Comentários
Fórmula 1 GP da Austrália

Análise: Na busca pelo 'show', F1 assume novos riscos na Austrália

Crescente vontade de oferecer ao público um espetáculo pode fazer com que a categoria perca o contato com a realidade

A marshal waves a red flag

O GP da Austrália entrará para a história com três bandeiras vermelhas e quatro largadas. A Fórmula 1 parece ter perdido o contato com a realidade: você não precisa parar a corrida para cada acidente. O diretor de prova toma medidas a favor da segurança, mas com tanto rigor, os riscos de relargadas aumentam. O safety car é uma ferramenta que está perdendo valor.

Às vezes, a F1 dá a impressão de estar dando voltas em si mesma por duas razões claras: um regulamento desportivo que foi crescendo ao longo dos anos com a adição de regras que fizeram do livro um labirinto em que até os homens da FIA correm o risco de se perder, e a crescente vontade de oferecer ao público um belo show mesmo nos dias em que a ação na pista não seja de 'perder o fôlego'. Esta última, também parece ter efeitos na direção da prova. 

Leia também:

Depois, há uma terceira variável, e é a da 'gestão Wittich', ou seja, o diretor de prova que substituiu Michael Masi desde o início do ano passado.

O GP de Melbourne foi um coquetel desses três elementos. A primeira decisão que surpreendeu no domingo em Albert Park foi interromper a corrida na volta oito, com uma bandeira vermelha acionada para permitir que os comissários limpassem a área onde Alexander Albon havia saído da pista.

O uso de aspiradores de pó para limpar a pista na curva 6 era realmente essencial ou poderiam ter continuado sob o safety car deixando o pessoal limpar a área com meios menos tecnológicos, mas ainda eficazes?

Quando Kevin Magnussen bateu no muro na volta 53, surgiu uma situação semelhante. Nesta ocasião, os destroços do monoposto foram realmente espalhados por um longo trecho da pista e a segunda bandeira vermelha foi acionada, que parecia mais compreensível que a primeira, mas não totalmente indispensável.

Max Verstappen taglia il traguardo del GP d'Australia seguito da Lewis Hamilton

Max Verstappen taglia il traguardo del GP d'Australia seguito da Lewis Hamilton

Photo by: Jake Grant / Motorsport Images

Agora, a questão é se a gestão de Wittich revisou o papel do safety car. Imaginar o carro de serviço andando em velocidade reduzida com os monopostos atrás não parece ser um cenário perigoso para quem trabalha na pista, e isso se vê há anos sem contraindicações, principalmente em pista seca. No entanto, se o que vimos em Melbourne é um novo rumo para a FIA, devemos nos preparar para ver menos safety car na pista e muito mais largadas.

Para a direção da prova, a bandeira vermelha é uma ferramenta para evitar o risco de imprevistos, não há dúvida, mas o lado negativo é que o aspecto esportivo fica em segundo plano. Não do show, é claro, porque depois de cada bandeira vermelha há um reinício, e isso é uma boa notícia para quem busca momentos de alta tensão.

Depois, há uma contradição que surgiu nos animados e caóticos momentos finais do dia. Após a  bandeira vermelha que eliminou os riscos associados a uma hipotética limpeza da pista sob o safety car, seguiu-se a decisão de recomeçar a corrida com parada a duas voltas do final do GP.

I commissari rimuovono la Williams FW45 di Alex Albon dopo la bandiera rossa al giro 8: era indispensabile?

I commissari rimuovono la Williams FW45 di Alex Albon dopo la bandiera rossa al giro 8: era indispensabile?

Photo by: Jake Grant / Motorsport Images

Uma largada em uma pista como Albert Park com pneus macios que não estão em temperatura e apenas duas voltas programadas é um chamado ao caos, como aconteceu prontamente na primeira curva.

Depois, há um último aspecto que impressionou no domingo em Melbourne. Após o acidente ocorrido na última largada, havia condições para declarar encerrada a corrida, e a confirmação foi o longo período de tempo dispensado pela direção da prova para comunicar o que fazer.

A última volta atrás do safety car serviu para agitar a bandeira quadriculada, em detrimento da Alpine e Sainz. No caso de Carlos, a pena imposta foi correta, mas o contexto em que teve de cumpri-la assumiu a forma de uma verdadeira farsa.

Obviamente tudo foi "de acordo com o regulamento", vejam bem, o trabalho de Wittich é sempre pautado no cumprimento literal das regras, desde o caso das cuecas dos pilotos, passando pelos piercings de Hamilton até a proibição de comemorações dos membros das equipes quando os pilotos passar sob a bandeira quadriculada.

Max Verstappen alla ripartenza del Gran Premio d'Australia

Max Verstappen alla ripartenza del Gran Premio d'Australia

O regulamento é a diretriz, mas também é preciso bom senso de quem o aplica. Não dá para administrar a Fórmula 1 com o único objetivo de 'risco zero', porque acaba distorcendo a natureza do esporte. É preciso flexibilidade mental e capacidade de saber avaliar caso a caso, quem aceita dirigir um GP é chamado a assumir a responsabilidade. Não é uma tarefa fácil, mas existe a história de Charlie Whiting, que desempenhou esse papel por muitos anos sabendo distinguir quando e como intervir de acordo com os casos que enfrentava de tempos em tempos.

A F1 é agora mais do que nunca um esporte fascinante, os 444.631 espectadores no Albert Park são uma confirmação clara de que há muito de bom no trabalho feito pela Liberty Media e pela FIA no período pós-Covid.

O risco, porém, é que a onda muito positiva desse sucesso desvie, que a ressaca da aclamação (e do retorno financeiro) afaste um pouco da realidade. Tudo bem se proteger, tudo bem olhar para frente, para novos mercados e novas gerações, mas agir em nome da 'visão' e do risco zero não é um álibi que justifique tudo.

GIAFFONE opina: Verstappen não quer ter amigos e lembra Alonso, RBR vai 'liberar' Pérez

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Treinos que valem pontos? F1 vai 'longe demais' com entretenimento?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Organizadores do GP da Austrália são convocados pela FIA por violação dos protocolos de segurança
Próximo artigo F1 - Alonso diz que tentou 'forçar erro' de Hamilton na Austrália: "Guiou de forma fantástica"

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil