F1: Por que não apenas os tempos de volta da Red Bull preocupam rivais

Ponto inicial da temporada melhor, em comparação a 2022, traz confiança para equipe de Max Verstappen e Sergio Pérez

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

As equipes de Fórmula 1 raramente concordam em algo, mas, quando os testes chegaram ao fim na noite de sábado, o consenso do paddock era claro de que a Red Bull é a equipe a ser batida.

Uma rápida olhada nas tabelas de tempos já apontava nessa direção, com Sergio Pérez estabelecendo a referência geral na enxurrada de voltas com menos combustível na última noite, quando as equipes finalmente revelaram algum potencial.

Leia também:

Na verdade, foi apenas a glória de Guanyu Zhou no final da sexta-feira para chegar ao topo que impediu uma varredura do domínio da Red Bull nos três dias.

Mesmo longe dos tempos mais rápidos que ganharam as manchetes e, em vez disso, cavando fundo na performance em várias voltas - que é o que realmente importa e no que as equipes prestam mais atenção - ficou claro que a Red Bull parecia ter tudo sob controle também.

A confiabilidade do carro parecia perfeita, e não havia nada que sugerisse que qualquer um dos rivais de Pérez e Max Verstappen parecesse uma ameaça em termos de tempos de volta em simulações de corrida.

O consultor de automobilismo da Red Bull, Helmut Marko, disse à Sky Alemanha após o teste: "Os tempos nos testes, como sabemos, são relativos. Não sabemos como foi a competição com combustível, então se eles estivessem mais pesados do que nós, nosso tempo é relativo, mas foi demonstrado que somos confiáveis, que somos rápidos, que estamos na frente.

"Acima de tudo, o que nos deixa muito otimistas é que as long runs de Pérez e Max foram claramente mais rápidas."

Ser a melhor equipe nos testes não garante, claro, nada na hora de produzir resultados no fim de semana.

Como disse o chefe da Ferrari, Fred Vasseur, no último dia: "Não me lembro quem fez a volta mais rápida no ano passado no Bahrein, mas ele não estava na pole position para a corrida. E foi o mesmo há dois anos."

No entanto, analisando mais profundamente como o teste da Red Bull deu certo, existem alguns outros aspectos que dispararam o alarme para outras equipes na esperança de ultrapassar o time campeão mundial da F1.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

Photo by: Red Bull Content Pool

Ritmo sem esforço

Às vezes, os carros de F1 mais rápidos podem ser muito difíceis de pilotar no limite, com apenas os melhores pilotos capazes de extrair o máximo deles.

Mas desde o primeiro momento em que o RB19 foi para a pista no Bahrein, parece ter sido relativamente simples para Verstappen e Pérez levá-lo ao limite.

No início, com outras equipes lutando para encontrar um bom equilíbrio em seus carros, Verstappen se gabava de não enfrentar nenhum drama próprio.

"Toda vez que entrei no carro me senti confortável e pude acelerar instantaneamente", disse ele.

Isso pareceu acontecer no primeiro dia do teste, quando, após algumas voltas de instalação, Verstappen passou o resto do dia disparando em rápidas 5/6/7 voltas - tudo no mesmo ritmo surpreendentemente consistente e interrompido apenas por vir aos boxes para mudanças de configuração.

A consistência ao longo de todas essas corridas sugeriu que ele e o carro estavam em um lugar muito feliz, e tudo estava sob controle e rápido.

Refletindo sobre isso, Verstappen disse que atingir esse ponto ideal tão cedo deu à Red Bull uma grande vantagem na compreensão do carro.

"Acho que todos os dias de teste foram muito positivos para nós", disse ele.

"O equilíbrio do carro ficou imediatamente bom e, como resultado disso, você pode tentar muitas coisas com o acerto - ir extremamente para a esquerda e extremamente para a direita, por assim dizer. Isso é bom, porque este é assim que você aprende muito sobre o carro.""

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Pneus novos dando a Verstappen o que ele quer

A forma de Verstappen ao longo do carro de 2022 oscilou um pouco, pois as características do RB18 começaram longe e depois foram em direção às suas preferências.

O excesso de peso no início da temporada com o qual a Red Bull começou a temporada de 2022 significava que o carro era muito ‘preguiçoso’ nas curvas, e essa característica é algo que Verstappen é conhecido por não gostar.

Ele disse durante o inverno que nunca soube que havia um carro de corrida rápido que tivesse saindo de frente.

Quando a Red Bull iniciou seu programa de redução de peso no GP da Emilia Romagna, as coisas também mudaram para Verstappen.

Ele recuperou um carro que rodava como ele gosta, e isso ajudou a desencadear o tipo de domínio que vimos nos últimos estágios do ano.

Quando surgiu que a Pirelli estava aprimorando seus produtos para 2023, para entregar uma dianteira mais forte, isso imediatamente apontou para coisas que se aproximavam ainda mais do que Verstappen gosta.

Refletindo no final dos três dias consecutivos sobre suas impressões dos pneus, Verstappen reconheceu que as coisas correram como ele queria.

"Eles saem menos de frente, mas isso é mais porque os pneus traseiros não são tão bons agora quanto no ano passado", disse ele. "Os pneus dianteiros são os mesmos. Mas, no geral, acho que o carro deste ano está um pouco mais equilibrado.""

Sergio Perez, Red Bull Racing RB19

Sergio Perez, Red Bull Racing RB19

Photo by: Red Bull Content Pool

Confiabilidade e peso não são mais um problema

Enquanto o RB18 da Red Bull provou ser de longe o melhor carro de 2022, a equipe não havia começado o ano tão bem.

O início da temporada foi muito prejudicado pela confiabilidade, já que os problemas que destruíram sua sorte nos GPs do Bahrein e da Austrália fizeram parecer que o título estava desaparecendo naquele ponto.

Essas pequenas imperfeições do início da temporada não foram nada importantes, já que a Red Bull rapidamente assumiu o controle. Essa forte confiabilidade subsequente foi transportada para o carro de 2023, que rodou quase sem problemas durante os três dias de testes no Bahrein.

A outra área em que a Red Bull estava em desvantagem no ano passado também foi erradicada, com a equipe atingindo agora suas metas de peso com o RB19.

Para Verstappen, a mentalidade já é que a temporada de 2023 está começando com uma linha de base muito melhor do que há 12 meses.

“Comparado ao ano passado, porque era o mesmo carro, é um passo à frente”, disse ele. “Mas isso é normal porque no ano passado nosso carro estava muito pesado.

“Foi o primeiro ano com um carro totalmente novo e um novo conjunto de regulamentos técnicos também, então você aprende muito ao longo desse primeiro ano. Por causa disso, acho que este ano começa um pouco mais fácil.

"Mas você ainda precisa dar um bom passo à frente, é claro, e acho que já fizemos isso."

Poucos que assistiram as ações em pista no Bahrein na semana passada poderiam discordar.

Drive to Survive: saiba quais são os pontos positivos e negativos da nova temporada

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com discute duelos internos das equipes da F1 em 2023

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Chefe da AlphaTauri nega rumores "infundados" de venda da equipe
Próximo artigo Sobrevivência, vitórias e supremacia: o que está em jogo para cada piloto na F1 2023

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil