Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
55 dias
06 mai
Próximo evento em
97 dias
20 mai
Próximo evento em
111 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
125 dias
10 jun
Próximo evento em
132 dias
24 jun
Próximo evento em
146 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
167 dias
29 jul
Próximo evento em
181 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
209 dias
02 set
Próximo evento em
216 dias
09 set
Próximo evento em
223 dias
23 set
Próximo evento em
237 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
244 dias
07 out
Próximo evento em
251 dias
21 out
Próximo evento em
265 dias
28 out
Próximo evento em
272 dias
05 nov
Próximo evento em
280 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
293 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
308 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
317 dias

ANÁLISE: Oito perguntas-chave que precisam ser feitas após acidente de Grosjean na F1

compartilhar
comentários
ANÁLISE: Oito perguntas-chave que precisam ser feitas após acidente de Grosjean na F1
Por:

O mundo da F 1 ficou aliviado ao ver Romain Grosjean escapar de terrível acidente no Bahrein. Como sempre em tais ocasiões, surgem questões sobre como e por que a situação surgiu, mas isso pode levar a melhorias adicionais nas estruturas de segurança que o salvaram

As imagens de Romain Grosjean saltando de seu Haas VF-20 em chamas chocaram a Fórmula 1 e o mundo. As fotos, que mostram a devastação do incidente, chegaram às primeiras páginas dos jornais nacionais de todo o planeta.

A sensação avassaladora após esse incidente é de alívio. Mas, ao mesmo tempo, o campeonato e a FIA, como seu regulador, agora precisam responder muitas perguntas sobre como isso ocorreu.

Leia também:

Este não é um jogo de culpar alguém. É claro que é um pouco inapropriado fazer referência a um filme com esse título nessas circunstâncias, mas uma frase de Duro de Matar 2, de 1990, se destaca aqui: "Qualquer aterrissagem da qual você possa caminhar depois é boa". Porque foi isso que aconteceu no fim de semana, o avanço na segurança do automobilismo permitiu que um piloto escapasse de um incidente que talvez não fosse possível há alguns anos.

No entanto, ao mesmo tempo, todas as coisas podem ser melhoradas e pode haver progresso. Portanto, aqui estão algumas questões-chave que a FIA e a F1 considerarão quando se trata de aprender as lições do caso de Grosjean.

The remains of Romain Grosjean's Haas VF-20 on the back of a truck

The remains of Romain Grosjean's Haas VF-20 on the back of a truck

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

1 - O que acontece agora?

Ao longo dos anos, a FIA desenvolveu seus procedimentos de análise e relatórios sobre acidentes graves no automobilismo para entender precisamente o que aconteceu em cada ocasião e registrar as lições vitais de cada um. Formou o FIA Institute for Motor Sport Safety em 2004, que mais tarde foi substituído pelo Global Institute for Motorsport Safety. Desde o final de 2018, todos os projetos de pesquisa de segurança são concluídos pelo Departamento de Segurança da FIA.

Este grupo vai liderar a investigação do acidente de Grosjean, trabalhando com a Haas, a pista e a comissão de circuitos da FIA.

"Todas as várias partes do grupo FIA como um todo, todos os respectivos especialistas no assunto, irão revisar sua área particular e ver o que pode ser aprendido", explicou o diretor de corridas da F1, Michael Masi. "Eles vão perguntar o que pode ser melhorado - seja pequeno, médio ou grande."

O Motorsport.com apurou que, até esse momento, o plano para o GP de Sakhir neste fim de semana, é deixar os blocos de concreto que foram instalados no GP do Bahrain.

Damage to the barrier after a first lap crash for Romain Grosjean, Haas F1

Damage to the barrier after a first lap crash for Romain Grosjean, Haas F1

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

2 - O que aconteceu com a barreira?

Indiscutivelmente, o aspecto mais chocante da batida de Grosjean, uma vez que ele escapou das chamas, foi o que aconteceu com seu carro quando atingiu a barreira interna da curva 3 da pista do Bahrain. A barreira foi perfurada no incidente, com o cockpit de Grosjean atravessando o metal, enquanto a estrutura do halo, sem dúvida, o protegeu de um impacto sério e potencialmente fatal.

Mas a frente do chassi ficou emaranhada na barreira e instantaneamente pegou fogo - é terrível considerar o que poderia ter acontecido se Grosjean tivesse ficado preso. Felizmente ele não estava, mas há uma pergunta sobre como a barreira funcionou no incidente. Sebastian Vettel, colega de direção de Grosjean na Associação de Pilotos do Grande Prêmio (GPDA), disse: "O guard-rail não deve falhar e o carro não deve pegar fogo dessa forma."

Existem outras alternativas para guard-rail - como barreiras de pneus e barreiras de Tecpro. Mas esses dispositivos podem ser caros para instalar e, em qualquer caso, eles próprios não são 100% eficazes - basta relembrar a batida de Heikki Kovalainen nos pneus em Barcelona em 2008 e o acidente de Carlos Sainz na Rússia em 2015 (abaixo), em que o Tecpro saltou e subiu até seu cockpit.

The Scuderia Toro Rosso STR10 of Carlos Sainz Jr., in the Tecpro barriers

The Scuderia Toro Rosso STR10 of Carlos Sainz Jr., in the Tecpro barriers

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Há também o ângulo da barreira a ser considerado - não era exatamente paralelo à pista para permitir - e ao mesmo tempo devemos entender o sério dano potencial que pode ocorrer se uma barreira não permitir as tremendas cargas de energia para ser dissipado com segurança.

"Tanta energia de repente tem que ir para algum lugar", disse Masi à Sky Sports F1. "Você olha para o carro, a célula de sobrevivência fez exatamente o que está ali para fazer e manteve o piloto seguro e intacto. O halo fez o que fez, a partir de uma observação inicial."

Marshals remove the wreckage after a huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20, on the opening lap

Marshals remove the wreckage after a huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20, on the opening lap

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

3 - O carro de Grosjean se deformou conforme planejado?

Outro elemento alarmante do incidente foi como o carro se partiu em dois pedaços no impacto.

Sabemos que, de forma perversa, quanto mais peças se quebrarem em um acidente, ajudarão o piloto - já que essa energia está sendo perdida de forma relativamente segura, desde que as peças não causem mais danos ao redor - ao lado da célula de sobrevivência tão resistente e protetora quanto possível.

Mas parece que as partes do trem de força do carro de Grosjean se desprenderam de suas fixações no acidente, e os investigadores vão querer entender que papel isso desempenhou no incidente e seu resultado.

Fire marshals deal with the flames after a huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20, on the opening lap

Fire marshals deal with the flames after a huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20, on the opening lap

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

4 - Por que os destroços pegaram fogo?

Considerando as velocidades e a tecnologia que os carros de F1 alcançam, o incêndio é um risco constante. Felizmente, o desenvolvimento da tecnologia de células de combustível é tal que grandes incêndios são relativamente raros no campeonato.

O inferno repentino em torno do carro de Grosjean foi imediatamente alarmante e, embora várias teorias tenham surgido sobre o que pode ter acontecido, é vital que a causa correta seja identificada e explicada.

Michael Masi, Race Director, FIA, attends the scene of the huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20, on the opening lap

Michael Masi, Race Director, FIA, attends the scene of the huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20, on the opening lap

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

5 - Como funcionaram as estruturas de segurança do carro?

O halo, sem dúvida, fez um trabalho excelente no último domingo - protegendo a cabeça de Grosjean no impacto e mantendo-o consciente durante todo o tempo, o que lhe permitiu sair do fogo e entrar nos braços heroicos do Dr. Ian Roberts e de Alan van der Merwe.

Mas avaliar com precisão como ele se saiu no incidente e como ele reagiu ao bater na barreira certamente levará a um maior entendimento que pode beneficiar futuros projetos de engenharia e padrões de segurança.

O halo é a manchete, mas as outras estruturas de segurança também desempenharam seu papel - o dispositivo HANS, as estruturas de colisão e os painéis construídos ao redor da célula de sobrevivência e as roupas à prova de fogo que Grosjean usava eram todos elementos vitais da proteção que o cercava. No mínimo, entender como cada elemento reagiu no incidente reforçará porque eles são necessários. E se alguma melhoria puder ser detectada, tanto melhor.

A fire marshal extinguishes the flames on the car of Romain Grosjean, Haas VF-20

A fire marshal extinguishes the flames on the car of Romain Grosjean, Haas VF-20

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

6 - Há algo a aprender sobre a forma como os fiscais agiram?

Novamente, não se trata de culpa ou repercussões. Mas houve pelo menos dois incidentes de fiscais cruzando a pista no último domingo.

No incidente de Grosjean, um oficial chega próximo ao fogo e parece ser ajudado por Roberts a ligar um extintor, enquanto outro apaga as chamas do lado da cerca. Roberts credita essa intervenção com a redução das chamas o suficiente para Grosjean escapar e não há dúvidas do compromisso e bravura dos indivíduos envolvidos.

Mas, como Masi explicou depois, principalmente em relação ao comissário correndo na frente do carro de Lando Norris para ajudar a apagar o incêndio no carro de Sergio Perez, as reações instintivas não devem ser punidas indevidamente. Vale a pena reforçar como todos podem ficar seguros em eventos futuros, o que a FIA fez após a corrida de domingo e fará novamente antes da próxima corrida neste fim de semana.

Sergio Perez, Racing Point, during the red flag for Grosjean's crash

Sergio Perez, Racing Point, during the red flag for Grosjean's crash

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

7 - Foi correto mostrar os replays continuamente no pitlane?

Um ponto menor no grande esquema das coisas no domingo passado, mas um ponto digno, no entanto, com Daniel Riccardo expressando seu desgosto "pela maneira como o incidente de Grosjean foi transmitido continuamente."

Ele acrescentou: "Foi totalmente desrespeitoso e sem consideração para com sua família, para todas as nossas famílias assistindo."

Talvez a melhor consideração para essa questão seja que existem pelo menos duas maneiras de encará-la. Após o temor da falta de imagens confirmando que Grosjean havia escapado do acidente havia passado quando foi confirmado que ele estava no carro médico, a escala real do incidente foi revelada em uma série de replays transmitidos no sinal mundial da F1. Isso incluiu jogar para o pessoal da equipe de observação reunido pelos carros no pitlane durante o período de quase 90 minutos com bandeira vermelha.

Talvez, uma vez que ficou claro que ele estava bem, os sucessivos replays não precisaram ser transmitidos para o pessoal da F1 que trabalhava no local, mas ao mesmo tempo muitos telespectadores gostariam de entender o que havia de errado. Deve-se ressaltar que os produtores de TV da F1 agiram corretamente em não mostrar o acidente novamente até que ficasse claro que ele havia escapado.

The scene of the huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20

The scene of the huge crash for Romain Grosjean, Haas VF-20

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

8 - Qual é a próxima etapa no desenvolvimento da segurança?

Certamente, o lado trivial do debate sobre o lugar do halo em monopostos foi encerrado com este incidente. Embora ainda valha a pena reconhecer que questionar qualquer coisa por motivos razoáveis ​​deve ser permitido. Mas demonstra, novamente, o quão longe a F1 chegou em segurança.

Então, o que vem a seguir? Esta é uma perspectiva vital no projeto incessante de tornar o automobilismo mais seguro, mesmo que o risco nunca possa ser totalmente removido. Somente nesta temporada, a FIA determinou o uso de novos trajes à prova de fogo construídos com um novo padrão de segurança que deve resistir a uma chama direta por um mínimo de 12 segundos (roupa íntima e balaclava devem suportar cinco segundos, sapatilhas e luvas 11 segundos - embora o mínimo na palma da mão caia para oito segundos.

Lewis Hamilton disse depois de vencer a corrida do Bahrein que estava "um pouco blasé" sobre esse desenvolvimento, explicando "no sentido de que eu achava que nossas roupas eram boas o suficiente".

Mas ele acrescentou: "Este ano eles as tornaram maiores, mais volumosas e o kit mais pesado. Já estamos com tanto calor no carro, mas acho que hoje eles tiveram a visão talvez e acho que foi uma boa jogada."

Porque esta é a melhor coisa a se considerar sobre o terrível acidente no último domingo - além de saber que Grosjean está vivo. Que a busca por melhorar a segurança no automobilismo não pare e que um trabalho tão valioso seja filtrado e aprimorado ainda mais os campeonatos que nos divertem.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Os possíveis substitutos de Hamilton e detalhes de como Grosjean sobreviveu ao grave acidente

PODCAST: Domínio da Mercedes tira mérito de Hamilton em suas conquistas?

 

Hamilton afirma estar "devastado" com diagnóstico de Covid que o tira do GP de Sakhir

Artigo anterior

Hamilton afirma estar "devastado" com diagnóstico de Covid que o tira do GP de Sakhir

Próximo artigo

Steiner compara Mazepin a Lauda para responder críticas sobre "piloto pagante"

Steiner compara Mazepin a Lauda para responder críticas sobre "piloto pagante"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Alex Kalinauckas