F1: Mercedes reconsidera fornecer motores a outras equipes devido a teto orçamentário; entenda

Toto Wolff admitiu que, com as novas limitações impostas pelo teto orçamentário, a Mercedes poderia reduzir o número de equipes clientes que possui de três para duas.

F1: Mercedes reconsidera fornecer motores a outras equipes devido a teto orçamentário; entenda
Carregar reprodutor de áudio

O chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, disse ao Financial Times que, devido às novas regras de gastos relacionadas à introdução do teto orçamentário na Fórmula 1, a escuderia não ganha mais quantias substanciais com o fornecimento de motores para outras equipes. Logo, não seria "interessante" ter tantas equipes clientes.

A Mercedes é atualmente a fabricante que fornece motores para mais equipes na Fórmula 1. Além da equipe oficial, o time de Brackley também fornece motores para McLaren, Aston Martin e Williams. 

O editor recomenda:

Quanto aos fornecedores restantes, a Ferrari tem a sua equipe e dois clientes, Alfa Romeo e Haas. A Honda, embora tenha saído da F1 no final da temporada passada, está apoiando a Red Bull Powertrains (a nova divisão de Milton Keynes) para fabricar motores para a equipe de bebidas energéticas e, também, a AlphaTauri. A Alpine, por sua vez, é a única que utiliza motores Renault. 

 

George Russell, Mercedes W13, Daniel Ricciardo, McLaren MCL36

George Russell, Mercedes W13, Daniel Ricciardo, McLaren MCL36

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

As equipes de Fórmula 1 estão agora sujeitas a um limite de gastos de 140 milhões de dólares (cerca de 130 milhões de euros nas taxas de câmbio atuais) para esta temporada. Algumas das equipes maiores querem estender o valor máximo devido ao aumento dos custos de envio e à inflação. 

Justamente por isso, a Mercedes poderá em breve reduzir suas equipes de clientes, das atuais três para duas. 

“Em um mundo ideal, talvez você veria a Mercedes fornecendo motores para duas equipes de clientes, então o esforço seria reduzido”, disse Wolff. 

Aliás, o gestor austríaco salientou que o negócio de leasing de motores não é “atraente e interessante”, precisamente pelo limite do valor que pode ser cobrado aos clientes para ajudar equipes mais pequenas. 

As declarações de Wolff só aumentam os rumores sobre uma das três equipes fornecidas pela Mercedes. McLaren e Williams têm estado frequentemente no centro das atenções nos últimos meses, porque Porsche e Audi entrarão na F1 a partir de 2026, quando os novos regulamentos de motores entrarem em vigor. 

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #180 – ‘Autossabotagem’ da Ferrari pode fazê-la perder título da F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
F1: Aston Martin tenta manter Vettel para 2023
Artigo anterior

F1: Aston Martin tenta manter Vettel para 2023

Próximo artigo

F1: Ecclestone vê Mônaco "insubstituível" após boatos de saída do calendário

F1: Ecclestone vê Mônaco "insubstituível" após boatos de saída do calendário