Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
45 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
52 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
66 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
80 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
94 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
101 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
115 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
129 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
136 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
150 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
157 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
171 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
185 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
213 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
220 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
234 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
241 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
255 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
269 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
276 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
290 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
304 dias

Como as equipes da F1 revisaram as asas traseiras para o GP do Canadá

compartilhar
comentários
Como as equipes da F1 revisaram as asas traseiras para o GP do Canadá
Por:
, Featured writer
Co-autor: Jake Boxall-Legge
6 de jun de 2019 18:53

Várias equipes da F1 aperfeiçoaram seus projetos de asa traseira antes do GP do Canadá, em busca de mais desempenho nas retas

Ferrari, Toro Rosso e Racing Point são apenas alguns dos times que trazem novas asas traseiras para o Canadá, adaptando a aerodinâmica às exigências nas retas mais longas do circuito.

Normalmente, as equipes optam por criar uma "colher" no centro da asa em circuitos que não são tradicionalmente de baixo arrasto, mas ainda têm longas zonas de aceleração.

Isso é para minimizar o arrasto e desenvolver downforce suficiente para as partes mais lentas.

Leia também:

A asa traseira da Ferrari - vista no carro de Charles Leclerc (à esquerda) - parece estar em uma especificação semelhante à de Baku, em que as áreas externas estão levantadas para reduzir a área frontal.

Comparação da asa traseira da Ferrari - Charles Leclerc (esquerda), Sebastian Vettel (direita)

Comparação da asa traseira da Ferrari - Charles Leclerc (esquerda), Sebastian Vettel (direita)

Photo by: Giorgio Piola

Geralmente, as áreas externas de uma asa desenvolvem os diferenciais de pressão mais fracos em comparação com a área central, produzindo assim um nível mais fraco de downforce.

Ao remodelar a asa, ela produz menos arrasto com a ressalva de oferecer uma saída de downforce reduzida.

Curiosamente, o carro de Vettel está equipado com uma asa mais convencional e mais plana (à direita).

A Toro Rosso persistiu com uma asa rasa em forma de colher durante toda a temporada até agora, mas exagerou sua profundidade para o Canadá.

Ao contrário da Ferrari, a asa de Baku da Toro Rosso tinha um ângulo muito reduzido sem a  colher e por isso parece ser um novo design.

Asa da Toro Rosso

Asa da Toro Rosso

Photo by: Giorgio Piola

Este também é o caso da nova asa traseira da Racing Point. Até agora, nesta temporada, a borda da parte central foi levantada, com o objetivo de melhorar a curvatura da asa traseira, sem penalizar o arrasto.

No entanto, a equipe descartou essa solução para Montreal, preferindo criar uma asa que varre a área central.

Asa da Racing Point

Asa da Racing Point

Photo by: Giorgio Piola

Próximo artigo
Norris diz que pegou 'manhas' de estilo de pilotagem de Verstappen por corridas virtuais

Artigo anterior

Norris diz que pegou 'manhas' de estilo de pilotagem de Verstappen por corridas virtuais

Próximo artigo

Único negro na história da F1, Hamilton quer aumentar diversidade na categoria

Único negro na história da F1, Hamilton quer aumentar diversidade na categoria
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP do Canadá
Autor Giorgio Piola