Fórmula 1 Lançamento Ferrari

F1: Ferrari revela qual foi a maior mudança no carro de 2023

Enrico Cardile, chefe da área de chassi, comentou também como o teto orçamentário também interferiu no desenvolvimento do SF-23

Ferrari SF-23

O chefe da área de chassi da Ferrari, Enrico Cardile, disse que a suspensão dianteira do novo SF-23 representa a maior mudança em relação ao seu antecessor na Fórmula 1.

Embora o design revisado da asa dianteira tenha inevitavelmente atraído muita atenção, Cardile falou que a suspensão foi alterada para benefício aerodinâmico e para fornecer uma maior variedade de ajustes de configuração nos fins de semana de corrida.

Leia também:

O SF-23 fez sua estreia em Fiorano nesta terça-feira, quando Charles Leclerc deu suas primeiras voltas de teste.

“O carro de 2023 é uma evolução daquele que corremos no ano passado”, disse Cardile em um vídeo divulgado pela equipe.

“Mas, na realidade, tudo foi completamente redesenhado. No lado aerodinâmico, nosso objetivo era duplo - aumentar a força descendente vertical e compensar o que foi perdido devido aos regulamentos da nova era e, em seguida, atingir as características de equilíbrio que estabelecemos para nós mesmos.

“A suspensão também foi completamente redesenhada, por um lado para ajudar os aerodinâmicos a obter os resultados que procuravam e, por outro, para aumentar a gama de ajustes possíveis no carro na pista.”

Solicitado a detalhar as diferenças em relação ao carro do ano passado, ele disse: “As mudanças mais óbvias no carro estão definitivamente na área da suspensão dianteira, em que passamos de uma configuração com um trackrod alto para um com um trackrod baixo, impulsionados pelas exigências da aerodinâmica.

“A asa dianteira também é diferente, assim como a construção do bico, já que o elemento principal não está mais preso ao nariz, mas sim flutuante.

Ferrari SF-23. detail suspension

Ferrari SF-23. detail suspension

Photo by: Ferrari

“A carenagem é mais uma continuação do que foi feito no ano passado, mas é mais radical.”

Como todas as equipes, a Ferrari teve que levar em conta a mudança de 15 mm na altura do piso exigida pela FIA.

“As regras da nova era introduzidas pela FIA para reduzir o risco de porpoising na pista levaram a uma perda líquida de desempenho aerodinâmico”, disse Cardile.

“Na verdade, uma perda bastante substancial. Em termos de desenvolvimento, o nosso trabalho não foi muito diferente dos anos anteriores. Simplesmente tivemos que adaptar a geometria do carro para atender às novas formas de fluxo geradas por causa dos novos regulamentos”.

Cardile fez uma observação interessante sobre o impacto do limite orçamentário, observando que muito mais itens foram transferidos do ano passado do que no passado, quando as equipes não enfrentavam tais restrições.

“O limite de orçamento teve um efeito indiscutível no desempenho”, observou ele. “Portanto, quando se trata de projetar o carro deste ano, tivemos que levá-lo em consideração.

“A maneira como fizemos isso foi decidir quais áreas do carro tinham pouco ou nenhum valor agregado ao desempenho do carro e, em seguida, tentar manter essas áreas do carro semelhantes às do anterior.

"Em termos numéricos, isso significa que o número de peças transportadas no carro deste ano é o dobro de um carro construído de acordo com os regulamentos anteriores, sem a presença de um limite de orçamento."

Charles Leclerc observou que o carro se comportou de maneira diferente no simulador de Maranello, sugerindo talvez o impacto da suspensão dianteira e as mudanças aerodinâmicas.

“É uma sensação boa”, disse o piloto monegasco. “Sempre precisamos esperar antes de colocar o carro real na pista antes de correlacionar todos os detalhes, mas no simulador parece positivo. Existem algumas diferenças, por isso precisamos adaptar um pouco o estilo de direção.

“Mas no geral, a sensação é boa. Parece que as fragilidades que tínhamos no ano passado estão melhores para este ano, que era o objetivo. Mas ainda precisamos esperar pelas primeiras voltas reais antes de falar.

McLaren-RBR? E a Honda? Carro nasce INCOMPLETO, Alpine VAZA, Aston agressiva e a Williams da F1 2023

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: com 'boom' de montadoras, F1 vive melhor fase da história? 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE: Como McLaren otimizou 'dicas' do carro da Red Bull no MCL60
Próximo artigo F1: Os detalhes do AMR23 da Aston Martin que chamam atenção

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil