Ericsson crê que "mais provável" é seguir na Sauber em 2017

Marcus Ericsson vê permanência em time de Hinwil como caminho mais provável para a próxima temporada da Fórmula 1

Ericsson crê que "mais provável" é seguir na Sauber em 2017
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber F1 Team
Marcus Ericsson, Sauber F1 Team
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber F1 Team
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber C35

Marcus Ericsson está na segunda temporada com a Sauber, tendo estreado na Fórmula 1 em 2014, com a extinta Caterham. Apesar de ainda não ter anunciado o lugar no qual estará em 2017 e dizer que há opções no mercado, o sueco reconhece que o caminho mais provável é a permanência no time de Hinwil.

"Acredito que o mais provável é que eu permaneça. Mas não quero descartar outros cockpits que ainda estão disponíveis. Tenho dito há algum tempo que sinto que evoluí como piloto e melhorei bastante em um ano e meio. Quero poder mostrar isso, quero estar em um carro que me permita mostrar isso", disse.

"Talvez este carro seja a Sauber no ano que vem, mas ainda há alguns assentos disponíveis por aí. Se tivermos uma oportunidade, precisamos estar lá e ver quais são as opções", afirmou.

Perguntado se os planos para o futuro serão resolvidos antes do GP de Abu Dhabi, que encerra a temporada, Ericsson respondeu: "Você sempre quer resolver tudo o quanto antes, mas ao mesmo tempo não se pode fazer nada com pressa. Seria bom saber o que fazer antes de Abu Dhabi, ir para as férias sabendo o que farei no ano seguinte", acrescentou.

Em crescimento, Sauber passa a ser opção atrativa

No GP do México, Ericsson obteve o melhor resultado da Sauber em 2016, terminando a prova em 11º. Apesar de o time ainda não ter pontuado em 2016, o piloto reconhece que a chegada do grupo Longbow, que adquiriu a equipe, já mostra resultados - e, com isso, a Sauber se torna uma opção mais atrativa para 2017.

"Creio que o time tem feito grandes progressos. Eles estão mostrando do que são capazes, agora eles têm recursos para desenvolver o carro e é isso do que eles precisam como equipe. É uma opção muito mais atrativa do que há, digamos, cinco meses", disse.

Ericsson, por fim, celebrou o bom momento pessoal - o sueco bateu Felipe Nasr, tanto em classificação quanto na corrida, nas quatro últimas provas.

"Sinto que minha performance tem sido muito boa desde a temporada europeia. É uma boa época do ano para estar em boa forma. Isso, definitivamente, fortaleceu minha posição dentro da equipe", completou.

Reportagem adicional por Jonathan Noble

compartilhar
comentários
Gasly se diz aberto à Super Fórmula no Japão em 2017

Artigo anterior

Gasly se diz aberto à Super Fórmula no Japão em 2017

Próximo artigo

Rosberg atribui derrota no México a fatores "atípicos"

Rosberg atribui derrota no México a fatores "atípicos"
Carregar comentários