F1: Horner tinha data para ser demitido, mas situação foi 'contornada' pelo chefe de equipe

Artigo publicado traz detalhes sobre todo o caso que 'assola' a equipe de Milton Keynes

Christian Horner, Diretor de Equipe, Red Bull Racing

Mark Sutton / Motorsport Images

Christian Horner já tinha data para ser demitido do cargo de chefe de equipe da Fórmula 1 - de acordo com um longo artigo publicado pela revista Business F1 e relatado pela publicação irmã do Motorsport.com, o Motorsport-Total.

Leia também:

Os vazamentos da semana anterior, de supostas evidências do escândalo envolvendo Christian Horner, acenderam as chamas na Red Bull e um artigo de 17 páginas veio à tona detalhando o caso. Na publicação, o nome do autor da denúncia contra Horner, como ela teve um colapso em um fim de semana de corrida e a primeira vez que disse aos colegas que estava chorando por conta do comportamento do chefe foram expostos.

Há muitos detalhes no documento que, se verdadeiros, tornam difícil imaginar que o chefe de equipe de 50 anos permaneça no cargo por muito tempo. No entanto, como esses detalhes são difíceis de serem verificados por fontes independentes, nossa equipe editorial se absterá de relatá-los e informará o que foi possível verificar.

Nossa publicação irmã Motorsport-Total relata, com base no longo artigo, que no dia 2 de fevereiro, um dia após a saída de Lewis Hamilton da Mercedes, não demorou muito para que outro terremoto sacudisse o mundo da Fórmula 1.

Mais cedo, nos altos escalões da sede da Red Bull GmbH, foi revelado que Horner havia recebido uma reclamação da sua assistente pessoal. Na reunião da diretoria na sexta-feira, o conselho concluiu que o comportamento do chefe de equipe não estava de acordo com a política da empresa e o CEO Oliver Mintzlaff decidiu demiti-lo. De acordo com o artigo da BusinessF1, um breve comunicado à imprensa, sem detalhes, já teria sido redigido na época.

De acordo com a Motorsport-Total, eles queriam permitir que Horner deixasse seu cargo sem perder a reputação e, mais tarde, citar "motivos de saúde" para sua saída. No entanto, ele se recusou a aceitar isso e seus advogados intervieram, indicando que havia uma cláusula em seu contrato que dizia que ele tinha o direito de solicitar uma investigação independente no caso de alegações semelhantes.

A diretoria da empresa, depois que os advogados de Horner ameaçaram entrar com uma ação judicial, ficou convencida de que uma investigação independente também recomendaria a demissão do chefe da equipe, de acordo com a BusinessF1, e recuou, achando que isso só atrasaria a decisão.

Mas Horner foi absolvido, para surpresa daqueles que conheciam as provas. O BusinessF1 relata uma série de detalhes que questionam a independência da investigação - também não está claro quem contratou o advogado externo para realizar a investigação. De acordo com o jornal, isso irritou aqueles que, na quinta-feira, enviaram cartas a quase todos os principais participantes da Fórmula 1 com as supostas provas.

GUERRA! JOS Verstappen DISPARA CONTRA HORNER: "Vai EXPLODIR" a Red Bull

O que a F1 pode fazer para que o domínio de Max não seja desinteressante?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Alpine anuncia reestruturação técnica após saídas importantes
Próximo artigo Fã de Hamilton e Senna, jovem é exemplo de superação e amor ao automobilismo

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil