F1: Horner acha que motores elétricos "não são caminho certo"; Wolff diz que barulho das unidades "não tem mais relevância"

Chefes de Red Bull e Mercedes discordam sobre futuro das unidades de potência da Fórmula 1, em discussão para os próximos anos

F1: Horner acha que motores elétricos "não são caminho certo"; Wolff diz que barulho das unidades "não tem mais relevância"

À medida que as discussões começam sobre a direção que uma nova geração de unidades de força na Fórmula 1 vai, envolvendo os membros do Grupo VW Porsche e Audi, o plano provisório é manter o conceito híbrido existente. No entanto, os motores funcionarão com combustível totalmente sustentável e o aumento de energia elétrica em oferta será maior.

A Red Bull tem questionado se é esse o caminho certo, com o chefe da equipe Christian Horner sugerindo que um mecanismo de alta potência alimentado por combustível sustentável seria bom para o ambiente e popular com os fãs.

Leia também:

Falando no GP da Inglaterra, ele disse: “Eu acho que o motor de combustão tem futuro, então por que não apresentar unidades de alta rotação que soam fantásticas e que estão fazendo isso de uma maneira ecologicamente correta? Acho que o biocombustível e os combustíveis sustentáveis ​​permitem que você faça isso."

Horner diz que há dúvidas sobre as unidades de energia totalmente elétricas serem o caminho certo a seguir, e acha que uma F1 que forneça motores barulhentos que lembram a era V10 que terminou em 2005 seria um grande sucesso.

“Eletrificação, eu sei, está sendo pressionada politicamente, mas é o caminho certo para 25 ou 30 anos?”, acrescentou. “Acho que a F1 pode desempenhar um papel fundamental com os combustíveis e os parceiros que temos na sustentabilidade e zero emissões, com um motor emotivo de alto desempenho e alta rotação."

“Não seria fantástico se fôssemos por esse caminho? Tenho certeza de que todos os eventos seriam embalados.”

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Apesar disso, a ideia de Horner de uma mudança dos planos atuais não tem apoio universal de outros fabricantes. O chefe da equipe da Mercedes, Toto Wolff, acredita que a atual geração de fãs não seria a favor de motores barulhentos.

“Eu discordaria de Christian porque é o que pensamos, mas não somos mais a geração mais relevante”, disse ele. “Quando você pergunta a um jovem de 18 ou 22 anos qual é a importância do ruído, a maioria desses caras o consome por meio de telas diferentes, onde o ruído tem pouca ou nenhuma relevância."

“Pessoalmente, também gosto e queria ter um V12 que grite pela pista, mas somos um esporte e um negócio. Acho que perderíamos total relevância com nossos parceiros, patrocinadores e principais stakeholders se não olhássemos para o meio ambiente e o impacto que causamos, o que os afastaria. Acho que ficaria totalmente desalinhado em relação onde o mundo está se movendo", concluiu Wolff.

EXCLUSIVO: Mariana Becker vê Hamilton mais irritado, Verstappen maduro e detalha 'treta' com Alonso

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #119 - TELEMETRIA: Qual é o impacto da 'Sprint' na F1? Rico Penteado responde

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 AO VIVO: Acompanhe a classificação para a corrida sprint em Silverstone em Tempo Real

Artigo anterior

F1 AO VIVO: Acompanhe a classificação para a corrida sprint em Silverstone em Tempo Real

Próximo artigo

F1: Hamilton bate Verstappen na classificação e faz a 'pole' da primeira corrida sprint

F1: Hamilton bate Verstappen na classificação e faz a 'pole' da primeira corrida sprint
Carregar comentários