F1: Entenda por que o pit stop de Bottas acabou tendo 43 horas de duração

Mercedes teve que esperar até que o carro do finlandês estivesse de volta à fábrica na manhã de terça-feira para retirar a roda

F1: Entenda por que o pit stop de Bottas acabou tendo 43 horas de duração

O GP de Mônaco de Fórmula 1 chegou ao fim de forma precoce para Valtteri Bottas quando um pit stop apresentou problemas, e sua roda dianteira direita só pôde ser removida dois dias depois.

A Mercedes teve que esperar até que o carro do finlandês estivesse de volta à fábrica na manhã de terça-feira para tirar a roda - mais de 43 horas após o início do pit stop.

Leia também:

Então, o que deu errado para a equipe alemã e o que há de tão especial no equipamento que as escuderias estão usando para quebrar a barreira dos dois segundos nas paradas?

Na verdade, é a maneira como os pit stops se tornaram tão rápidos que está por trás do motivo pelo qual as coisas foram tão desastrosas para o Bottas.

Detalhes do pitstop

A Mercedes tem 20 mecânicos disponíveis nesta parada específica (abaixo): três para cada roda - um no manuseio da pistola, um tirando a roda gasta, um colocando a nova roda, um em cada macaco na frente e atrás, um em cada macaco extra na frente e atrás, um de cada lado do meio do carro caso seja necessário intervir, um na placa de freio com manivela manual e um observador chefe.

Lewis Hamilton, Mercedes W12 pitstop

Lewis Hamilton, Mercedes W12 pitstop

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

Mais dois mecânicos podem ser adicionados se um ajuste da asa dianteira também precisar ser feito (veja abaixo).

Em meio a esse mar de gente está o piloto, esperando para ter as rodas e pneus trocados, quaisquer ajustes da asa dianteira feitos, ser retirado dos macacos e ir seguir.

No entanto, antes que isso aconteça, eles devem desacelerar o carro e acertar sua posição com absoluta precisão, pois alguns centímetros fora e eles estarão perdendo tempo - os mecânicos teriam que se mover para compensar.

Lewis Hamilton, Mercedes W12 pitstop

Lewis Hamilton, Mercedes W12 pitstop

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Para Mercedes e Bottas, parece que estar um pouco fora da posição foi o gatilho para a série de problemas em Mônaco, quando o finlandês parou um pouco antes de seu marcador principal.

Os mecânicos, então, se moveram, mas podem ter ultrapassado inadvertidamente, com o mecânico da roda dianteira direita chegando muito perto da nova roda, deixando o operador da pistola sem o espaço necessário.

Isso fez com que o operador da pistola colocasse a ferramenta em uma posição quase horizontal, ao invés do ângulo de 45-60 graus (veja abaixo). O que significava que além de não estar alinhado com a porca corretamente, não era capaz de aplicar a força que normalmente faria.

Com a pistola fixada à porca em um ângulo, o impacto entre a pistola e a porca levou à usinagem do metal.

Valtteri Bottas, Mercedes W12 pitstop

Valtteri Bottas, Mercedes W12 pitstop

Photo by: Motorsport Images

Horas após o fim da prova, os mecânicos seguiam tentando remover a roda. O problema é que na hora da parada, o canhão de ar acabou arrancando parte da roda devido ao seu ângulo de entrada, o que impediu a remoção. 

Pistola de roda

Você deve ter notado durante essa sequência de eventos que o operador da pistola aparentemente também deu vários socos na lateral da ferramenta.

Esta não foi uma resposta raivosa, mas sim o uso do lançamento direcional do canhão, que muda automaticamente de direção quando é girado.

Isso permite uma parada mais rápida em condições normais. No entanto, quando uma situação como essa ocorre, eles devem substituir manualmente a pistola. 

A empresa italiana Paoli fornece a toda o grid suas pistolas de rodas, que pesam cerca de 4 kg e embalam em torno de 4000 nm de torque.

Mas isso não quer dizer que sejam todos iguais, já que cada equipe não só faz uma seleção da extensa oferta de Paoli, mas também os personaliza para atender às suas necessidades com base em suas outras escolhas de equipamento, ergonomia e, o mais importante - a busca incessante por performance.

Aqui, então, veremos como cada equipe adaptou as ferramentas para melhor se adequar a elas.

Mercedes pitstop detail

Mercedes pitstop detail

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

A pistola de rodas da Mercedes tem uma empunhadura moldada no topo, com os mecânicos optando por segurar a ferramenta de lado quando estão em operação. Ele ainda tem o lançamento direcional mais convencional, mas seu design não é inteiramente padrão, com uma aba traseira e borda plana.

Red Bull pit crew wheel gun operator

Red Bull pit crew wheel gun operator

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

A personalização da pistola de roda da Red Bull claramente tem que estar no 'topo do jogo', com a equipe capaz de alcançar menos de dois segundos na parada. Podemos ver a cobertura de carbono e o sistema de luz em cima da arma.

Red Bull Racing wheel gun detail

Red Bull Racing wheel gun detail

Photo by: Red Bull Content Pool

Do lado de baixo, podemos ver como a cobertura de carbono é esculpida e não apenas um botão fica ao lado dos dedos mecânicos, mas também uma chave seletora para ser ativada. Curiosamente, eles também não parecem ter a lançamento tradicional na traseira da pistola.

Ferrari wheel gun detail

Ferrari wheel gun detail

Photo by: Motorsport Images

A Ferrari tem um 'corpo' vermelho em sua arma, embora opte por não ter um punho superior abertamente esculpido.

Você notará que eles também têm uma cobertura de carbono sobre o lançamento para evitar que o mecânico o use inadvertidamente, enquanto a chave oscilante perto do dedo do mecânico provavelmente envia um sinal para o sistema de luz.

Mclaren wheel gun detail

Mclaren wheel gun detail

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

A ferramenta da McLaren tem um contorno esculpido para envolver o 'corpo principal' da pistola e torná-la mais ergonômica para o usuário. Observe também a ferramenta de extração manual e a porca que os mecânicos têm à mão caso as linhas para sua seção do pórtico falharem.

Esteban Ocon, Alpine A521 pitstop

Esteban Ocon, Alpine A521 pitstop

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

A arma da Alpine tem um corpo personalizado, mas não tem um contorno tão grande para a ergonomia como algumas de suas rivais. O lançador possui um grande disco na extremidade para que possa ser acionado rapidamente e sem erro pelo mecânico.

Aston Martin wheel gun detail

Aston Martin wheel gun detail

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

A pistola de roda do Aston Martin, talvez sem surpresa, é bastante semelhante à ferramenta da Mercedes.

AlphaTauri wheel guns

AlphaTauri wheel guns

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

A AlphaTauri não tinha coberto suas pistolas extras quando esta foto foi tirada, dando-nos uma visão ideal da ferramenta de vários ângulos. Você notará que eles têm seu lançador direcional exposto e um disco maior na extremidade para ativar a direção do pistola.

Alfa Romeo Racing wheel gun detail

Alfa Romeo Racing wheel gun detail

Photo by: Alfa Romeo

A pistola da Alfa Romeo tem uma seção na qual a mão do mecânico pode encostar para segurá-la corretamente, enquanto um lançamento convencional ainda está em operação. Um interessante sistema também é usado pelo mecânico na mão de apoio.

George Russell, Williams FW43B pitstop

George Russell, Williams FW43B pitstop

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

A ferramenta da Williams não tem o contorno extremo no punho.

Wheel guns in the pit lane

Wheel guns in the pit lane

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

A Haas tem uma abordagem relativamente simplista, com um punho ergonômico adicionado ao cano para a mão de apoio, a única personalização real.

A porca cativa

As equipes de F1 mudaram para um sistema de porca de roda cativo há cerca de uma década, não apenas para ajudar a melhorar os tempos de pit stop, mas também para trabalhar em conjunto com os sistemas introduzidos para fins de segurança.

É claro que, assim como as pistolas de rodas, cada equipe tem seu próprio design, com as saliências na porca projetadas para trabalhar suas pistolas para tentar evitar o desalinhamento.

Mercedes wheel nut comparison

Mercedes wheel nut comparison

Photo by: Uncredited

As porcas de roda são consideradas um item perecível em muitos aspectos, já que as forças que agem sobre elas significam que sua integridade está comprometida, como James Vowles explica no vídeo de apresentação da Mercedes em Mônaco.

"É uma força de impacto, e o que acontece é que a porca normalmente se solta em quatro ou cinco impactos contra ela, em uma ação de martelar", disse.

"Agora o que aconteceu é que chegamos ligeiramente inclinados, então quando o soquete estava agora conectado à porca, estava ligeiramente inclinado em relação a ela e, como resultado disso, em vez de distribuir a carga por toda a porca, foi através de uma pequena seção e isso danificou o metal."

A escassez de problemas durante as paradas sugere que, em geral, as escuderias têm um bom controle sobre o projeto e os procedimentos para um pit stop bem-sucedido.

Os pequenos detalhes do que deu errado para o time alemão - incluindo Bottas estar um pouco fora de posição - serão levados em consideração para garantir que não haja repetição.

CONHEÇA a SAGA da roda de BOTTAS que causou MAIOR 'pit stop' da HISTÓRIA da F1 e envolveu FERRARI

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: O que a liderança inédita de Verstappen representa na F1?

 

compartilhar
comentários
F1: Red Bull ameaça protestar contra asa dianteira da Mercedes em Baku como retaliação

Artigo anterior

F1: Red Bull ameaça protestar contra asa dianteira da Mercedes em Baku como retaliação

Próximo artigo

F1: Mercedes diz que precisa descobrir por que Mônaco é sempre "calcanhar de Aquiles"

F1: Mercedes diz que precisa descobrir por que Mônaco é sempre "calcanhar de Aquiles"
Carregar comentários