Fórmula 1
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
28 dias
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
42 dias
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
84 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
91 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
105 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
112 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
126 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
140 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
147 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
161 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
175 dias

ANÁLISE: A Fórmula 1 consegue sobreviver a um colapso financeiro em 2020?

compartilhar
comentários
ANÁLISE: A Fórmula 1 consegue sobreviver a um colapso financeiro em 2020?
Por:
3 de abr de 2020 15:54

Não há dúvidas que a organização da F1 terá um abalo financeiro em 2020, mas conseguirá sobreviver ao pior cenário, de ter a temporada cancelada?

No momento, esta é apenas uma questão teórica, já que oficialmente ainda há 14 etapas marcadas no calendário da Fórmula 1. Seis outras, com a exceção de Mônaco e Austrália entre as oito afetadas, estão esperando novas datas.

Em seu comunicado mais recente, o CEO da F1, Chase Carey, sugeriu que ainda pode ser realizada uma temporada com 15 a 18 provas, apesar de que, com o passar do tempo, isso parece ser cada vez menos realista, já que o início em potencial parece ficar mais tarde no ano.

Leia também:

Não precisa ser um analisa da Wall Street para entender a situação complicada que a F1 se encaminha. Praticamente toda a sua renda esperada depende de um fator óbvio: as corridas acontecerem.

Essa renda foi de mais de 2 bilhões de dólares em 2019. A maior porção vem de três fontes primárias, sendo elas as taxas de realização das provas (30% da renda do ano passado), taxas de transmissão (38%) e patrocínios (15%). Outras fontes incluem as áreas do Paddock Club e negócios vindos da F2 e da F3.

Em 2020, a F1 esperava gerar uma renda maior, graças à adição da 22ª corrida. Agora, se encontra em uma situação onde cada GP que não é realizado representa uma perda de renda que varia de 30 a 50 milhões de dólares pela taxa de realização (com a exceção de Mônaco, que não paga).

Essas taxas de realização das provas foram pagas adiantadas, então há também a dúvida sobre o destino desse dinheiro, se será reembolsado, ou se a F1 segurará como "depósito" para o GP de 2021.

Perder as taxas de realização são o resultado direto de cancelamentos das provas - mas com o empilhamento de GPs cancelados, outras fontes também serão atingidas. As emissoras que transmitem o campeonato pagaram por uma temporada completa, e, caso o número de corridas caia, eles também estarão em uma situação complicada com seus próprios patrocinadores e assinantes.

Foi apurado que, caso o número de corridas realizadas seja menor que 15, coincidentemente ou não o número mínimo que Carey pretende fazer - as emissoras terão um reembolso parcial e progressivo. Se a temporada completa for cancelada, não se pode esperar que eles paguem quando não tiveram nada para mostrar.

Renault packing crates in the paddock

Renault packing crates in the paddock

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

Não se sabe quais tipos de disposições de cancelamento existem nos principais acordos de patrocínio da F1 com empresas como Heineken, DHL e Emirates. Afinal, quem poderia prever que uma temporada poderia ser totalmente aniquilada?

Porém, com as emissoras, não se pode esperar que eles paguem o preço total se elas não puderem promover suas marcas através de um cronograma de corrida completo.

Então, quais são as perspectivas comerciais para a F1 com o encolhimento gradual de seu calendário de 2020 - e o que o mundo financeiro pensa sobre isso?

A Moody's Investors Service, uma das agências de classificação de risco de crédito do mundo e provedora de informação financeira, divulgou um guia intrigante. Apesar das difíceis circunstâncias, e com algumas ressalvas, ela acredita que a F1 tem a habilidade para navegar nesse mar desconhecido.

Quando os analistas da Moody's analisam a performance de uma empresa, eles pesam os positivos e negativos, ou, essencialmente, os riscos, e criam uma avaliação da direção em que a performance financeira se encaminha.

Em um relatório divulgado na quinta, a Moody's deu à F1 - ou oficialmente à holding "Alpha Topco Ltd" - uma classificação de dívida "B2", ou seja, que envolve algum risco. Ele acrescenta que "as perspectivas foram alteradas de negativa para positiva".

Em uma primeira análise, isso não parece muito promissor.

De fato, a Moody's diz o seguinte sobre o futuro imediato da F1: "A disseminação rápida e ampla da pandemia do coronavírus, que deteriora a economia global, derrubando os preços do petróleo e a queda de preço dos ativos, estão criando um grave e extenso choque de crédito em muitos setores, regiões e mercados".

"Os efeitos de crédito combinados desses desenvolvimentos são inéditos e afetaram adversamente a F1 devido à interrupções em seu calendário".

A Moody's também deixou claro que a imagem real depende do número de corridas que poderá eventualmente realizar.

"Não é possível prever o destino da temporada 2020 neste estágio, com várias opções possíveis, que vão desde uma diminuição modesta para 15 a 18 corridas, até o cancelamento da temporada inteira".

Resumindo o impacto, a Moody's tinha "expectativas de geração de lucro e fluxo de caixa mais fracos, mais alavancagem e erosão da liquidez em 2020 como resultado dessa interrupção no calendário".

Chase Carey, Chairman, Formula 1

Chase Carey, Chairman, Formula 1

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Em termos leigos, a F1 deve ir fundo em suas reservas e emprestar mais dinheiro para dar conta de atravessar 2020.

A Moody's também lembra que, mesmo sem o Covid-19, a F1 já tinha vários desafios para superar em 2020, como a assinatura do novo Pacto de Concórdia, que valeria a partir de 2021, e o fato de que um grande número de acordos de transmissão chegam ao fim este ano.

"A Moody's também não espera um novo Pacto de Concórdia resulte em um resultado econômico menos favorável para a empresa. No entanto, permanece um certo risco de execução até que ele seja assinado".

O relatório ainda adverte que "um rebaixamento pode ocorrer se um Pacto de Concórdia for negociado com termos materialmente adversos para a empresa, como um fundo de prêmios mais alto para as equipes (quando medido como uma porcentagem dos ganhos antes dos pagamentos das equipes)".

Tudo parece um pouco perigoso, mas as empresas ao redor do mundo, em todas as áreas, estão em posições igualmente desafiadoras.

Crucialmente, a Moody's vê a luz no fim do túnel para a F1. Mesmo se a temporada de 2020 não for realizada e, assim, a entrada de renda desaparecer, os analistas acreditam que a empresa terá a capacidade de se recuperar em 2021 e além - tudo isso, claro, se o calendário voltar ao normal e o Pacto for assinado.

A Moody's resume os pontos fortes inerentes da F1 como "a flexibilidade de custos da empresa, baixos gastos de capital e a forte margem de liquidez para gerenciar cenários severos de queda, incluindo o cancelamento total da temporada 2020", juntamente com "a natureza resiliente dos fluxos de caixa da empresa, impulsionada por contratos com duração de vários anos e a força da franquia da F1 apoiando a recuperação do desempenho comercial e financeiro após a crise do coronavírus".

Essencialmente, a Moody's acredita que a marca da F1 é grande o suficiente e tem acesso a dinheiro suficiente para navegar pela tempestade de 2020, mesmo se a temporada for perdida.

"A F1 tem uma liquidez forte e uma base de custos suficientemente flexível para lidar com uma temporada de 2020 severamente reduzida, o que a Moody's considera que provavelmente seria capaz de suportar um cancelamento total".

"Em 31 de dezembro de 2019, a F1 possuía uma margem de liquidez de cerca de 900 milhões de dólares, incluindo um saldo de caixa de 400 milhões e facilidade de crédito rotativo não utilizado de 500 milhões".

"A Moody's acredita que isso seja suficiente para absorver saídas de caixa de possíveis reembolsos dos pagamentos adiantados de promotores, patrocinadores e emissoras, pagamentos de equipes, outras despesas gerais e custos com juros no caso de cancelamento da temporada 2020".

A empresa qualifica seu julgamento com base na disponibilidade de financiamento da seguinte forma: "A avaliação da margem de liquidez em um cenário de cancelamento completo é complexa e ainda existe um risco de que a liquidez não seja suficiente, embora a Moody's considere esse risco baixo".

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W10, leads Max Verstappen, Red Bull Racing RB15, Charles Leclerc, Ferrari SF90, Sebastian Vettel, Ferrari SF90, Alexander Albon, Red Bull RB15, Lando Norris, McLaren MCL34 and the rest of the pack at the start

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W10, leads Max Verstappen, Red Bull Racing RB15, Charles Leclerc, Ferrari SF90, Sebastian Vettel, Ferrari SF90, Alexander Albon, Red Bull RB15, Lando Norris, McLaren MCL34 and the rest of the pack at the start

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

"A companhia também pode conseguir apoio de sua dona, a Liberty Media Corporation, que atualmente tem recursos substanciais disponíveis".

Ela alerta que pode ter um problema de alavancagem - essencialmente a relação dívida / lucro que a F1 está autorizada a operar - mas considera que o problema poderá ser superado se os credores envolvido concordarem.

"Há uma probabilidade relativamente alta de que a empresa irá violar sua obrigação de alavancagem em 2020, que se aplica quando a linha de crédito rotativo for sacada ou se tornar disponível".

"Os termos das instalações com garantia sênior permitem que o acordo de alavancagem seja alterado ou dispensado pela proporção necessária dos credores da linha de crédito rotativo".

Falando mais sobre isso, diz: "Esta é uma consideração secundária por trás do gerenciamento da interrupção causada pelo coronavírus em 2020 e as futuras metas podem ser alteradas".

"No entanto, a empresa permanece bem posicionada para recuperar as métricas do balanço quando as atividades normais forem retomadas".

Isso parece positivo, embora a Moody's enfatize que sua avaliação pode ser rebaixada se a F1 não manter esse número crucial de alavancagem sob controle após o fim da crise, e ressalta que "ainda existem desafios para melhorar o balanço da empresa após 2020 no contexto de um ambiente econômico potencialmente mais fraco".

No entanto, a conclusão geral é que a F1 pode atravessar 2020 e chegar ao final inteira. Afinal, é um negócio único, com uma história de sucesso e uma estrutura incomum.

Seus maiores custos anuais são os pagamentos às equipes e, à medida que a receita cai para zero, o total do pagamento diminui. E, embora tenha hoje uma conta salarial muito maior que nos dias de Bernie Ecclestone, os custos relacionados às corridas - como transporte e viagens - também serão significativamente reduzidos.

Em adição, a maioria das corridas e acordos de TV e patrocínio estão determinados para 2021, então, em teoria, a entrada de renda a longo prazo está garantida.

A Moody's concluiu que "a F1 está relativamente bem posicionada para se recuperar após a crise do coronavírus, sustentada por sua natureza de receita contratada, franquia forte, grande base de fãs e alta conversão de caixa".

"A empresa pode enfrentar algum desafio de receita em 2021, devido ao momento das renovações dos contratos de TV, bem como um cenário macroeconômico fraco".

"No entanto, a força e atratividade da franquia da F1 oferecem alguma proteção no contexto de desafios mais amplos do mercado de transmissão".

O outro lado da história envolve as equipes: todas as dez equipes conseguirão sobreviver ao rigoroso 2020 e estar em posição para assinar o novo Pacto de Concórdia? Caso contrário, a mão da F1 será substancialmente enfraquecida.

The sun rises over the paddock.

The sun rises over the paddock.

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

Confira como o coronavírus tem afetado o calendário do esporte a motor pelo mundo

Galeria
Lista

Uma das primeiras aparições do coronavírus no esporte a motor veio com o adiamento da etapa de Sanya, da Fórmula E.

Uma das primeiras aparições do coronavírus no esporte a motor veio com o adiamento da etapa de Sanya, da Fórmula E.
1/28

Foto de: FIA Formula E

A Fórmula 1 adiou o GP da China pelo mesmo motivo.

A Fórmula 1 adiou o GP da China pelo mesmo motivo.
2/28

Foto de: Steve Etherington / Motorsport Images

Com o crescente aumento de casos do Covid-19, o GP do Bahrein chegou a ser confirmado, mas sem presença de público.

Com o crescente aumento de casos do Covid-19, o GP do Bahrein chegou a ser confirmado, mas sem presença de público.
3/28

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

A MotoGP, a maior categoria das duas rodas do mundo, chegou a realizar a primeira etapa no Catar, mas apenas com a Moto2 e Moto3.

A MotoGP, a maior categoria das duas rodas do mundo, chegou a realizar a primeira etapa no Catar, mas apenas com a Moto2 e Moto3.
4/28

Foto de: Akhil Puthiyedath

Mais tarde, as etapas da Tailândia, Estados Unidos, Argentina, Espanha e França também foram suspensas, com adiamento. No momento, o GP da Itália é o primeiro da temporada.

Mais tarde, as etapas da Tailândia, Estados Unidos, Argentina, Espanha e França também foram suspensas, com adiamento. No momento, o GP da Itália é o primeiro da temporada.
5/28

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

A Fórmula E anunciou a suspensão da temporada por dois meses: os ePrix de Paris e Seul foram suspensos.

A Fórmula E anunciou a suspensão da temporada por dois meses: os ePrix de Paris e Seul foram suspensos.
6/28

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

O GP da Austrália de F1 estava previsto para acontecer, com presença de público e tudo.

O GP da Austrália de F1 estava previsto para acontecer, com presença de público e tudo.
7/28

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Um funcionário da McLaren testou positivo para o Covid-19 e a equipe decidiu não participar do evento.

Um funcionário da McLaren testou positivo para o Covid-19 e a equipe decidiu não participar do evento.
8/28

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Lewis Hamilton criticou a decisão da categoria, dizendo que era chocante todos estarem ali para fazer uma corrida em meio à crise do coronavírus.

Lewis Hamilton criticou a decisão da categoria, dizendo que era chocante todos estarem ali para fazer uma corrida em meio à crise do coronavírus.
9/28

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Após braço de ferro político entre equipes e categoria, a decisão de cancelar o GP da Austrália veio faltando cerca de três horas para a entrada do primeiro carro na pista para o primeiro treino livre.

Após braço de ferro político entre equipes e categoria, a decisão de cancelar o GP da Austrália veio faltando cerca de três horas para a entrada do primeiro carro na pista para o primeiro treino livre.
10/28

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Pouco tempo depois, os GPs do Bahrein e Vietnã também foram adiados.

Pouco tempo depois, os GPs do Bahrein e Vietnã também foram adiados.
11/28

Foto de: FOM

Os GPs da Holanda e Espanha também foram postergados.

Os GPs da Holanda e Espanha também foram postergados.
12/28

Foto de: Tim Biesbrouck / Motorsport.com

Uma das jóias da Tríplice Coroa, o GP de Mônaco, foi cancelado. Poucos dias depois, o GP do Azerbaijão também foi adiado. No momento, o GP do Canadá está marcado para ser o primeiro da temporada, no meio de junho

Uma das jóias da Tríplice Coroa, o GP de Mônaco, foi cancelado. Poucos dias depois, o GP do Azerbaijão também foi adiado. No momento, o GP do Canadá está marcado para ser o primeiro da temporada, no meio de junho
13/28

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Para atenuar os efeitos de tantas mudanças no calendário, a F1 decidiu antecipar as férias de verão.

Para atenuar os efeitos de tantas mudanças no calendário, a F1 decidiu antecipar as férias de verão.
14/28

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Além disso, FIA e F1 concordaram em introduzir o novo pacote de regulamentos que entrariam no próximo ano, a partir de 2022. Mas, segundo Christian Horner, há um movimento para adiar em mais um ano, para 2023, em preparação ao impacto que o Covid-19 terá na economia mundial

Além disso, FIA e F1 concordaram em introduzir o novo pacote de regulamentos que entrariam no próximo ano, a partir de 2022. Mas, segundo Christian Horner, há um movimento para adiar em mais um ano, para 2023, em preparação ao impacto que o Covid-19 terá na economia mundial
15/28

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Acompanhando a F1, a F2 e F3 também anunciaram suas primeiras provas como adiadas.

Acompanhando a F1, a F2 e F3 também anunciaram suas primeiras provas como adiadas.
16/28

Foto de: Carl Bingham / Motorsport Images

Outras categorias e provas nobres do calendário do automobilismo mundial também foram prejudicadas pelo coronavírus.

Outras categorias e provas nobres do calendário do automobilismo mundial também foram prejudicadas pelo coronavírus.
17/28

Foto de: Marc Fleury

As 24 Horas de Le Mans foi adiada para 19 de setembro.

As 24 Horas de Le Mans foi adiada para 19 de setembro.
18/28

Foto de: Rainier Ehrhardt

A etapa conjunta entre WEC e IMSA em Sebring foi cancelada.

A etapa conjunta entre WEC e IMSA em Sebring foi cancelada.
19/28

Foto de: Scott R LePage / Motorsport Images

O tradicional TT da Ilha de Man foi cancelado.

O tradicional TT da Ilha de Man foi cancelado.
20/28

Foto de: Dave Kneen

A Indy suspendeu as primeiras corridas em St Pete, Alabama, Long Beach e Austin.

A Indy suspendeu as primeiras corridas em St Pete, Alabama, Long Beach e Austin.
21/28

Foto de: Phillip Abbott / Motorsport Images

Na teoria, o campeonato de 2020 começa com o GP de Indianápolis, no circuito misto do Indianapolis Motor Speedway.

Na teoria, o campeonato de 2020 começa com o GP de Indianápolis, no circuito misto do Indianapolis Motor Speedway.
22/28

Foto de: IndyCar Series

Ainda não há nada definido sobre as 500 Milhas de Indianápolis.

Ainda não há nada definido sobre as 500 Milhas de Indianápolis.
23/28

Foto de: IndyCar Series

Na NASCAR, a maior categoria do automobilismo dos EUA, foram realizadas as primeiras quatro provas, mas as atividades só voltarão a partir de 3 de maio, com a etapa de Martinsville no dia 9.

Na NASCAR, a maior categoria do automobilismo dos EUA, foram realizadas as primeiras quatro provas, mas as atividades só voltarão a partir de 3 de maio, com a etapa de Martinsville no dia 9.
24/28

Foto de: NASCAR Media

No Brasil, a CBA suspendeu as atividades no país por tempo indeterminado.

No Brasil, a CBA suspendeu as atividades no país por tempo indeterminado.
25/28

Foto de: Duda Bairros

A Stock teve que adiar a abertura do campeonato, com a Corrida de Duplas. Etapas do Velopark e Londrina também foram adiadas.

A Stock teve que adiar a abertura do campeonato, com a Corrida de Duplas. Etapas do Velopark e Londrina também foram adiadas.
26/28

Foto de: Duda Bairros

A Porsche Cup realizou apenas sua primeira etapa em Interlagos e aguarda novas diretrizes para retomar o campeonato.

A Porsche Cup realizou apenas sua primeira etapa em Interlagos e aguarda novas diretrizes para retomar o campeonato.
27/28

Foto de: Luca Bassani

Endurance Brasil, Copa Truck, entre outras competições, também estão paralisadas.

Endurance Brasil, Copa Truck, entre outras competições, também estão paralisadas.
28/28

Foto de: Duda Bairros

VÍDEO: 60 fatos e feitos de Ayrton Senna

PODCAST: Quem são os maiores comunicadores do automobilismo na TV brasileira?

 

 

 

Próximo artigo
VÍDEO: Após 'aniversários' de Senna, veja 60 fatos sobre o tricampeão

Artigo anterior

VÍDEO: Após 'aniversários' de Senna, veja 60 fatos sobre o tricampeão

Próximo artigo

VÍDEO: Entenda como a Aston Martin voltará para a F1 em 2021

VÍDEO: Entenda como a Aston Martin voltará para a F1 em 2021
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper