F1: FIA introduz inspeções mais rígidas em 2021; entenda

Carros serão selecionados aleatoriamente para análises mais profundas depois das corridas

F1: FIA introduz inspeções mais rígidas em 2021; entenda

No GP do Bahrein, corrida de abertura da temporada de 2021 da Fórmula 1, o departamento técnico da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) apresentou um novo equipamento para controlar os regulamentos técnicos cada vez mais complexos da categoria.

Depois de cada corrida, a FIA selecionará um carro aleatoriamente e o sujeitará a um nível mais profundo de verificações e análises do que normalmente acontece, com foco em áreas específicas.

Leia também:

As equipes têm a confiança de que apresentam máquinas que são totalmente legais e, de fato, os regulamentos esportivos da F1 observam que "os competidores devem garantir que seus carros cumpram as condições de elegibilidade e segurança durante cada sessão de treinos e corrida" e que "a apresentação de um carro para verificação inicial será considerada uma declaração implícita de conformidade. "

Os modelos não são examinados detalhadamente todo final de semana. Após a corrida no Bahrein, todos os carros foram pesados e submetidos a uma série de testes relacionados ao funcionamento de suas unidades de potência durante a prova.

No entanto, apenas o Red Bull de Sergio Pérez e o AlphaTauri de Yuki Tsunoda foram submetidos a extensas verificações. Além disso, nove carros foram verificados especificamente quanto ao consumo de óleo, e amostras de óleo foram retiradas dos monopostos de Lewis Hamilton e de Max Verstappen. O carro de Hamilton também doou uma amostra de combustível.

O que não foi visto até agora nas verificações pós-corrida ou em qualquer outro momento durante o final de semana, é a FIA se aprofundando ainda mais nas análises dos carros e desmontando componentes específicos para uma investigação mais detalhada.

A mudança de filosofia é tão significativa que foi revelada às escuderias em uma diretriz técnica e depois explicada ao resto do mundo por meio de uma nota dos comissários do GP do Bahrein.

Ferrari mechanics in the garage with one of their cars

Ferrari mechanics in the garage with one of their cars

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

"A razão para este processo é porque obviamente os carros estão se tornando cada vez mais complicados e muito difíceis de desmontar", disse o chefe do departamento técnico da FIA, Nikolas Tombazis.

"Além disso, em um final de semana de corrida, há poucas oportunidades, ou nenhuma oportunidade, para realmente entrar em detalhes."

“Todas as equipes desconfiam profundamente de seus rivais e pensam, bem, talvez a equipe X ou Y esteja fazendo algo. E tenho certeza de que talvez algumas coisas possam ter acontecido debaixo do nosso radar."

"Não temos suspeitas nem nada agora, mas pensamos que é uma boa prática começar a verificar os carros um pouco mais detalhadamente."

Para ajudar no processo, a FIA adicionou três funcionários.

Um dos motivos para o aviso é a garantia de que as equipes sempre tenham engenheiros de a disposição que possam atender a todas as dúvidas que surgirem nas inspeções.

“No domingo, após a corrida, eles precisam ter o apoio à base, se necessário”, disse Tombazis. 

“Não queremos que eles nos digam 'John está em um churrasco. Desculpe, não temos o cara.' Queremos que esse cara esteja disponível."

"É claro que esperamos nunca encontrar algo errado, porque não queremos que as pessoas trapaceiem. Mas, na remota chance de que alguém esteja trapaceando, gostaríamos que a equipe, ao iniciar a verificação, nos dissesse se o outro carro é o mesmo, ou não é o mesmo."

"Se tivermos alguma suspeita sobre algum carro, ainda podemos selecionar qualquer outro para fazer o mesmo, isso não muda nosso funcionamento normal de forma alguma. Mas ser aleatório significa que pode teoricamente escolher todos os carros a qualquer momento e portanto, se alguém tiver algo duvidoso, vai pensar duas vezes. "

O que as novas verificações não pretendem revelar é algo semelhante ao maior escândalo técnico do ano passado, a cópia dos dutos de freio da Racing Point:

A mechanic works on the car of Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1

A mechanic works on the car of Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

"Do lado da cópia, fazemos outras verificações para isso. E já fizemos algumas, por exemplo, este ano, e essas são separadas. Não são o que estamos fazendo no domingo à noite."

Como funcionará o processo?

Essencialmente, um número de carro é selecionado. Esse carro será submetido às verificações habituais e, em seguida, será levado de volta à garagem.

“O que aconteceria normalmente é que o carro seria selecionado imediatamente após a bandeira quadriculada e comunicado a todas as equipes”, disse Tombazis.

“Esse carro vai passar rápido pela plataforma e pelas pesagens e pelas verificações normais, para que volte para a garagem da equipe o mais rápido possível."

"Duas ou três pessoas da FIA estarão lá para começar. Depois, o pessoal da FIA que terminar as [verificações] normais pós-corrida irá se juntar a eles. Começará com duas ou três e terminará com cinco ou seis pessoas lá."

O trabalho de desmontar o monoposto será feito pelos próprios mecânicos da equipe.

"Não temos o conhecimento"

"Temos pelo menos duas pessoas em nossa equipe que são mecânicos experientes ou já foram mecânicos. E fizemos isso para ter esse nível mais alto de familiaridade com os carros."

"Mas os carros são bastante especializados hoje em dia e você não pode simplesmente ir lá e desmontar."

A FIA saberá com antecedência quais elementos do carro pretendem abordar.

“Vamos dividir o carro em aproximadamente 20 áreas”, explicou Tombazis. 

"E vamos selecionar dois ou três para verificar cuidadosamente. Conforme construímos um pouco mais de confiança e nos certificarmos de que podemos lidar com isso logisticamente, podemos aumentar."

Carros e equipamentos precisam ser embalados para serem transportados no domingo à noite pós-corrida, e na Europa há sempre uma urgência para colocar os monopostos nos transportadores. Agora, as equipes terão que esperar que o pessoal da FIA termine seu trabalho.

Mechanics push Daniel Ricciardo, McLaren MCL35M, back into the garage

Mechanics push Daniel Ricciardo, McLaren MCL35M, back into the garage

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

“Não há limite de tempo. Portanto, se forem descobertos alguns aspectos profundamente preocupantes, o pior cenário é dizer à equipe: 'Desculpe, você precisa ficar aqui até terminarmos.'

"Claramente, vamos tentar ser razoáveis. E não queremos incomodar o mundo inteiro fazendo-os perder o voo da carga."

"Não colocamos um tempo máximo, mas vamos tentar ser razoáveis e não atrapalhar o cronograma de todos."

Um aspecto intrigante das verificações é que, embora sejam principalmente sobre conformidade técnica, elas também fornecem à FIA informações valiosas relacionadas ao controle do limite de custo.

“Estaríamos fazendo esse trabalho de qualquer maneira, não relacionado ao limite de custo”, explicou Tombazis. 

“No entanto, o que estamos fazendo de forma mais completa durante esse processo é registrar partes do carro."

"As equipes devem declarar em seu limite de custo o estoque que usam. Claramente, um carro tem talvez 15.000 peças. Não podemos verificar 15.000 peças. Mas se uma equipe disser quais são as 15.000 peças que estão no seu carro, podemos verificar 50 componentes aleatórios e ver se eles estão em sua lista"

O carro escolhido após a corrida do Bahrein foi o de Valtteri Bottas, com foco na suspensão.

Uma Mercedes ainda pode ser escolhida aleatoriamente para verificações na próxima corrida ou na corrida seguinte. A FIA também tem o direito de selecionar um segundo carro se tiver um motivo específico para isso.

"Faremos isso em todas as corridas", disse Tombazis. 

"Ocasionalmente, quando estivermos um pouco mais acostumados, podemos escolher dois carros, se necessário. Ou se através do processo aleatório tiver um carro que não foi selecionado por 15 corridas ou algo assim, podemos decidir adicionar e fazer algumas verificações extras. Ou se tivermos suspeitas, ainda podemos decidir fazer as inspeções."

"Mas queremos ter esse aspecto aleatório para que qualquer carro possa ser verificado a qualquer momento. Então, teoricamente, o mesmo carro poderia ser selecionado cinco vezes", concluiu.

ENTENDA em DETALHES como regras de 2021 PUNEM Mercedes e Aston Martin na F1 e saiba o que é o RAKE

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Batalhas entre Hamilton e Verstappen ditarão temporada 2021 da F1?

 

compartilhar
comentários
McLaren: é cedo para julgar impacto das novas regras em carros de baixo rake

Artigo anterior

McLaren: é cedo para julgar impacto das novas regras em carros de baixo rake

Próximo artigo

No detalhe: como as regras de 2021 punem Mercedes e Aston Martin na F1?

No detalhe: como as regras de 2021 punem Mercedes e Aston Martin na F1?
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper