Ericsson diz que era de 3s a 4s mais rápido que Nasr

Em toque, piloto sueco revela que pediu autorização do time para atacar brasileiro e defende que Rascasse era melhor ponto

Ericsson diz que era de 3s a 4s mais rápido que Nasr
Marcus Ericsson, Sauber
Felipe Nasr, Sauber F1 Team
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber C35
Felipe Nasr, Sauber F1 Team
Felipe Nasr, Sauber C35 leads team mate Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber C35
Marcus Ericsson, Sauber C35
Felipe Nasr, Sauber F1 Team C35 and Daniil Kvyat, Scuderia Toro Rosso STR11
Marcus Ericsson, Sauber F1 Team C35
Felipe Nasr, Sauber F1 Team
Carregar reprodutor de áudio

Depois das críticas da chefe da Sauber a seus dois pilotos pelo toque durante o GP de Mônaco, o sueco Marcus Ericsson diz querer colocar panos quentes na questão. Para ele, o melhor é virar a página e deixar tudo para trás para o GP do Canadá.

"Claro que não é bom", disse o sueco ao Motorsport.com. "Precisamos sentar, eu e Felipe, conversar e passar para Montreal. Claro que não deveria ser assim. Precisamos fazer isso em breve."

Melhor ritmo

O sueco disse que tinha um ritmo muito melhor que o de Felipe Nasr durante prova.

"Coloquei os ultramacios e tive problemas para aquecê-los por causa de uma bandeira azul", disse ele.

"Mas quando os aqueci, meu ritmo era muito forte. Felipe entrou algumas voltas depois. Eu era de três a quatro segundos por volta mais rápido. Quando cheguei nele eu perguntei no rádio: 'o que devo fazer, devo atacar?”

"Eles disseram: 'não, ele vai te deixar passar porque você está muito mais rápido no momento’. E eu esperei.”

"Mas as voltas passaram e eu perguntei: 'o que está acontecendo?' Eles disseram: 'nós estamos dizendo para ele trocar de posição, ele vai fazer nesta volta’ Só que na volta seguinte ele não deixou. Ele apenas continuou. Foram oito voltas com eles me dizendo que iríamos trocar de posição, mas ele não quis.”

"Então, depois de oito voltas, disse à equipe que tentaria passar porque tinha muito mais ritmo no carro. E eles disseram: 'vá em frente.’ Então, eu tentei."

Rascasse era a melhor chance

Ericsson insistiu que a Rascasse era um lugar bom para tentar passar.

"Eu tentei no início da corrida após o túnel, mas ele estava se defendendo muito lá", explicou.

"Pensei que o melhor lugar seria a Rascasse, porque tentei passar Bottas lá no início da corrida, e sabia que poderia andar lado a lado por lá. Sabia que na pior das hipóteses iríamos lado a lado e eu teria que ficar para atrás na saída da curva.”

"Além disso, assistimos outros campeonatos neste fim de semana, onde passavam na Rascasse. Provavelmente era o melhor lugar para ultrapassar.”

"Ele estava com dificuldades no último setor, então eu estava sempre chegando muito perto lá. Tentei a manobra e o resultado final não foi o que eu esperava."

Ericsson ganhou dois pontos de penalização e perderá três posições no grid em Montreal.

compartilhar
comentários
Chefe diz que Rosberg não questionou ordem de equipe
Artigo anterior

Chefe diz que Rosberg não questionou ordem de equipe

Próximo artigo

Ferrari considera atualização no motor para Montreal

Ferrari considera atualização no motor para Montreal