F1: Alpine faz alerta sobre concessões para entradas de Porsche e Audi

Laurent Rossi quer tratamento justo a novos fabricantes e não algo que possa prejudicar os já existentes

Carregar reprodutor de áudio

O CEO da Alpine, Laurent Rossi, vê com bons olhos a chegada do Grupo VW à Fórmula 1, mas enfatizou que os novos participantes devem receber um tratamento justo para os fabricantes existentes.

A VW anunciou recentemente que Porsche e Audi devem entrar no esporte quando as novas regras de motor forem introduzidas para 2026.

Leia também:

Um novo limite de orçamento da unidade de potência está definido para incluir uma margem extra para novos participantes à medida que desenvolvem seus motores nos próximos três anos, a fim de ajudar a incentivá-los a entrar.

Espera-se que a Porsche e a Audi executem projetos independentes, com o primeiro desenvolvido em conjunto com a Red Bull Powertrains e o último vindo da base da Audi Sport na Alemanha.

Os rivais estão preocupados com uma possível colaboração entre as duas marcas que poderia ajudar ambas a obter mais do valor do limite orçamentário do que de outra forma.

Também há pontos de interrogação sobre qualquer possível transferência de propriedade intelectual da Honda para a Porsche via Red Bull, o que poderia questionar a afirmação do fabricante de Stuttgart de ser um novo participante.

Rossi disse que a chegada das marcas é, em teoria, positiva, mas apenas se não prejudicar os fornecedores de longo prazo.

“Acho legal, acho bom para o esporte”, disse ele ao Motorsport.com. “Mas precisamos realmente prestar atenção em algumas coisas. Precisamos verificar e ter certeza de que duas equipes separadas são duas equipes separadas.

“Precisamos ter certeza de que, se eles estão entrando na arena como equipes, são equipes de fábrica, vem da Porsche, da Audi, da Red Bull ou da Honda? Eles têm tratamento específico ou não? Então, basicamente, o esporte vai ficar melhor ou vai ficar pior?”

Laurent Rossi, CEO, Alpine F1, and Frederic Vasseur, Team Principal Alfa Romeo Racing

Laurent Rossi, CEO, Alpine F1, and Frederic Vasseur, Team Principal Alfa Romeo Racing

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

A Alpine não é a única fabricante com preocupações, já que o chefe da Mercedes, Toto Wolff, e o da Ferrari, Mattia Binotto, compartilharam opiniões semelhantes.

“De repente, para favorecer novos fabricantes, então os titulares ficam um pouco para trás”, disse Rossi.

“E acho que é a mesma preocupação para a maioria das equipes, mas especialmente para nós, como equipe de fábrica, porque investimos literalmente bilhões nos últimos 20 anos, 40 anos, para a Renault em unidades de potência.

“Não é para alguém entrar e ganhar a parte do leão só porque estende o tapete vermelho. Porque está basicamente interrompendo nosso modelo de negócios e colocando muitos empregos em risco."

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #173: Qual tamanho dos problemas de Verstappen e Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

compartilhar
comentários
GP da Emilia Romagna de F1: Horários e como assistir a etapa de Ímola, com a primeira sprint de 2022
Artigo anterior

GP da Emilia Romagna de F1: Horários e como assistir a etapa de Ímola, com a primeira sprint de 2022

Próximo artigo

ANÁLISE: Seria a caixa de câmbio um dos motivos por trás do porposing na F1?

ANÁLISE: Seria a caixa de câmbio um dos motivos por trás do porposing na F1?