Análise
Fórmula 1 GP do Canadá

As regras de 2026 podem mudar o DNA da Fórmula 1?

A quantidade de termos e conceitos complicados podem levar o fã a perder o interesse pela categoria

F1 2026 FIA car renders

Foto de: FIA

À medida que a revisão das regras da Fórmula 1 para 2026 é examinada de perto, crescem as preocupações com o excesso de complicações que podem afastar os fãs e com o fato de uma filosofia fundamental estar sendo colocada em risco.

Leia também:

"Max Verstappen venceu o GP do Bahrein de Fórmula 1 de 2026 depois de usar seu +0,5 MJs em sua última volta e implantar seu MOM [modo de substituição manual]."

Será essa a perspectiva assustadora que os fãs da F1 poderão enfrentar, a julgar pelos regulamentos propostos para 2026? O lançamento, que o diretor técnico de monopostos da FIA, Nikolas Tombazis, chamou de "revolução moderada", parece tão confuso quanto o oximoro que ele decidiu usar.

À medida que as equipes recuam em relação às propostas e iniciam sua própria revolta, cresce o temor de que, se for permitido que elas sejam processadas em sua forma atual, só servirão para afastar os fãs.

A linguagem da F1 sempre foi um ponto discutível e, na maioria das vezes, aceito. Nos últimos anos, vimos a introdução de componentes prolixos que foram condensados em acrônimos confusos - DRS, ERS, CE, SOC, DAS e MGUK-H.

Mas se quisermos ser realistas quanto ao apelo a um público mais amplo, a terminologia sugerida precisa ser abordada.

Embora a proposta de aerodinâmica ativa seja intuitiva, chamá-la de "modo Z", para alta força descendente, e um "modo X" de baixo arrasto para as retas - juntamente com os planos revisados para novas unidades de potência e tecnologia de bateria, além de combustíveis sustentáveis - corre o risco de tornar tudo muito confuso e fazer com que os fãs, especialmente os novos que a F1 tem se esforçado tanto para atrair, se desliguem.

Mike Krack, Team Principal, Aston Martin F1 Team, in the Team Principals Press Conference

Mike Krack, diretor de equipe da Aston Martin F1 Team, na coletiva de imprensa dos diretores de equipe

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

O chefe da Aston Martin, Mike Krack, disse: "É um monte de linguagem de engenharia. Modo Z, modo X, gerenciamento de energia e assim por diante. Em termos de complexidade, acho que precisamos nos concentrar no produto, no torcedor e no espectador."

"Tenho um pouco de medo de que, em 2026, tenhamos coletivas de imprensa ou entrevistas de pilotos falando sobre todos esses aspectos técnicos que muitas pessoas não entenderão e perderão o interesse."

"Isso é algo que eu acho que precisamos ter muito cuidado. Se tivermos um gerenciamento de energia diferente de pista para pista ou restrições no carro que façam com que um carro vá para a frente e outro para trás, como explicaremos isso? É algo que realmente precisamos ter em mente."

O diretor da equipe Haas, Ayao Komatsu, concorda e diz que as propostas se tornarão mais fáceis de entender com o tempo, mas acrescenta que a linguagem que está sendo usada está errada. Ele acrescentou: "Parte da complexidade está mais na linguagem do que na substância, porque quando falamos sobre o X-mode, como se fosse o DRS aberto, o conceito de abrir o DRS está muito bem estabelecido."

"Parte da complexidade que ainda persiste, especialmente no que diz respeito à unidade de potência, deve-se à imaturidade dos regulamentos."

F1 2026 FIA car renders

Renderização do carro F1 2026 FIA

Foto de: FIA

"Acho que, quando amadurecerem, eles se tornarão ainda mais simples. Ou, pelo menos, espero que possamos alcançar as duas coisas por meio do trabalho de desenvolvimento e colaboração."

O outro elemento é o potencial de ver a F1 ser usurpada de sua posição como o auge do automobilismo. Uma fonte do paddock disse que as propostas para 2026 pareciam mais com a "Fórmula 2.5 do que com a F1" em relação às velocidades mais lentas.

Essa é uma preocupação levantada pelo chefe da Williams, James Vowles, que disse: "É imperativo que ainda sejamos a principal categoria do automobilismo. É assim que nos vejo. Somos o auge disso. E, portanto, como resultado, precisamos ter certeza de que estamos mantendo o desempenho e a velocidade que temos."

Outro elemento que pode ser decisivo para os fãs são os regulamentos restritivos de chassi, que podem colocar em risco o DNA da Fórmula 1. O design de carros menores e mais leves deve ser aplaudido, mas as medidas restritivas podem impedir a liberdade de design.

Na Pesquisa Global de Fãs da Motorsport Network em 2015, um número impressionante de 86% se opôs a ver a F1 se tornar uma série de especificações usando chassis e motores idênticos.

James Vowles, Team Principal, Williams Racing, in the Team Principals Press Conference

James Vowles, diretor de equipe da Williams Racing, na coletiva de imprensa dos diretores de equipe

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Komatsu concorda e acha que as restrições podem ser prejudiciais ao próprio espírito das equipes de F1 como construtoras.

Ele acrescentou: "Em termos de liberdade de projeto, especialmente na parte aerodinâmica. No momento, no projeto de regulamento, não tenho certeza se esse equilíbrio foi atingido corretamente em termos de como as coisas são prescritas."

"Todas essas filosofias... Como nos apresentamos como o auge do automobilismo, em termos de engenharia também, para ter alguma liberdade ou provavelmente um pouco mais de liberdade na aerodinâmica, isso também é importante."

"Então, mais uma vez, precisamos analisar vários aspectos para que ele realmente represente o auge do automobilismo."

ALONSO dribla CHUVA e lidera; Verstappen SOFRE e pode ter ainda MAIS PROBLEMAS

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Como demissão de Ocon impacta no mercado da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Mercedes suspeita que atualização da Red Bull se tornou um "downgrade"
Próximo artigo "Por que ele ainda está na F1?": Villeneuve tece duras críticas a Ricciardo

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil