F1: Hamilton diz que FIA ainda não iniciou conversas sobre protesto antirracista no pódio

compartilhar
comentários
F1: Hamilton diz que FIA ainda não iniciou conversas sobre protesto antirracista no pódio
Por:
, Editor

Em Mugello, o hexacampeão mundial vestiu uma camiseta com a mensagem: “Prenda os policiais que mataram Breonna Taylor”

Lewis Hamilton disse que ainda não falou com a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) sobre o uso de uma camiseta em memória à Breonna Taylor em Mugello, mas espera uma decisão nesta sexta-feira. Durante a manifestação antirracismo antes do GP da Toscana, duas semanas atrás, Hamilton estava com uma camiseta com a mensagem: “Prenda os policiais que mataram Breonna Taylor”.

Taylor era uma mulher negra, técnica de emergências médicas em Kentucky, que foi baleada oito vezes pela polícia durante uma investigação em sua casa em março e se tornou uma figura central no atual ativismo antirracismo mundial nos últimos meses.

Leia também:

Hamilton também vestiu a camiseta no pódio após a corrida, o que levou a FIA a começar uma revisão das diretrizes sobre quais declarações podem ser feitas durante tais cerimônias. A FIA sempre manteve a neutralidade em tudo o que faz, conforme detalhado em seus estatutos.

Hamilton confirmou antes do GP da Rússia neste final de semana que ainda não falou com a FIA sobre a camiseta e suas mensagens, mas disse que não se arrepende de usá-la em Mugello.

“Não tenho ideia, não falei com eles”, disse Hamilton. “O que foi realmente positivo foi o apoio que recebi dos fãs. Acho que os fãs têm sido incríveis e não me arrependo de nenhum momento.”

“Eu geralmente sigo meu coração e faço o que eu acho que é certo. Eu fiz algo que nunca aconteceu na Fórmula 1”.

“Obviamente eles podem impedir que isso aconteça indo em frente, mas acho que as pessoas que falam sobre o esporte não ser um lugar para a política, em última instância são questões de direitos humanos, e na minha opinião é algo que devemos buscar.”

“Não sei o que eles vão fazer neste final de semana, mas muitas regras foram escritas para mim ao longo dos anos e isso não me impediu. Mas o que vou fazer é continuar tentando trabalhar com a Fórmula 1 e a FIA para garantir de que a mensagem está certa”.

“Poderia ser melhor? Claro, sempre poderia ser melhor, mas isso faz parte da curva de aprendizado”.

Tanto a F1 quanto a FIA trabalharam com os pilotos para organizar as manifestações antirracismo que aconteceram antes de cada corrida nesta temporada. Hamilton reconheceu que a FIA tem “alguns limites que eles sentem que devem trabalhar”, mas sentiu que era importante ter conversas difíceis para implementar mudanças.

Ele também revelou que está esperando uma palavra da FIA na sexta-feira sobre suas diretrizes para o futuro. “Este é um processo de aprendizagem para todos, porque as pessoas estão satisfeitas com as normas aqui, de como a vida e a sociedade funcionam”, disse Hamilton.

“Mas, no final das contas, o mundo, e a geração mais jovem em particular, está mais consciente de que as coisas não são iguais e as mudanças são necessárias. Portanto, é necessário que conversas com pessoas e coisas como Mugello aconteçam para que as pessoas desencadeiem uma conversa que talvez nunca teria ocorrido se não tivesse acontecido”.

“Então eu não falei com eles. Mas ouvi dizer que amanhã eles sairão com uma nova regra de algum tipo, dizendo o que você pode e não pode fazer”.

“Vou tentar continuar a trabalhar com eles. Se concordo ou discordo é um pouco irrelevante. É apenas tentar encontrar um terreno comum e como podemos fazer isso juntos, talvez”.

“Eu acredito que eles realmente entendem? Eu não sei. Mas talvez no futuro, todos nós tentaremos entender”.

EXCLUSIVO: Para Felipe Massa, ex-rival Lewis Hamilton "tem bom coração, mas não é feliz"

PODCAST: Qual é o limite de Max Verstappen na Red Bull?

 

Rio Motorsports adquire direito de transmissões da F1 para o Brasil por cinco anos

Artigo anterior

Rio Motorsports adquire direito de transmissões da F1 para o Brasil por cinco anos

Próximo artigo

F1: Renault diz que túneis de vento compartilhados ainda permitirão que equipes trabalhem juntas

F1: Renault diz que túneis de vento compartilhados ainda permitirão que equipes trabalhem juntas
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Lewis Hamilton
Autor Luke Smith