Fórmula 1
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
70 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
84 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
91 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
119 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
147 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
154 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
168 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
175 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
189 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
203 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
210 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
224 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
238 dias

Análise: As mudanças que ajudaram a Mercedes em Mônaco

compartilhar
comentários
Análise: As mudanças que ajudaram a Mercedes em Mônaco
Por:
, Especialista
Co-autor: Matt Somerfield
31 de mai de 2018 18:41

Após desastrosa prova em 2017, equipe admitiu antes da corrida deste ano que estava "muito preocupada" novamente

Sabe-se há muito tempo que o carro mais longo da Fórmula 1 forneceria uma desvantagem em torno dos circuitos de rua apertados e sinuosos, embora os cálculos das equipes sugiram que o downforce extra supere a perda de 0.1 segundo.

A Mercedes claramente trabalhou duro para melhorar sua plataforma, e houve uma série de mudanças sutis introduzidas no fim de semana que ajudaram a levá-la à disputa, apesar do domínio da Red Bull. 

Conscientes dos desafios impostos pelos circuitos urbanos de baixa velocidade, os projetistas organizaram seis geradores de vórtices no topo da cápsula lateral em Mônaco.

Tendo já testado os apêndices nos testes pós-corrida em Barcelona, a equipe estava confiante de que poderia adicionar desempenho.

Em ângulo bem agressivo, esses pequenos dispositivos de ajuste de fluxo foram instalados para melhorar o envelope aerodinâmico dos sidepods, retardando a separação do fluxo e trabalhando o fluxo de ar sobre o sidepod com mais força.

A equipe fez mudanças significativas nos sidepods para 2018, alterando componentes internos como os escapamentos e radiadores, uma vez que reforçou a carroceria externa e buscando ainda mais o desempenho.

Buscar o desempenho do fluxo interno às vezes chega ao custo da realização aerodinâmica geral, o que significa que mudanças dessa magnitude muitas vezes tiveram o efeito inverso para as equipes.

Tendo completado seis corridas, parece que a Mercedes pode ter sofrido a esse respeito, com os geradores de vórtices propensos a serem usados novamente quando se adequarem às características do circuito predominante.

O resfriamento também é um fator importante em Mônaco, já que as baixas velocidades do circuito dificultavam a passagem normal de ar pelo carro.

É por isso que a equipe montou uma nova tampa do motor, com uma forma bem diferente, que apresenta uma abertura na parte superior da aleta como em 2017.

Curiosamente, a equipe também fez uma grande mudança na suspensão na manhã de sábado, depois de sofrer problemas de vibração com a versão que estava sendo utilizada até aquele momento.

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09

Photo by: Steve Etherington / LAT Images

 
Próximo artigo
Haas promete melhora aerodinâmica “significativa” no Canadá

Artigo anterior

Haas promete melhora aerodinâmica “significativa” no Canadá

Próximo artigo

Brawn crê em "ingenuidade" esperar ultrapassagens em Mônaco

Brawn crê em "ingenuidade" esperar ultrapassagens em Mônaco
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP de Mônaco
Localização Monte Carlo circuito de rua
Equipes Mercedes Compre Agora
Autor Giorgio Piola