F1 não está tão ruim como muitas pessoas acham, diz Heidfeld

Para ex-piloto da categoria, há exagero nas críticas recentes à falta de competitividade

F1 não está tão ruim como muitas pessoas acham, diz Heidfeld
Nick Heidfeld, Mahindra Racing Formula E Team
Nick Heidfeld, Mahindra Racing
Carregar reprodutor de áudio

Piloto da categoria por 12 anos, o alemão Nick Heidfeld acredita que a Fórmula 1 não está tão ruim como muitos observadores sugerem.

A Fórmula 1 foi cercada por negatividade desde o advento da era V6 turbo em 2014, com queixas que vão desde a falta de som do motor à dominância única e má qualidade das corridas.

Embora Heidfeld, que subiu 13 vezes ao pódio em sua carreira na F1, sente que existem áreas a serem trabalhadas, ele calcula que o esporte está em uma forma melhor do que muitos enxergam.

"Primeiro de tudo, acho que a Fórmula 1 precisa sair desta espiral negativa que ela está e que, para mim, não está lá pela razão certa", disse Heidfeld em uma entrevista exclusiva ao Motorsport.com.

"Claro, você sempre pode melhorar as coisas, mas F1 não é tão ruim quanto algumas pessoas tentam fazer parecer. Ela ainda tem carros fantásticos com pilotos fantásticos e boas corridas".

O alemão destacou a história do esporte, apontando que a F1 passou por muitas fases de domínio por uma equipe particular, e que a atual hegemonia do Mercedes não é diferente.

"Desde que a F1 começou, sempre houve equipes dominantes. E você sempre tenta fazer as coisas interessantes, colocando os carros juntos, '' disse.

"Então, você sempre terá uma equipe que é melhor que os outras."

Dito isto, Heidfeld acredita que o controverso sistema DRS torna as ultrapassagens muito simples e artificiais.

"Para mim, o que faz falta é o som, e também que a ultrapassagem é muito artificial com o DRS '', explicou.

"Pelo menos temos algumas ultrapassagens, mas às vezes você tem um carro ultrapassando o outro em uma linha reta e até mesmo indo para trás em linha na frente do outro".

"Isso deve acontecer apenas na última parte do circuito, deslizando e depois é só ultrapassagens. Isto é o que está faltando um pouco, na minha opinião. "

Mais aderência

Alinhado com a opinião de seu companheiro de Mahindra na Fórmula E, Bruno Senna, Heidfeld pensa que a F1 deve dar prioridade à aderência mecânica, de modo a tornar mais fácil para os pilotos seguirem um ao outro.

"Eu acho que (aderência mecânica) será sempre uma ajuda para a corrida. Especialmente se a aderência aerodinâmica é perdida quando você segue um outro carro no ar sujo".

"Então, ter aderência mecânica e maior aderência dos pneus é o caminho certo a seguir".

"Ela também aumenta a segurança, especialmente a aderência dos pneus. Se em um carro onde você gera mais aderência aerodinâmica você girar e ir para um lado e para trás, você perde tudo isso".

"Se você tem pneus grandes, grande aderência dos pneus, é mais seguro e melhor para a corrida."

Lamentações sobre a carreira

Embora Heidfeld fosse uma figura respeitada nos paddocks durante sua longa carreira na Fórmula 1, o alemão lamentou sua incapacidade de alcançar o tipo de resultados que tinha conseguido em sua carreira pré-F1.

"Não foi plenamente satisfatória, '' disse ele." Foi ótimo ter a chance de estar na F1 por tanto tempo".

"Eu aproveitei muito o meu tempo. Foi muito bom pilotar esses carros e trabalhar com as equipes".

"Mas, como um atleta você quer ganhar. O meu objetivo quando vim para a Fórmula 1 era para ganhar o campeonato, mas no final eu não tive sequer uma vitória".

compartilhar
comentários
Chefe da Mercedes aposta em ressurgimento da Honda
Artigo anterior

Chefe da Mercedes aposta em ressurgimento da Honda

Próximo artigo

Ex-empresário pede informações precisas sobre Schumacher

Ex-empresário pede informações precisas sobre Schumacher