F1 - Ferrari e Mercedes se mantêm céticas com novo regulamento: "Vamos esperar para ver na pista"

Chefes das equipes ainda não garantem se carros de 2022 permitirão mais ultrapassagens e batalhas próximas e preferem esperar pela pré-temporada

Charles Leclerc, Ferrari SF21, Lewis Hamilton, Mercedes W12

Mark Sutton / Motorsport Images

Os chefes de Mercedes e Ferrari, Toto Wolff e Mattia Binotto, estão céticos de que os novos carros da Fórmula 1 produzirão corridas melhores e ultrapassagens mais fáceis – principais objetivos da revisão das regras para 2022.

O grid da categoria vem realizando eventos de lançamento e shakedown inicial nas últimas semanas, com suas abordagens iniciais aos regulamentos baseados no efeito solo que a Liberty Media, proprietária da F1, introduziu para 2021 e foi atrasado em um ano como economia de custos durante a pandemia de Covid-19.

Leia também:

O pensamento por trás da maior mudança de regras em uma geração de máquinas de divisão era ter projetos de carros que reduzissem o problema do 'ar sujo' que há muito dificulta as ultrapassagens para os pilotos, pois eles não conseguem seguir de perto seus rivais, bem como reduzir as lacunas de desempenho geral entre as equipes.

Falando à mídia no lançamento do W13, carro da Mercedes para 2022, na última sexta-feira (18), Wolff disse: "Em termos de meu otimismo de [as novas regras] melhorarem as corridas, a verdade é que não tenho ideia".

"O conceito dos carros – aerodinamicamente – é fundamentalmente diferente do que conhecemos. E somente quando competirmos uns contra os outros veremos se ficou mais fácil ou não. Acho que quem prevê nessa fase que as ultrapassagens serão mais fáceis é ousado."

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Photo by: Mercedes AMG

Binotto teve opinião semelhante no evento de lançamento do F1-75, monoposto da Ferrari, na quinta-feira, embora tenha insistido que pode estar "completamente errado".

"Precisamos esperar e ver [se melhorou] na pista", comentou o italiano. "Acho que por simulação ou dados de túnel de vento é muito difícil julgar. Os carros ainda estão desenvolvendo uma grande quantidade de downforce e desempenho. Então, não espero muitas diferenças para o ano passado, mas posso estar completamente errado."

"Novamente, apenas a pista pode nos dizer se houve uma melhoria ou não. Vamos esperar alguns dias – na próxima semana [no primeiro teste em Barcelona], Bahrein [segundo teste] e acho que teremos uma resposta melhor."

Carlos Sainz, piloto da Ferrari, sugeriu que sua equipe pode passar parte do tempo de testes seguindo carros rivais para entender o impacto da nova aerodinâmica.

"Acho que precisamos de um pouco de quilometragem no circuito, talvez durante os testes, para avaliar isso", afirmou. "Será um tópico que perseguiremos na pré-temporada – passar algum tempo talvez atrás de outros apenas para ver como está."

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Photo by: Ferrari

MERCEDES nova, Red Bull/PORSCHE, Ferrari 2022 NA PISTA e a importância do 'SUMIÇO' de Hamilton da F1

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #162: Quais outras rivalidades podem implodir na F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Michael Andretti entra com pedido para ter equipe em 2024
Próximo artigo ANÁLISE: Detalhes técnicos mais notáveis no W13, carro da Mercedes para a F1 2022

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil