ANÁLISE F1: Quinto motor será necessário para Hamilton ou Verstappen em 2021?

Será que ambos poderão terminar ano com a quarta unidade ou terão que recorrer a uma quinta?

ANÁLISE F1: Quinto motor será necessário para Hamilton ou Verstappen em 2021?

Lewis Hamilton usou um quarto motor de combustão na Turquia, o que lhe custou uma penalidade de dez posições de grid, enquanto Max Verstappen o havia precedido na Rússia, substituindo toda a unidade de potência.

Na oportunidade, o holandês largou do fundo do grid e subiu para o segundo lugar, graças a uma gestão perfeita da corrida quando começou a chover, enquanto o atual campeão não passou da quinta posição em Istambul, após uma verdadeira novela com o desgaste de seus intermediários.

Leia também:

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

A sensação é que o Mundial de 2021 será definido pela qualidade dos pilotos e pela durabilidade dos motores em um percurso que ainda é muito longo, porque ainda faltam seis provas no calendário. O campeão não será aquele que conseguir mostrar uma clara superioridade sobre o adversário, mas aquele que cometer menos erros.

A liderança de Lewis e Max e as decisões técnicas das duas equipes, que também se tornam estratégicas, serão fundamentais. O equilíbrio que existe no momento entre os dois competidores poderia ser descrito como incrível para nos oferecer uma batalha esplêndida, em que pequenos detalhes podem inclinar a balança para um lado ou para outro.

Nas últimas corridas, as previsões foram arruinadas, porque nas pistas onde um deveria vencer, o outro ganhou e vice-versa. Portanto, nada pode ser deixado ao acaso e a atenção aos detalhes pode influenciar o resultado.

Max Verstappen, Red Bull Racing in conferenza stampa

Max Verstappen, Red Bull Racing in conferenza stampa

Photo by: FIA Pool

Verstappen atualmente tem uma vantagem de seis pontos no campeonato de pilotos, enquanto a Mercedes tem 36 pontos sobre a Red Bull. Mas em Brackley eles não estão dispostos a dividir os títulos e estão lutando para levar para casa o oitavo mundial ao lado de Lewis.

O chefe da Red Bull, Christian Horner, destacou o crescimento da unidade de potência da Mercedes no último fim de semana na Turquia: "Não podemos mais acompanhá-los, embora usemos asas menores. A Mercedes consegue alcançar velocidades máximas altas, apesar de ter asas muito maiores, o que é um sinal de que encontraram algo no motor."

As palavras do chefe da equipe Milton Keynes são mais uma observação do que uma acusação. Sem mais desenvolvimentos aerodinâmicos para introduzir no W12, a Mercedes tenta compensar a diferença contra a Red Bull no motor, unanimemente considerado o mais poderoso de todos.

Agora que a Red Bull construiu o RB16B que parece aerodinamicamente superior e que o motor Honda diminuiu a diferença para o M12, a zona de conforto se foi. Em cada corrida, você deve espremer o potencial máximo disponível.

E no desafio dos motores se misturam aspectos muito diferentes: antes da classificação, cada fabricante decide o mapeamento que deve manter ao longo do fim de semana. Há pistas em que se pode chegar perto do limite e outras em que é melhor ser cauteloso, pois a vida do quarto motor dos dois concorrentes terá de ser de sete corridas para Hamilton e oito para Verstappen.

É verdade que ainda existem algumas unidades de "giro" usadas nos treinos livres que poderiam cobrir a corrida menos exigente, mas você tem que contar com a perda de energia que as unidades sofrem com o envelhecimento.

Fala-se de cerca de 40 cavalos de potência no final do ciclo (para Honda e Renault): uma margem muito alta para oferecê-la à concorrência, especialmente se for verdade que a Mercedes introduziu o motor 4 depois de observar que a terceira unidade de Hamilton estava "envelhecida" e custou 22 cavalos.

O jogo, portanto, é delicado: a busca pela maior potência disponível esbarra na necessidade de preservar a durabilidade dos motores sem precisar usar um quinto motor. Se este cenário for viável para a Mercedes, existem algumas dúvidas de que também possa ser subscrito pela Red Bull, justamente pelo maior desgaste do RA621H de 6 cilindros.

F1: Entenda como CALENDÁRIO de 2022 se tornou o mais INSANO e DESAFIADOR para equipes e pilotos

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #138 – Red Bull não sabe o que fazer contra Mercedes após GP da Turquia?

 

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
Vettel: Calendário saturado pode fazer com que F1 deixe de ser "especial"
Artigo anterior

Vettel: Calendário saturado pode fazer com que F1 deixe de ser "especial"

Próximo artigo

F1 e MotoGP terão menos datas conflitantes em 2022; saiba quais

F1 e MotoGP terão menos datas conflitantes em 2022; saiba quais
Carregar comentários