F1: Problemas com 'Mercedes rosa' ajudaram Aston Martin para 2022; entenda

Apesar de ter atrasado desenvolvimento de carro de 2021, escuderia aprendeu novos conceitos e formas de trabalhar, segundo diretor

F1: Problemas com 'Mercedes rosa' ajudaram Aston Martin para 2022; entenda
Carregar reprodutor de áudio

Antes de ser renomeada em 2021, a Aston Martin, correndo como Racing Point, teve o melhor ano de sua história na Fórmula 1 em 2020, contando também a época de Force India. Além da vitória inédita de Sergio Pérez, foram mais três pódios e 195 pontos no mundial de construtores. Na última temporada, a história não se repetiu, mas serviu para mostrar "novas ideias", de acordo com o diretor técnico da equipe, Andrew Green.

Parte dessa queda se desempenho se deve às consequências da 'Mercedes rosa', como ficou conhecido o último carro da escuderia pelas semelhanças com o veículo de 2019 da montadora alemã. Os dutos de freios da máquina foram considerados cópia e isso acarretou em uma punição, bem como obrigou o time a mudar todo o conceito para o campeonato seguinte.

Leia também:

"No tempo limitado que tivemos, o carro se diferenciou muito por causa da mudança aerodinâmica introduzida no início da temporada", explicou Green sobre a discrepância de desempenho da Aston Martin entre 2020 e 2021 ao site The Race. "Foi uma mudança significativa que exigiu quantidade significativa de recursos para tudo voltar a funcionar."

"Não foi uma cópia, foi o desenvolvimento de um projeto no qual você se baseia na resposta para seu objetivo, mas é preciso muito trabalho. O que fizemos foi olhar para o carro e tentar descobrir por que era mais rápido. Muitas outras equipes seguiram a mesma filosofia, e só se agarraram a isso porque fizemos um bom trabalho e outros não gostaram."

Apesar de ter prejudicado o último ano da equipe, as dificuldades tiveram um ponto positivo: ideias renovadas e maneiras diferentes de desenvolver o carro. A Aston Martin pensa na evolução a longo prazo, principalmente com a inauguração de sua nova fábrica para 2022, em um projeto de mais de R$ 1 bilhão do proprietário Lawrence Stroll. Criar métodos com antecedência é importante nesse aspecto.

"Definitivamente, abriu nossos olhos para novas formas de trabalhar, com novos conceitos", comentou Green. "Esse pensamento seguiu até certo ponto no carro atual, mas para o de 2022, certamente esteve presente."

MARI BECKER analisa EVOLUÇÃO de VERSTAPPEN e PRESSÃO em HAMILTON, e fala de como ambos saem maiores

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #155 - Piores da F1 2021: Quais pilotos/equipes decepcionaram? Masi é consenso?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Sainz acredita que haja "sete ou oito" potenciais campeões no grid e elogia papel do piloto em disputa de 2021
Artigo anterior

F1: Sainz acredita que haja "sete ou oito" potenciais campeões no grid e elogia papel do piloto em disputa de 2021

Próximo artigo

Podcast #156 – Mariana Becker traz bastidores de Verstappen x Hamilton na F1 2021

Podcast #156 – Mariana Becker traz bastidores de Verstappen x Hamilton na F1 2021
Carregar comentários