F1: Circuito de Istambul passa por medidas pró-aderência para evitar 'fiasco' de 2020; entenda

Pista foi muito criticada pelos pilotos no GP da Turquia do ano passado por recapeamento recente, deslizes e dificuldade para aquecer os pneus

F1: Circuito de Istambul passa por medidas pró-aderência para evitar 'fiasco' de 2020; entenda
Carregar reprodutor de áudio

Espera-se que o local do próximo GP da Turquia de Fórmula 1 dê aos pilotos mais aderência, depois de medidas tomadas desde a corrida do ano passado. Não tendo sido usado para a F1 desde 2011, o autódromo ressurgiu em 2020 como parte dos preparativos para o retorno do esporte.

No entanto, o trabalho foi concluído apenas algumas semanas antes da prova. Os pilotos lutaram para não escorregar na nova superfície com os compostos secos mais duros da Pirelli, pois não conseguiam manter a temperatura em seus pneus. E o problema foi agravado pela forte chuva que atingiu a qualificação e a corrida.

Leia também:

A empresa italiana disse que teria feito escolhas de compostos mais macios se soubesse a tempo que o recapeamento estava em andamento.

O diretor de corridas da FIA, Michael Masi, informou recentemente às equipes de F1 que, como parte de um pacote de atualizações "toda a superfície da pista foi tratada para aumentar o nível de aderência", uma mudança que vem em cima do desgaste natural da nova superfície.

Isso criará um desafio extra para as equipes, pois os dados que coletaram no ano passado serão agora menos relevantes.

"Enviamos regularmente a cada temporada atualizações para as escuderias sobre quaisquer mudanças no circuito para os próximos eventos", disse Masi. "Sejam barreiras, proteções, o que for. Podem ser áreas de recapeamento. Então sim, a superfície na Turquia foi efetivamente bombardeada."

"Vimos Singapura como exemplo, onde as ruas públicas que são usadas no circuito renovam com bastante regularidade por causa do movimento. Isso é o que aconteceu lá, junto com algumas outras mudanças."

Questionado sobre se o circuito estava errado em 2020, Masi respondeu: "Acho que foi apenas uma questão de tempo no ano passado, dissemos isso na época. Eles corrigiram isso de acordo."

Sebastian Vettel, Ferrari SF1000, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16

Sebastian Vettel, Ferrari SF1000, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Depois da corrida do ano passado, o diretor da F1 Ross Brawn disse que a falta de aderência foi um bom desafio para os pilotos.

"Eu aprecio que eles não tenham ficado satisfeitos com os níveis gerais de aderência", comentou na época. "Foi uma consequência da decisão tardia de correr lá, pois o calendário foi revisado para responder à Covid-19."

"Acho que os pilotos às vezes precisam se lembrar que é uma competição de quem cruza a linha primeiro, então, embora as condições não fossem as melhores, eram as mesmas para todos."

"Alguns motoristas baixaram a cabeça e aceitaram, outros acharam que era um problema. Ter uma superfície desafiadora como a do fim de semana não foi ruim. Mostrou o talento do piloto ao máximo. Não acho que os níveis de aderência sejam uma medida do nível de competição que você terá."

TOP 10: As vitórias mais ÉPICAS e DRAMÁTICAS de HAMILTON na F1

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #133: O que poderia ser melhorado no documentário sobre Schumacher?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Hamilton compara Bottas a Alonso, Rosberg e outros companheiros
Artigo anterior

F1: Hamilton compara Bottas a Alonso, Rosberg e outros companheiros

Próximo artigo

F1: Ferrari introduzirá quarto motor em carro de Sainz no GP da Turquia, que sofrerá punição

F1: Ferrari introduzirá quarto motor em carro de Sainz no GP da Turquia, que sofrerá punição
Carregar comentários