Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

F1: Binotto diz que mudança para combustíveis sustentáveis "é um grande negócio"

Categoria terá novas unidades de potência a partir de 2025 que funcionarão com combustíveis 100% sustentáveis

Quão grande será a mudança nas unidades de potência da Fórmula 1? Tão grande quanto a mudança de V8s para híbridos? E embora muitos governos em todo o mundo pareçam falar hoje apenas de carros elétricos como o futuro, quão poderosa será a mensagem da Fórmula 1 de que o futuro dos carros e da mobilidade não precisa ser totalmente elétrico?

Para nos ajudar a responder a isso, falamos com Mattia Binotto, chefe da Scuderia Ferrari e seu parceiro de combustível de F1, István Kapitány, vice-presidente executivo global da Shell para mobilidade.

Leia também:

A grande mudança nos combustíveis está ocorrendo rapidamente. Muitos países introduziram um novo tipo de combustível mais ecológico, o E10, que contém 10% de bioetanol, destilado de material vegetal. No próximo ano, a F1 adotará esse combustível e, em seguida, assumirá a liderança com uma mudança para combustíveis 100% sustentáveis. Se a categoria tiver o seu caminho, a tecnologia desenvolvida na F1 logo encontrará seu caminho para as avenidas e para os bilhões de carros que já circulam pelo mundo.

“Certamente é um grande negócio. É essencial para que o roteiro da Fórmula 1 seja sustentável”, disse Binotto. “A F1 sempre foi uma plataforma de inovação, não apenas em desempenho, confiabilidade e tecnologia, mas pode ser inovação para sustentabilidade. Totalmente elétrico não é a única solução. Acreditamos que existem outras soluções como a hibridização com combustíveis totalmente sustentáveis.”

Charles Leclerc, Ferrari SF21

Charles Leclerc, Ferrari SF21

Photo by: Erik Junius

“Em termos de design de motor, será uma mudança bastante significativa em termos de know-how, acho que ainda haverá muito o que aprender sobre os combustíveis de uma nova geração, combustíveis que hoje não são bem conhecidos no meio do automobilismo . Estamos introduzindo o combustível E10, etanol 10% em 2022. Mas o que obteremos nos próximos cinco anos certamente é muito diferente da primeira etapa de etanol 10%. É divertido porque você tem o desafio e é uma curva de aprendizado, mas é inovação. O desafio é obter o máximo desempenho de um produto totalmente sustentável. A dificuldade será tentar ser o melhor porque é um ambiente competitivo e a competição tem tudo a ver com vantagens relativas.”

Houve reações mistas dos fãs de F1 quando os híbridos foram introduzidos em 2014, a principal reclamação sendo em torno do ruído menos impactante que os motores faziam. Essa narrativa mascarou a impressionante história de inovação de que os motores de F1 se tornaram mais de 50% termicamente eficientes, os mais altos de todos os motores do mundo. Então, que mudança os fãs perceberão em 2025?

“Acho que não será visível de fora”, disse Binotto. “Ao passar do V8 para o V6 híbrido, o som mudou na época. Mas se você olhar para o formato dos carros, não acho que para os fãs isso mudou muito. E se você considerar a fonte de alimentação que temos hoje, híbrida, de eficiência térmica muito alta, não acho que os fãs estejam totalmente cientes disso, e acho que caberá a nós explicar e enfatizar as realizações sobre os combustíveis sustentáveis. Então, em termos de mudança, acho que para os técnicos, as equipes, para os fabricantes de unidades de potência, será uma grande mudança e um grande desafio. Mas não acho que será tão visível para os fãs.”

“Avanços incríveis em tecnologias de bateria foram alcançados nos últimos anos”, disse Kapitány. “Mas os combustíveis líquidos têm uma densidade de energia maior, dando-nos uma tremenda oportunidade de produzir alto desempenho. Essa é uma das razões pelas quais é importante para nós trabalharmos em conjunto com a Ferrari.

“Para chegar a um combustível sustentável, existem diferentes maneiras. E a Fórmula 1 é o ambiente de teste certo para esses tipos de atividades. Já estamos produzindo etanol de segunda geração em quantidade comercial. Não é produzido com a parte comestível da cana, mas com as sobras agrícolas. Também temos uma solução patenteada chamada IH2 Technology, que produz combustíveis de qualidade a partir de resíduos agrícolas ou domésticos. E não somos estranhos a e-fuels, combustíveis sintéticos, componentes sintéticos e também o poder dos líquidos.”

“Os combustíveis sustentáveis ​​representam outra alternativa aos EVs. Os EVs são muito bons, estão vindo e farão parte do portfólio. Mas também precisamos ter certeza de que estamos oferecendo soluções diferentes, um mosaico de soluções para nossos clientes e é por isso que temos tanta vontade de trabalhar neste mundo.”

Então, quais são as próximas etapas? “Próximas etapas em termos de roteiros”, disse Binotto, “Estamos trabalhando em estreita colaboração com a FIA, F1, as outras equipes e fornecedores, juntamente com a Shell em nosso caso para garantir que estamos projetando as especificações e regulamentações corretas para um combustível sustentável para 2025. Estamos trabalhando muito nesse ponto porque entendemos a urgência disso, e entendemos como é importante para o futuro do automobilismo também.”

compartilhar
comentários
F1: Após confirmação de Russell na Mercedes, confira grid de 2022 até o momento

Artigo anterior

F1: Após confirmação de Russell na Mercedes, confira grid de 2022 até o momento

Próximo artigo

F1 - Latifi brinca com 'abandono' de Russell: "Nossas férias não valeram nada?"

F1 - Latifi brinca com 'abandono' de Russell: "Nossas férias não valeram nada?"
Carregar comentários