F1: Pilotos detonam cerimônias antes de corrida em Miami; categoria promete conversas para apaziguar ânimos

Cerimônia de apresentação mais longa deixou boa parte do grid descontente antes do GP deste domingo

Sergio Perez, Red Bull Racing

Vários pilotos de Fórmula 1 criticaram a apresentação do grid antes do GP de Miami de 2023. Um pórtico temporário afastado do grid foi erguido na reta principal, onde o rapper americano LL Cool J apresentou cada piloto aos fãs antes do hino nacional dos Estados Unidos.

Enquanto isso, Will.i.am liderou uma orquestra que executou a nova música inspirada na F1 dele e de Lil Wayne, 'The Formula', que foi lançada no sábado do fim de semana do GP de Miami.

Leia também:

Devido a esse novo formato, os pilotos foram convocados 23 minutos antes do início da corrida, em comparação aos 16 minutos da cerimônia de hino mais tradicional usada anteriormente em Baku.

Mas as mudanças foram recebidas friamente pelos pilotos, que expressaram reservas em um briefing na noite de sexta-feira, pois consideram o procedimento muito longo e relutam em ver uma repetição.

Russell chama 'show' de distração

O piloto da Mercedes, George Russell, rotulou isso de “distração”, dizendo: “Acho que é o jeito americano de fazer as coisas no esporte. Pessoalmente, provavelmente não é para mim.

“Estou aqui para correr. Não estou aqui para o show. Estou aqui para guiar e estou aqui para vencer.

“É uma distração, porque estamos no grid por meia hora com todos os nossos macacões no sol.

“Acho que não existe nenhum outro esporte no mundo que 30 minutos antes de você sair para fazer o seu negócio, você está lá fora no sol, todas as câmeras em você e fazendo um pouco de show disso.

“Eu posso apreciar isso no mundo do entretenimento. Mas como eu disse, só queremos o melhor para o esporte. Estamos abertos a mudanças. Mas acho que não gostaríamos de ter isso todo fim de semana.

“O que eu amo em todas as corridas é o hino nacional, que te anima e é meio que respeitoso com o país em que estamos correndo.

A F1 pretende fazer uso ocasional da apresentação cerimonial, já que o campeonato experimentou um espetáculo semelhante para o GP dos Estados Unidos no Circuito das Américas em 2017, quando o famoso locutor de boxe Michael Buffer deu as boas-vindas aos pilotos.

 

Norris: os pilotos já estão expostos o suficiente

Lando Norris, da McLaren, considerou que todo o grid era contra a ideia, acrescentando que era preciso colocar limites sobre quanto tempo os pilotos dedicam às funções de TV e ao envolvimento do público.

Ele disse: “Nenhum dos pilotos gosta disso, mas não é para nós no final do dia.

“Fazemos muitas coisas. É provavelmente o único esporte em que estamos tão próximos dos torcedores.

“Nós fazemos muita publicidade para os fãs. Como pilotos, todos nós queremos apenas sentar e focar no que precisamos focar e não fazer tanta TV e tudo mais.

“Mas é um negócio no final das contas, então é o que temos que fazer. Mas adicionar mais e mais coisas assim, nenhum piloto gosta.

“Dissemos: 'Você não pode simplesmente continuar colocando coisas e nos obrigando a fazer mais e mais'.

“Fazemos tanto. Há um limite para o quanto devemos fazer. Estamos aqui para ainda focar em fazer o trabalho que estamos fazendo e não apenas ficar na frente de uma câmera o dia todo.”

As críticas nas redes sociais, por sua vez, citaram imagens do tricampeão da F1, Jackie Stewart, parecendo impedido pela segurança de acessar a frente do grid.

Alonso: torcedores de Miami não deveriam receber tratamento especial

O piloto da Ferrari, Charles Leclerc, foi menos crítico, mas pediu que os tempos fossem ajustados, enquanto Fernando Alonso considerou que a F1 precisava de uniformidade, então não poderia tratar as corridas dos Estados Unidos de maneira diferente.

Citando os fãs de outras nações como sendo igualmente apaixonados, ele disse: “Eu entendo o ponto de vista de todos, mas não sou um grande fã desse tipo de coisa antes da corrida.

“Se tivermos que fazer isso, acho que precisamos remover algumas das outras coisas que estamos fazendo, como a volta de desfile ou algo assim, porque é realmente no meio da preparação com os engenheiros e a reunião de estratégia.

“Se fizermos isso, teremos que fazê-lo em todos os lugares, porque não acho que os torcedores de Miami sejam melhores do que os torcedores italianos de Ímola, da Espanha, do México ou do Japão.

“Precisamos fazer com que todos tenham as mesmas regras e o mesmo show antes da corrida.”

O vencedor do GP de Miami, Max Verstappen, expressou preferência em permanecer fora dos holofotes.

Hamilton curtiu

No entanto, o sete vezes campeão da F1, Lewis Hamilton, ofereceu seu apoio ao programa ao abraçar o trabalho do proprietário da F1, Liberty Media, em experimentar o formato.

Ele disse: “Eu acho que foi ótimo. Eu amo o sol!

“Acho legal que o esporte esteja crescendo e evoluindo continuamente e não apenas fazendo as mesmas coisas que fizeram no passado.

“Eles estão tentando coisas novas; eles estão tentando melhorar o show e eu apoio totalmente isso.

“Eu cresci ouvindo LL Cool J e ele estava lá. Isso foi legal.

“Então você olha e você tem Will.i.am. que é um artista incrível. Você tem Serena e Venus [Williams, campeãs de tênis] ali.

"Eu achei que estava legal.

Questionado se havia algum risco de a cerimônia o distrair, Hamilton respondeu: “Eu estava focado desde o último domingo”.

Promessa de conversas

A F1 está ciente das opiniões divididas sobre o assunto e está pronta para falar com os pilotos sobre como o formato pode ser modificado para atender melhor a eles e aos fãs. É provável que as conversas ocorram com o GPDA no próximo GP da Emilia Romagna para descobrir a melhor forma de refinar as coisas.

O diretor do Miami GP, Tom Garfinkel, não viu nenhuma desvantagem no programa pré-corrida, ao fazer comparações entre ele e as críticas iniciais que o programa Netflix da F1 atraiu antes de ser aceito como uma mudança de jogo.

“Em última análise, isso é um show”, disse ele quando questionado pelo Motorsport.com sobre a ideia por trás disso. “Acho que muitas pessoas na F1 provavelmente não ficaram felizes com a série da Netflix quando foi anunciado que iria acontecer. E certamente teve um efeito positivo em todo o esporte.

“Quando conversamos sobre fazer uma corrida em Miami, houve uma discussão com a F1 sobre eles quererem mais entretenimento e mais pompa e esse tipo de coisa. Então é isso que estamos tentando entregar.

“Em última análise, a competição dos carros e dos pilotos no circuito durante a corrida é a coisa mais importante, mas o que acontece antes disso, se pudermos entreter as pessoas e criar alguma pompa e emoção, acho que é uma coisa boa.”

Podcast #228 - Reclamações de Verstappen em Baku mostram que bicampeão 'sentiu o golpe'?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Pérez poderia 'igualar' estratégia de Verstappen em Miami?
Próximo artigo Andretti já está 'montando' estrutura para F1 e define prazo para resposta sobre entrada no grid

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil