ESPECIAL: Entenda como F1 atual mudou papel do engenheiro de corrida

Trabalho costumava ser o de coletar feedback de um piloto e traduzi-lo em modificações no carro

ESPECIAL: Entenda como F1 atual mudou papel do engenheiro de corrida

O trabalho de um engenheiro de corrida se transformou com o passar dos anos na Fórmula 1, que conta hoje com um carro de alta tecnologia. Antes, esse profissional era o responsável por traduzir o feedback do piloto em melhorias no carro.

No entanto, agora ele se transformou em uma função muito complexa. Exige que um indivíduo não apenas lide com o aspecto do piloto, mas esteja no topo de uma cadeia de comunicação que inclui o pitwall, a garagem e as operações remotas da fábrica para oferecer análises em tempo real.

Leia também:

Em uma linguagem simples, um engenheiro de corrida agora é uma interface de piloto alimentada por dados em tempo real.

O clima recente afetou as corridas na Rússia e na Turquia, onde os engenheiros de corrida e pilotos tiveram que tomar decisões críticas, e isso trouxe à luz a importância dessa relação entre os pilotos e seus pitwalls.

Foi a prova perfeita de como o engenheiro deve agora atuar como o canal para todas as informações extras que está sendo alimentado - tanto do piloto do carro, quanto de estrategistas, especialistas em clima e analistas de dados na garagem.

As mensagens de rádio que ouvimos em casa são apenas a ponta do iceberg, quando se trata de entender o sucesso e os fracassos dessa relação piloto/engenheiro.

Está longe de ser uma via de mão única em que ele leva a bordo as informações do piloto para melhor ajustar o carro. Agora, é um diálogo constante - e seu papel é basicamente ser a espinha dorsal de um fim de semana de sucesso durante cada momento da ação da pista.

Laurent Mekies, Racing Director, Ferrari, in the Team Principals Press Conference

Laurent Mekies, Racing Director, Ferrari, in the Team Principals Press Conference

Photo by: FIA Pool

Para o diretor de corridas da Ferrari, Laurent Mekies, que já trabalhou para a Arrows, Minardi, Toro Rosso e FIA, o trabalho de um engenheiro de corrida é muito mais proativo agora do que era há cerca de uma década.

“A maior evolução neste papel foi o coach de pilotos”, disse ao Motorsport.com. “Quinze ou 20 anos atrás, um engenheiro de pista dificilmente poderia dar a um piloto um conselho de como guiar como ele é capaz de fazer hoje, porque não havia nenhum dos dados em tempo real disponíveis que temos atualmente.”

“A F1 evoluiu muito. O nível de análise e estimativa em tempo real hoje nos dá um conhecimento muito mais profundo dos pneus. Também podemos ler muito mais parâmetros em tempo real e, em geral, há mais sensores no carro.”

“Isso nos permite interpretar os dados que recebemos do carro em tempo real e obter informações que são repassadas ao piloto.”

A expansão das equipes de F1, e esse posicionamento do engenheiro de corrida como um funil para todas as informações que são fornecidas ao piloto por uma série de partes externas, significa que as linhas de comunicação são cruciais.

Atrapalhe qualquer coisa neste processo e deixe um pedaço de informação falsa se infiltrar no sistema - e isso pode significar a diferença entre um resultado brilhante em potencial e o fracasso total.

O aumento das complicações da função significa que o treinamento em habilidades de comunicação é uma obrigação; assim como a análise constante do desempenho.

“Cada equipe tem seu próprio tipo de procedimento de comunicação, que vai além da aptidão individual do engenheiro”, disse Mekies.

“Fazemos alguns testes, além de treinamentos específicos. Após os fins de semana de corrida, ouvimos e reanalisamos tanto as comunicações que você ouve via rádio entre o engenheiro e o piloto, quanto aquelas que ocorrem na cadeia de comunicação interna.

"Se você olhar para Sochi como um exemplo, essas informações incluíam previsões do tempo e as condições dos pneus de todos os pilotos na pista, informações sobre o carro e o ritmo das voltas dos adversários e todos os dados lidos em tempo real.”

“É uma cadeia de comando que se alia a protocolos de comunicação, fluxos de diálogo e decisões que passam da garagem remota, para a garagem na pista, para o pitwall e finalmente para o piloto. Precisamos de um tempo para discussão, decisão e comunicação.”

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG, and colleagues on the pitwall

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG, and colleagues on the pitwall

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Mas há um aspecto que precisa ser ajustado à preferência completa de um indivíduo: e é isso que o piloto gosta e quer ouvir.

Cada engenheiro de pista acaba desenvolvendo sua própria abordagem para lidar; tentando casar o fluxo de informações com a personalidade do cockpit.

Mekies acrescenta: “Nem todos os pilotos desejam a mesma quantidade de informações. Nem todos querem isso ao mesmo tempo, e nem todos querem da mesma maneira.”

“Tem pilotos que querem se motivar, outros que preferem ficar sozinhos. Tem pilotos que sempre pedem tempos por volta, e essa informação ajuda a servir de referência, digamos uma cobrança extra. Mas há outros que preferem uma abordagem mais silenciosa, com comunicações reduzidas ao mínimo.”

“Mas a relação entre o engenheiro e o piloto é fundamental nessa frente, e é preciso entender a abordagem correta para colocar o piloto nas melhores condições.”

“A forma de comunicação, assim como o tom da linguagem, precisa ser entendida no contexto. Às vezes, um diálogo que parece mais animado é voltado para a personalidade do piloto e entregar o que ele precisa para desempenhar da melhor maneira.”

Mas assim como os pilotos estão sob pressão para entregar tudo na pista sem erros, também há uma tolerância mínima para que as coisas deem errado que são esperadas do pitwall. O trabalho de um engenheiro de corrida não é fácil.

“Não é um papel para os fracos”, explicou Mekies. “O desafio é cometer menos erros do que os outros, porque todos os cometem.”

F1: Entenda como CALENDÁRIO de 2022 se tornou o mais INSANO e DESAFIADOR para equipes e pilotos

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #138 – Red Bull não sabe o que fazer contra Mercedes após GP da Turquia?

 

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
F1: Alonso está tão azarado em 2021 como ele mesmo afirma?
Artigo anterior

F1: Alonso está tão azarado em 2021 como ele mesmo afirma?

Próximo artigo

F1: Petronas pode encerrar patrocínio com Mercedes, dizem sites

F1: Petronas pode encerrar patrocínio com Mercedes, dizem sites
Carregar comentários