Fórmula 1 GP de Singapura

F1: FIA adia divulgação de relatório sobre teto de gastos das equipes

Entidade alega que processo "longo e complexo" ainda está em andamento

Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, Carlos Sainz, Ferrari F1-75, Lewis Hamilton, Mercedes W13, Lando Norris, McLaren MCL36, the rest of the field launch towards the first corner

A FIA confirmou que adiará a liberação dos certificados dos limites de custos da Fórmula 1 até segunda-feira, devido ao “processo longo e complexo que está em andamento”.

Após especulações no fim de semana do GP de Singapura de que duas equipes - Red Bull e Aston Martin - podem ter violado o limite de US$ 145 milhões para 2021, o paddock da F1 aguardava ansiosamente por notícias do órgão regulador da categoria.

Leia também:

A FIA deve emitir certificados de conformidade para as equipes que permaneceram dentro do limite de US$ 145 milhões na quarta-feira, após uma auditoria completa.

Mas em um comunicado divulgado na tarde de quarta-feira, a FIA anunciou que os certificados não seriam divulgados até a próxima semana.

“A FIA informa que a conclusão da análise das apresentações financeiras de 2021 das equipes de Fórmula 1 e a posterior liberação dos Certificados de Conformidade ao Regulamento Financeiro não ocorrerá na quarta-feira, 5 de outubro”, diz o comunicado.

“A análise das apresentações financeiras é um processo longo e complexo que está em andamento e será concluído para viabilizar a liberação dos Certificados na segunda-feira, 10 de outubro.”

Isso significa que a discussão sobre o teto orçamentário deve continuar no fim de semana do GP do Japão, com Red Bull e Aston Martin negando que tenham violado o limite de US$ 145 milhões no ano passado.

O chefe da Red Bull, Christian Horner, disse no domingo que estava "absolutamente confiante" de que a equipe cumpriu os regulamentos financeiros, em meio a pedidos das rivais Ferrari e Mercedes por fortes sanções se esse não fosse o caso.

Horner já havia chamado seus rivais por fazer alegações “difamatórias” sobre o assunto, que o colega da Mercedes, Toto Wolff, descartou como “ruído”.

Qualquer equipe que ultrapasse o limite orçamentário em menos de 5% - cerca de US$ 7 milhões em 2021 - seria considerada uma violação menor, com sanções que variam de uma reprimenda a deduções de pontos.

Uma violação além da marca de 5% é considerada uma violação material, que pode ser penalizada com exclusão do campeonato, dedução de pontos, redução de custos ou limitações de testes.

No comunicado divulgado na quarta-feira, a FIA repetiu seu comentário observando “especulação e conjecturas significativas e infundadas” sobre o teto orçamentário.

“A FIA reitera que, até que seja finalizado, nenhuma informação adicional será fornecida”, acrescentou o comunicado. “A FIA também reitera que qualquer sugestão de que o pessoal da FIA divulgou informações confidenciais é igualmente infundada.”

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE: Por que o teto orçamentário da F1 corre risco de "game over" já em seu primeiro ano
Próximo artigo F1: Vettel questiona educação que Max Verstappen recebeu de Jos

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil