Últimas notícias

Como Pirelli descobriu a maior crise com pneus da F1 desde 2005

Análise após treinos da sexta-feira mostrou que nada ia bem em Losail

Carlos Sainz, Ferrari SF-23

Um comunicado da FIA neste sábado no Catar alertou para o que é o maior drama relacionado aos pneus na Fórmula 1 desde o infame GP dos EUA de 2005. Naquela ocasião, após falhas nos treinos, os pilotos da Michelin desistiram de correr após a volta de apresentação, deixando os seis carros da Bridgestone - dois da Ferrari, dois da Jordan e dois da Minardi - para correrem sozinhos.

Leia também:

Desta vez, o problema descoberto pela Pirelli no sábado afetou todo o grid, e a FIA agiu rapidamente com um plano de contingência antes da corrida de sprint e da própria corrida de domingo.

Não houve problemas visíveis e nada foi relatado pelas equipes após o TL1 e a classificação principal. O problema se tornou aparente depois que a Pirelli realizou sua análise de rotina na noite de sexta-feira dos pneus usados, neste caso, aqueles devolvidos pelas equipes após o TL1 e que não eram mais necessários.

O processo usual envolve cortar amostras para uma análise mais detalhada. Normalmente, nada anormal é descoberto, mas nesta ocasião, tarde da noite, a Pirelli encontrou problemas em vários pneus que haviam rodado 20 voltas ou mais.

A FIA foi imediatamente alertada, e o diretor de monopostos Nikolas Tombazis viu os pneus danificados e um plano foi formulado sobre como responder. O comunicado de hoje da entidade reguladora observou que "foi descoberta uma separação na parede lateral entre o composto superior e os cordões da carcaça em muitos dos pneus que foram verificados.

É a opinião da FIA e da Pirelli que um número significativo de voltas adicionais nesses pneus poderia resultar em danos circunferenciais nos pneus com subsequente perda de ar, e pneus analisados com menor número de voltas mostraram uma extensão muito reduzida do problema".

Como medida da gravidade do problema, o presidente da GPDA, Alex Wurz, convocou uma reunião especial dos pilotos para discutir as implicações de segurança.

Lando Norris, McLaren MCL60

Lando Norris, McLaren MCL60

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Não foi totalmente uma surpresa - houve problemas de pneus em Losail em 2021, e as zebras revisadas, especialmente nas Curvas 12-13, receberam muitos comentários das equipes e pilotos antes mesmo dos carros rodarem na sexta-feira.

Como confirmou o comunicado da FIA, "esse problema provavelmente foi causado pela interferência de alta frequência entre a parede lateral do pneu e as zebras 'pirâmides' de 50mm usadas extensivamente neste circuito, agravada pela propensão a passar por essas zebras".

Os danos foram encontrados principalmente nos pneus dianteiros, principalmente nos esquerdos, mas também nos direitos. Curiosamente, também foi visto tanto nas paredes laterais internas quanto nas externas. Em essência, as paredes laterais externas sofrem impactos à medida que os carros se aproximam da borda externa íngreme das zebras por uma distância considerável, e depois as paredes laterais internas são afetadas quando os carros caem sobre as zebras de 50mm e passam pelo declive além da borda dura.

Na verdade, são impactos consistentes nas paredes laterais, ao longo de várias voltas, que estão criando o problema. Também é resultado das altas forças G naquela sequência criando um "inchaço" nas paredes laterais que tornam os pneus mais vulneráveis a danos. A resposta da FIA foi ajustar os limites da pista nas curvas 12-13, onde se acredita que a maioria dos danos esteja ocorrendo, para que os carros não fiquem sobre as zebras como até agora.

Essa mudança é o motivo pelo qual uma sessão de treino adicional de 10 minutos foi adicionada ao cronograma antes da corrida sprint, permitindo que os pilotos se adaptem à mudança. Além disso, o plano provisório - a ser confirmado após a ação da corrida de sprint de hoje - é que cada piloto deve fazer pelo menos três paradas na corrida principal de domingo, com pneus novos, não permitidos para rodar mais de 20 voltas, e pneus usados na classificação por 22.

A corrida sprint de hoje tem 19 voltas, e obviamente, a esperança é que a curta distância permita que os pilotos corram sem problemas durante toda a corrida. Também funciona como um teste perfeito para a Pirelli, pois então poderá examinar todos os conjuntos usados na corrida e depois decidir com a FIA qual será o impacto na corrida principal de domingo.

F1: SPRINT com Piastri pole e Max sedento! Fefo Barrichello e Lipe Paíga analisam

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #250 – Andretti é aprovada pela FIA para F1. E agora?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Artigo anterior Pirelli mantém fornecimento de pneus da F1 até 2028, mas revela que contrato será o último
Próximo artigo F1: Russell acredita que Mercedes encontrou 'chave' para reverter início difícil de temporada
Assinar