F1: Entenda como teto orçamentário fez Mercedes desistir dos testes da Pirelli com pneus de 2022

Decisão da escuderia alemã deixou a Pirelli preocupada com impacto potencial em seu programa de desenvolvimento de pneus nas próximas temporadas

F1: Entenda como teto orçamentário fez Mercedes desistir dos testes da Pirelli com pneus de 2022

A decisão da Mercedes de desistir do teste de pneus de 18 polegadas da Pirelli, na próxima semana, em Paul Ricard, deixa em destaque as restrições de orçamento da Fórmula 1.

Depois que Valtteri Bottas se envolveu em um grande acidente em Ímola, a equipe alemã destacou que o custo dos danos pode comprometer o desenvolvimento no final da temporada, e desistir de um teste de pneu é mais uma evidência de como os times do topo agora estão tendo que responder por cada dólar que gastam.

Leia também:

Mesmo um “crédito” de limite de orçamento de US $ 400.000 ( aproximadamente 2,127 milhões de reais) pela participação no teste da Pirelli não foi suficiente para a Mercedes justificar o envio de seu carro-teste e uma tripulação para a França.

O teste de Ricard de dois dias, para pneus de chuva, foi uma das três sessões que a Mercedes concordou inicialmente em fazer enquanto as equipes ajudavam a Pirelli a aperfeiçoar seus novos produtos de 18 polegadas.

A Ferrari entrou em cena e cobrirá a sessão de pneus de chuva da próxima semana. No entanto, a decisão da escuderia alemã deixou a Pirelli preocupada com o impacto potencial em seu programa de desenvolvimento de pneus nas próximas temporadas.

O teste de pneus foi um dos tópicos que surgiram quando os detalhes dos novos regulamentos financeiros da F1 de 2021 estavam sendo discutidos. Ficou acordado que, a fim de reduzir os custos, qualquer equipe participante seria capaz de abater $ 200.000 (aproximadamente R$1.064.000) de seu gasto total no ano para cada dia de corrida.

Um “crédito” de $ 400.000 (aproximadamente 2,127 milhões de reais) para o teste de Paul Ricard de dois dias parece um compromisso decente. No entanto, a Mercedes está tão perto do limite de orçamento total de US $ 145 milhões (R$ 771 milhões) para 2021 que ainda não conseguiu justificar a realização - e por algumas razões específicas.

Em primeiro lugar, no meio de uma movimentada temporada de 23 etapas, a escuderia geralmente planejava usar mecânica de sua equipe de demonstração ou carro antigo para cobrir os caras da corrida regular. Essas pessoas não estão dentro do limite de custo.

Eles podem contribuir em alguns dias com as atividades atuais - mas se isso ultrapassar 10% de suas horas, todo o seu salário ficará abaixo do limite e, portanto, será alocado para os gastos anuais. Os requisitos de quarentena no retorno ao Reino Unido aumentam a complexidade de enviar uma equipe apenas para o teste.

Valtteri Bottas, Mercedes F1 AMG

Valtteri Bottas, Mercedes F1 AMG

Photo by: Mercedes GP Petronas Formula One Team

O segundo problema são os custos do motor. Enterrado nos regulamentos esportivos da F1 2021, chamado “perímetro de suprimento da Unidade de Potência”, está uma referência pouco conhecida à quilometragem total de teste para o ano.

Em essência, ele afirma que a conta anual de empréstimo de PU (unidade de potência) de uma equipe cobre dois carros para a temporada, além de até 5.000 km de testes. Ele acrescenta: "PUs adicionais ou sobressalentes necessários para substituir unidades fora de serviço devido a danos de acidente ou outra causa induzida pelo concorrente estarão fora do perímetro de abastecimento e incorrerão em custos adicionais."

Em outras palavras, o custo de aluguel da unidade de energia que as escuderias declaram em suas despesas anuais inclui apenas 5.000 km de teste. Se você for além disso, os custos extras de PU devem ser adicionados aos seus gastos, levando-o cada vez mais perto do limite máximo.

Este ano, a Mercedes já realizou três dias de testes no Bahrein, dois dias curtos de filmagem de 100 km e dois dias de pneus de 18 polegadas para a Pirelli em Ímola. O time ainda terá que fazer o teste de pneus de Budapeste, e, depois, o de Abu Dhabi após a última corrida.

Se a escuderia corresse em Paul Ricard por dois dias na próxima semana, excederia os 5000 km no ano, gerando custos extras de PU que seriam adicionados ao gasto total da campanha.

“Estamos tentando estabelecer o limite do orçamento, o que não é trivial”, disse o chefe da equipe alemã, Toto Wolff, na quinta-feira.

“Não poderíamos arcar com os custos relacionados ao teste de pneus e não teríamos sido capazes de enviar nossos mecânicos em uma jornada tão longa.”

Vale ressaltar que em 2021 essa situação de quilometragem realmente impactou a Mercedes e a Ferrari, já que elas são as únicas equipes que se ofereceram originalmente para fazer cinco dias de testes da Pirelli. O outro time importante que está chegando perto do limite é a Red Bull, que optou por fazer três dias.

A Ferrari agora aumentou seu compromisso total com a Pirelli para sete dias e, portanto, encontrou uma maneira de absorver os custos extras do motor dentro de teto de gastos.

Além disso, a Scuderia está em uma situação diferente da Mercedes no que diz respeito à mecânica, na medida em que usa os membros da equipe de corrida - sua equipe irá direto de Mônaco para Paul Ricard na próxima semana. Assim, não entra na circunstância complexa de todo o salário anual dos funcionários que não são da F1 subitamente ficando abaixo do limite.

A decisão do time de Maranello também indica que a equipe está disposta a correr todas as voltas que puder com a borracha de 18 polegadas, pois sempre há algo a se aprender, mesmo com um carro de testes.

“Como Ferrari, sempre dissemos que 2022 é de alguma forma nossa prioridade em relação a 2021”, disse o chefe da equipe Mattia Binotto. “E testar os pneus da Pirelli, ajudando a Pirelli a desenvolver os novos pneus que acreditamos ser importantes para nós."

“Felizmente não tivemos um acidente em Ímola, e, eventualmente, temos um pouco mais de contingência para a Mercedes hoje, então de alguma forma estamos felizes em aceitar e apoiar.”

Mario Isola, Racing Manager, Pirelli Motorsport and Mattia Binotto, Team Principal Ferrari

Mario Isola, Racing Manager, Pirelli Motorsport and Mattia Binotto, Team Principal Ferrari

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Alguns dias de testes sendo trocados para outra equipe talvez não seja um grande problema no esquema geral das coisas. No entanto, o significado é o que a decisão da Mercedes diz sobre o limite do orçamento e o quanto isso já está impactando as operações das grandes escuderias.

Vale lembrar que o teto orçamentário cai para $ 140 milhões (R$ 745 milhões) em 2022 e, em seguida, $ 135 milhões (R$ 718 milhões) em 2023, portanto, equilibrar as contas se tornará mais difícil.

E esse é um problema potencial para a Pirelli, porque a empresa planeja executar um programa completo de testes de desenvolvimento no próximo ano, conforme aperfeiçoa seus pneus de 18 polegadas para sua segunda campanha em 2023.

A preocupação é que, especialmente com dias extras de testes de inverno prováveis para aumentar sua milhagem anual, os times principais podem achar difícil justificar o envolvimento no programa da fabricante de pneus.

"Quando a Mercedes veio até mim dizendo que poderíamos ter um problema com o teste dos pneus, foi uma surpresa", disse o chefe da Pirelli na F1, Mario Isola.

“Obviamente, estou conversando com a FIA para discutir isso, porque se for um problema neste ano, provavelmente será um problema também no ano que vem, e temos que encontrar a solução."

“No próximo ano, eles vão usar carros de corrida. Portanto, preciso entender como isso afetará os testes de pneus”.

Isola disse que a Pirelli é sempre flexível, razão pela qual trocar pela Ferrari não foi um grande problema.

“Este ano, como de costume, fizemos um plano com um rodízio”, observou. “Oferecer a prova a todas as equipes, como fazemos todos os anos. Todas as equipes, exceto Williams, decidiram fazer um carro de testes. Então havia um plano já combinado com todos."

“Agora com esta decisão da Mercedes, felizmente encontramos a disponibilidade da Ferrari para este teste molhado, para que possamos continuar nosso plano de desenvolvimento, como estava previsto, desde o início da temporada."

“Estamos sempre prontos e precisamos ser reativos, mas o teto orçamentário é algo novo. Por causa da pandemia e por causa das mudanças no calendário, eu diria que já estamos prontos para reagir a uma situação semelhante. Mas essa situação relacionada ao limite orçamentário foi uma surpresa para mim. ”

Valtteri Bottas, Mercedes F1 AMG

Valtteri Bottas, Mercedes F1 AMG

Photo by: Mercedes GP Petronas Formula One Team

Isola concordou que, embora já exista um "crédito" diário de $ 200.000 (aproximadamente R$1.064.000), outras medidas precisam ser tomadas para garantir que as equipes possam participar dos testes da Pirelli sem se preocupar com as consequências no teto orçamentário.

“O teste de pneus da Pirelli tem que ser neutro para as equipes”, disse.

“As equipes estão focadas nas restrições devido ao limite de orçamento, estão trabalhando em torno disso. Mas os testes de pneus da Pirelli não deveriam estar nesta equação. Não estou dizendo que seja fácil fazer uma regra para isso, precisamos discutir o assunto."

"Se houver essa implicação no limite de custo, temos que encontrar uma solução. É um mundo dinâmico. Portanto, a cada dia há algo novo e, com certeza, encontraremos a solução também para isso."

O teste de Paul Ricard da próxima semana é importante para a fabricante, já que é um dos três únicos dedicados aos testes molhados/intermediários em uma pista encharcada artificialmente.

O primeiro foi com a Ferrari em Jerez em fevereiro e o terceiro será com a Alpine em Magny-Cours em setembro.

A Scuderia agora também tem os dias originalmente atribuídos à Mercedes e, portanto, será responsável por dois terços dos testes de pneus de chuva de 2022 da Pirelli. Será interessante ver se esse conhecimento extra se mostra vantajoso caso chova em algum momento da próxima temporada ...

F1 2021: VERSTAPPEN vence em MÔNACO e assume a liderança em dia de PESADELO para HAMILTON | PÓDIO

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #105 – O GP de Mônaco ainda é o ponto alto da F1?

 

compartilhar
comentários
RETA FINAL: Clima esquenta entre Hamilton, Verstappen e RBR após Mônaco; veja debate

Artigo anterior

RETA FINAL: Clima esquenta entre Hamilton, Verstappen e RBR após Mônaco; veja debate

Próximo artigo

F1: Entenda como Vettel conseguiu se redimir em Mônaco

F1: Entenda como Vettel conseguiu se redimir em Mônaco
Carregar comentários