F1: Mudança tardia na regra do assoalho para 2023 vai ajudar equipes do topo?

O Conselho Mundial de Automobilismo da FIA finalmente aprovou as mudanças nas regras para abordar os quiques para próxima temporada

Lewis Hamilton, Mercedes W13, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18

Depois de muito debate, a borda dos pisos dos carros vai se elevar para a temporada 2023 da Fórmula 1 e a altura da garganta do difusor também, enquanto as bordas do piso também serão reforçadas para combater o temido problema de quique que tem afetado algumas equipes nesta temporada.

A FIA também vai exigir a implementação de um sensor adicional no piso para monitorar os quiques. No lugar do aumento do pisto em 25mm que a FIA propôs inicialmente, e que muitas equipes pressionaram de maneira contrária, agora se chegou a um acordo de 15mm.

Leia também:

Ferrari e Red Bull estiveram entre as equipes que eram contra as mudanças, uma vez que McLaren e Mercedes, que mais tiveram problemas com os quiques, pressionaram pela mudança por motivos de segurança. No anúncio de terça-feira, a FIA disse que as mudanças foram implementaram de uma maneira que deveria “evitar qualquer impacto nos desenhos dos componentes mecânicos das equipes.”

Mas com os designs para os carros de 2023 já avançados, alguns sugeriram que a natureza tardia das mudanças facilitará a resposta das equipes maiores.

Falando antes das férias de verão e da decisão final sobre a mudança nas regras, o diretor técnico da Alpine, Pat Fry, disse que acreditava que os ajustes as regras do assoalho para 2023 só irão ajudar as equipes maiores, pois podem chamar mais funcionários para reagir diante do problema.

“Para nós é um recurso de engenharia, claramente temos um departamento de aerodinâmica muito menor que os três que estão na ponta do campeonato”, disse Fry.

“É possível que eles tenham 20 pessoas paradas, fora dos limites de custo, navegando ou empurrando bicicletas, mas que podem facilmente voltar para resolver um problema e logo sair de novo.

“Então, quando você tem esse nível de capacidade adicional, você tem uma grande vantagem. Atrasar as regras, para eles, é genial, porque sabem que todas as equipes pequenas não poderão fazer frente.”

Visão frontal da regra proposta para 2023

Visão frontal da regra proposta para 2023

Photo by: Giorgio Piola

Fry disse mesmo que a Alpine estava “crescendo e melhorando”, se manteve com “com um tamanho razoável” dentro do limite de custos e sim “excesso massivo” de pessoas que as outras equipes têm.

As equipes se viram obrigadas a trabalhar com um novo teto de custos de $145 milhões por temporada, o que levou a algumas das equipes maiores a deslocar algumas pessoas para outros projetos.

“É um pouco desafiador para nós”, disse Fry antes de confirmar a mudança nas regras. “Quanto antes soubermos [sobre as mudanças], realmente será melhor, porque se vai mudar, vamos romper o que já íamos fazer.

“Tenho certeza que todas as equipes estão passando algumas semanas no túnel de vento para o conceito do carro do próximo ano, certamente nós estamos.

“Mas quanto desse trabalho que realmente fizemos, mudará com uma mudança de regra…”

Podcast #191 – O que primeira parte da temporada da F1 em 2022 trouxe de bom e ruim?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Norris vê estabilidade na McLaren como fator importante para equilíbrio entre trabalho e vida pessoal
Próximo artigo Audi adverte que ainda não tomou decisão de entrar na F1

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil