Últimas notícias

Apesar de críticas, Haas continua usando freios da Brembo

Mesmo com problemas apresentados no carro de Grosjean, time diz que irá correr com freios de fábrica italiana no GP da Espanha

Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17

LAT Images

Guenther Steiner, Haas F1 Team Team Principal
Haas F1 Team VF-17 front brake disc detail
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17

Tentando melhorar os problemas que tiveram durante os treinos para o GP da Rússia com o resfriamento dos freios, a equipe Haas irá prosseguir na utilização dos discos e pinças da fábrica italiana Brembo no GP da Espanha deste final de semana.

A Haas havia tentado os freios da Carbon Industrie (CI) na Rússia, mas, com problemas no arrefecimento, o time norte-americano continuará usando Brembo. Chefe da equipe, Gunther Steiner explica a decisão.

"Descobrir como podemos resolver o problema vai demorar um pouco, mas vamos chegar lá", disse Steiner. "Não é um problema fácil de resolver. Todo mundo precisa entender que este é um sistema de freio muito sofisticado.”

"Sabemos o que temos depois do nosso teste no Bahrein com os freios da Carbon Industrie, e depois de Sochi no TL1 e no TL2, mas vamos competir com a Brembo em Barcelona.”

"Romain Grosjean esteve bastante feliz com a última versão da Brembo, e Kevin Magnussen gostou mais do CI porque a ação é melhor – apenas uma sensação melhor.”

"Agora precisamos fazer com que o CI funcione para vermos onde estamos antes de chegar a uma conclusão absoluta. Ficarei feliz quando pudermos ticar isso na nossa lista."

Grosjean reclamou regularmente sobre as deficiências dos freios da Brembo no carro Haas ao longo da temporada passada, e Steiner diz que a falta de testes na temporada da Fórmula 1 moderna, juntamente com a complexidade dos sistemas de frenagem em carros F1 atuais, significa problemas para os times.

"A pergunta óbvia - e com razão as pessoas perguntam - é que não pode ser tão difícil de consertar um freio", acrescentou Steiner. "Na verdade, não é fácil, porque são tecnologias altamente complexas.”

"Quando você muda de um para o outro, você encontra problemas que você não está ciente até que você tente corretamente.”

"Sem testes durante a temporada, você precisa fazer isso durante os TL1 e TL2. Você sempre tem que esperar duas semanas para fazer algo, então você nunca pode fazer um bom teste.”

"Isso compromete o seu teste, e é por isso que leva tanto tempo, não é que não estamos trabalhando duro. Nossa equipe é muito competente e pode fazer isso. Só leva tempo."

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Sauber considera ter piloto japonês em 2018
Próximo artigo Verstappen deveria ouvir mais os outros, diz Ricciardo

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil