi para a Benetton ao lado do alemão Michael Schumacher e Frank Williams contratou Prost, de volta após ano sabático. O chefe da equipe não garantiu privilégio ao campeão Mansell, que deixou a F1 insatisfeito e foi faturar a Indy. Seu substituto foi o britânico Damon Hill. A Williams seguiu avassaladora e não deu chances aos outros construtores, enquanto Prost ganhou seu tetra tranquilo, com Hill como vice.

Ayrton Senna, Williams-Renault FW16, 1994

Ayrton Senna, Williams-Renault FW16, 1994
18/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Neste ano, Frank Williams se movimentou para contratar Senna, o que deu certo e acabou contribuindo para a aposentadoria de Prost. Entretanto, a mudança de regulamentos da F1 acabou prejudicando a Williams, que perdeu a vantagem enorme e passou a ter a concorrência da Benetton de Schumacher. Senna acabaria morrendo no GP de San Marino e o alemão foi o vencedor da temporada, à frente de Hill. Mansell e o escocês David Coulthard se alternaram como substitutos do brasileiro e contribuíram para o título de construtores da equipe britânica.

Damon Hill, Williams-Renault FW17, 1995

Damon Hill, Williams-Renault FW17, 1995
19/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nesta temporada, Hill e Coulthard foram os pilotos. O britânico voltou a sucumbir diante de Schumacher, enquanto o escocês foi o terceiro. E o título de construtores ficou mesmo com a Benetton, já que Schumi pontuou demais e seu companheiro britânico Johnny Herbert ficou em quarto.

Damon Hill, Williams-Renault FW18, 1996

Damon Hill, Williams-Renault FW18, 1996
20/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Neste ano, Schumacher foi para a Ferrari e abriu o caminho para o título de Hill, que bateu o companheiro novato Jacques Villeneuve, do Canadá. A Williams reconquistou o título de construtores.

Jacques Villeneuve, Williams-Renault FW19, 1997

Jacques Villeneuve, Williams-Renault FW19, 1997
21/76

Foto de: LAT Images

Apesar da glória, Hill foi dispensado (e comunicado da decisão antes mesmo do fim da temporada 1996) para dar lugar ao alemão Heinz-Harald Frentzen. Com isso, a Williams chegou ao quarto campeão que deixou a equipe no ano seguinte ao título (os outros foram Piquet, Mansell e Prost). Villeneuve se aproveitou e conquistou seu único título na F1, superando o novo companheiro. Mais um título de construtores para a galeria britânica.

Heinz-Harald Frentzen, Williams-Mecachrome FW20, 1998

Heinz-Harald Frentzen, Williams-Mecachrome FW20, 1998
22/76

Foto de: LAT Images

Nesta temporada, a Renault saiu da F1 como fornecedora de motores e a Williams fez parceria com a Mecachrome. Apesar de a nova unidade ter relação com a montadora francesa, o rendimento caiu e a McLaren foi dominante. Impulsionada pela Mercedes, a equipe britânica faturou o título de construtores e o de pilotos com o finlandês Mika Hakkinen.

Ralf Schumacher, Williams-Supertec FW21, 1999

Ralf Schumacher, Williams-Supertec FW21, 1999
23/76

Foto de: LAT Images

O nome Mecachrome mudou para Supertec, mas o rendimento seguiu inferior ao de McLaren e Ferrari. Os italianos levaram entre os construtores e Hakkinen foi bi. Neste ano, Villeneuve e Frentzen deram lugar ao alemão Ralf Schumacher e ao italiano Alessandro Zanardi, mas o desempenho não melhorou.

Jenson Button, Williams-BMW FW22, 2000

Jenson Button, Williams-BMW FW22, 2000
24/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Neste ano, a parceria de fornecimento de motores com a BMW começou e a Williams voltou a ganhar força. Com o britânico Button na vaga de Zanardi, a equipe ficou em terceiro entre os construtores.

Ralf Schumacher, Williams-BMW FW23, 2001

Ralf Schumacher, Williams-BMW FW23, 2001
25/76

Foto de: BMW AG

Button foi para a Benetton e o colombiano Juan Pablo Montoya assumiu a vaga. A Williams se consolidou como terceira força, atrás da consolidada Ferrari (que conquistou o bi consecutivo entre construtores e pilotos, com Michael Schumacher) e da McLaren.

Juan Pablo Montoya, Williams-BMW FW24, 2002

Juan Pablo Montoya, Williams-BMW FW24, 2002
26/76

Foto de: BMW AG

O colombiano foi mantido ao lado de Ralf Schumacher e ficou em terceiro entre os pilotos, atrás de Michael e do brasileiro Rubens Barrichello, também da Ferrari. A BMW foi vice de construtores.

Ralf Schumacher, Williams-BMW FW25, 2003

Ralf Schumacher, Williams-BMW FW25, 2003
27/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Novamente, Montoya ficou em terceiro (desta vez atrás de Michael e do finlandês Kimi Raikkonen, da McLaren) e a Williams foi vice.

Juan Pablo Montoya, Williams-BMW FW26, 2004

Juan Pablo Montoya, Williams-BMW FW26, 2004
28/76

Foto de: BMW AG

Nesta temporada, o brasileiro Antonio Pizzonia substituiu Ralf Schumacher em duas etapas. Montoya caiu para quinta e a Williams para quarto. O ano também foi o último do monopólio Michael Schumacher/Ferrari.

Mark Webber, Williams-BMW FW27, 2005

Mark Webber, Williams-BMW FW27, 2005
29/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Montoya foi para a McLaren e o australiano Webber assumiu sua vaga, enquanto Pizzonia e o alemão Nick Heidfeld se alternaram para substituir Schumacher, que foi para a Toyota. A Williams caiu para o quinto posto entre os construtores. A Renault e o espanhol Fernando Alonso deram as cartas naquele campeonato.

Nico Rosberg, Williams-Cosworth FW28, 2006

Nico Rosberg, Williams-Cosworth FW28, 2006
30/76

Foto de: Alessio Morgese

Depois de sucessivas baixas de desempenho, a BMW saiu da F1 e a Williams recorreu aos motores Cosworth. E ao alemão Rosberg, novo companheiro de Webber na vaga de Heidfeld, que foi para a BMW-Sauber. Ambos fizeram temporada modesta e a enfraquecida equipe caiu para o oitavo lugar. Bi de Alonso/Renault.

Nico Rosberg, Williams-Toyota FW29, 2007

Nico Rosberg, Williams-Toyota FW29, 2007
31/76

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Novo fornecedor de motor, a japonesa Toyota, e novo piloto, o austríaco Alexander Wurz, na vaga de Webber, que foi para a Red Bull. Progresso: quarto posto entre os construtores, liderados pela McLaren de Alonso e do britânico Lewis Hamilton. O campeão foi Raikkonen, em sua 1ª temporada na Ferrari.

Kazuki Nakajima, Williams-Toyota FW30, 2008

Kazuki Nakajima, Williams-Toyota FW30, 2008
32/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

O japonês Nakajima assumiu a vaga de Wurz e o time voltou a cair para o oitavo posto. Ferrari campeã de construtores e Hamilton entre os pilotos, para azar do brasileiro Felipe Massa, da escuderia italiana.

Nico Rosberg, Williams-Toyota FW31, 2009

Nico Rosberg, Williams-Toyota FW31, 2009
33/76

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Mesmos pilotos, uma posição acima: sétimo lugar. A campeã foi a improvável Brawn, que deu a Button seu único título.

Nico Hulkenberg, Williams-Cosworth FW32, 2010

Nico Hulkenberg, Williams-Cosworth FW32, 2010
34/76

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

A Toyota deixou a F1 e a equipe britânica voltou para os motores Cosworth. Novos pilotos também: o novato alemão Hulkenberg, vindo de título da GP2, e Barrichello, que correra pela Brawn. Neste ano, o alemão Sebastian Vettel conquistou seu primeiro de quatro títulos entre os pilotos. A proporção foi a mesma com a Red Bull entre os construtores. Já a Williams ficou no sexto posto.

Rubens Barrichello, Williams-Cosworth FW33, 2011

Rubens Barrichello, Williams-Cosworth FW33, 2011
35/76

Foto de: XPB Images

Barrichello ganhou um novo companheiro: o venezuelano Pastor Maldonado, que trouxe o patrocínio da PDVSA e desbancou Hulk. E a Williams caiu para o nono lugar.

Pastor Maldonado, Williams-Renault FW34, 2012

Pastor Maldonado, Williams-Renault FW34, 2012
36/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Troca de motor para a unidade da Renault. Barrichello deixou a F1 e foi substituído pelo conterrâneo Bruno Senna. Maldonado venceu o GP da Espanha, mas a Williams ficou apenas no nono posto entre os construtores.

Pastor Maldonado, Williams-Renault FW35, 2013

Pastor Maldonado, Williams-Renault FW35, 2013
37/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna foi substituído pelo finlandês Valtteri Bottas e a Williams se manteve no nono lugar.

Valtteri Bottas, Williams-Mercedes FW36, 2014

Valtteri Bottas, Williams-Mercedes FW36, 2014
38/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Com os novos motores turbo-híbridos, a Williams acertou com a Mercedes para o fornecimento das unidades motrizes. E contratou Massa, substituído por Raikkonen na Ferrari. O brasileiro fez uma pole, uma volta mais rápida e dois pódios, terminando o ano em sétimo. Bottas foi o quarto e a Williams despontou como terceira força, atrás da Red Bull e da dominante Mercedes, que viu Hamilton ganhar seu segundo título.

Valtteri Bottas, Williams-Mercedes FW37, 2015

Valtteri Bottas, Williams-Mercedes FW37, 2015
39/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Mantendo a dupla de pilotos, a Williams estagnou, mas ainda manteve o terceiro lugar entre os construtores, atrás da Ferrari. Mercedes/Hamilton foram dominantes novamente.

Valtteri Bottas, Williams-Mercedes FW38, 2016

Valtteri Bottas, Williams-Mercedes FW38, 2016
40/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Neste ano, Rosberg superou Hamilton na briga da suprema Mercedes. Já a Williams seguiu estagnada e começou sua queda vertiginosa, caindo para o quinto posto entre os construtores.

Lance Stroll, Williams-Mercedes FW40, 2017

Lance Stroll, Williams-Mercedes FW40, 2017
41/76

Foto de: Sutton Motorsport Images

Massa se aposentaria ao fim de 2016, mas Rosberg resolveu sair por cima e deixou a Mercedes com uma vaga aberta. Ela foi ocupada por Bottas, então a Williams persuadiu o brasileiro a seguir na F1 por mais uma temporada. Ao seu lado, o novato canadense - e rico - Stroll. O playboy conseguiu um pódio altamente improvável em corrida que poderia ter sido vencida por Massa no Azerbaijão, mas o brasileiro quebrou. E a equipe estacionou no quinto lugar entre os construtores, liderados pela Mercedes, que viu Hamilton voltar a ser campeão.

Lance Stroll, Williams-Mercedes FW41, 2018

Lance Stroll, Williams-Mercedes FW41, 2018
42/76

Foto de: Williams

Massa deixou a F1 e foi substituído pelo russo Sergey Sirotkin, que seduziu a Williams com o dinheiro de seus patrocinadores. Com uma fraca dupla de pilotos e um carro que parecia ter parado em 2014, a equipe fez sua pior temporada na categoria e ficou na lanterna do campeonato, novamente vencido por Mercedes/Hamilton.

George Russell, Williams-Mercedes FW42, 2019

George Russell, Williams-Mercedes FW42, 2019
43/76

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Stroll foi para a Racing Point e Sirotkin foi preterido pelo polonês Robert Kubica, que voltou à F1 ao lado do novato britânico George Russell, campeão da F2 em 2018. Apesar do talento do jovem e do ponto conquistado pelo veterano na Alemanha, a Williams viveu a pior temporada de sua história, superando 2018.

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
44/76

Foto de: Williams F1

No campeonato deste ano, a equipe busca dar a volta por cima e retomar os tempos de glória na categoria máxima do automobilismo mundial.

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
45/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
46/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
47/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
48/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
49/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
50/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
51/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
52/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
53/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
54/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
55/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
56/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
57/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
58/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43 detail

Williams FW43 detail
59/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
60/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
61/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
62/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
63/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
64/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
65/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
66/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
67/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
68/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
69/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
70/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
71/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
72/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
73/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
74/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
75/76

Foto de: Williams F1

Williams FW43, 2020

Williams FW43, 2020
76/76

Foto de: Williams F1

VÍDEO: Entenda o que há de verdade na possível volta de Alonso à F1

PODCAST #046: Entrevista com Reginaldo Leme: a lenda na cobertura da F1

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Ecclestone: Vettel quer ir para a Mercedes correr contra Hamilton

Artigo anterior

Ecclestone: Vettel quer ir para a Mercedes correr contra Hamilton

Próximo artigo

Para chefe do automobilismo britânico, regras da F1 para motores são complexas e impedem entrada de novas montadoras

Para chefe do automobilismo britânico, regras da F1 para motores são complexas e impedem entrada de novas montadoras
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Williams
Autor Adam Cooper