F1: Red Bull revela que será capaz de fornecer motores para até quatro equipes

Christian Horner destaca aptidão da equipe austríaca de não depender mais de fornecedores de unidade de potência a partir de 2026

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18

Desde o anúncio da saída da Honda da Fórmula 1, a Red Bull vem trabalhando na sua própria divisão de unidades de potência, a Red Bull Power Trains, e com toda a estrutura envolta e criada para essa função, a equipe alega ser capaz de fornecer motores para até quatro times no grid.

Atualmente, existem quatro fornecedores para quatro equipes: Mercedes que tem como clientes McLaren, Williams e Aston Martin, Ferrari com Haas e Alfa Romeo e a Honda ao lado da Red Bull e AlphaTauri. A Alpine usa sua própria unidade de potência (motores Renault). 

A ideia inicial da Red Bull, de acordo com Christian Horner, é produzir para as duas equipes da Red Bulll, ela mesma e a AlphaTauri.

Leia também:

A forma como estamos estruturados, temos a capacidade dentro das instalações de produzir motores para até quatro equipes”, disse em entrevista ao Race Fans. “Mas esse certamente não será o objetivo inicial. O plano inicial é obviamente fornecer as duas equipes de propriedade da Red Bull.”

Em meio à animação em relação ao Red Bull Power Trains, a Honda vê a oportunidade de seguir ao lado da parceira para além de 2025 como acordado até então. A 'volta atrás' no que seria a junção de Porsche e Red Bull teria plantado essa semente na fabricante japonesa - o que pode ser considerado pela própria Red Bul. 

“A Honda [é] uma grande empresa. Eles anunciaram sua saída da F1 para focar sua atenção na eletrificação de seus produtos, afastando-se do motor de combustão. Então você assumiria que se eles olhassem para retornar à F1, isso teria que ser levado em consideração", ponderou Horner.

“Então, havendo ou não algum interesse, potencialmente no lado da bateria, e quaisquer sinergias potenciais, poderia haver uma discussão interessante. Mas a combustão e o lado mecânico do motor, estamos em um roteiro para 2026 com o qual estamos muito felizes.”

Toyoharu Tanabe, diretor técnico da F1, Honda, e Masashi Yamamoto, gerente geral da Honda Motorsport, com o carro de Max Verstappen, Red Bull Racing RB16b

Toyoharu Tanabe, diretor técnico da F1, Honda, e Masashi Yamamoto, gerente geral da Honda Motorsport, com o carro de Max Verstappen, Red Bull Racing RB16b

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

A ideia de construir seus próprios motores é vista como uma atitude "ousada" por parte da rival Mercedes. Contudo, a visão de Toto Wolff, em partes, é compartilhada e ecoada por Horner, que enxerga com clareza a grande missão à frente da Red Bull em ser independente e autossuficiente.  

“Não é uma tarefa pequena, algumas pessoas estão dizendo que estamos completamente loucos por enfrentar Ferrari, Mercedes e Renault e potencialmente até Honda começando do zero. Mas esse é exatamente o caminho da Red Bull, para alcançar o impossível. Isso foi dito sobre projetar e construir um chassi.

“Isso nos permite olhar para outros projetos, por exemplo, o RB17, se produzimos nossa própria unidade de energia para isso. Portanto, é estrategicamente um investimento lógico, após o anúncio da Honda de se retirar, para tomar nosso futuro em nossas próprias mãos, em vez de depender de ser um cliente.”

De Vries na AlphaTauri? Nova REVIRAVOLTA agita MERCADO da F1 e pode 'desbloquear' dança das cadeiras

Podcast #195 - Fantasma de Abu Dhabi assombra Monza: o que mudar na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Jack Doohan diz que chance de ser titular não o deixa sob pressão
Próximo artigo Como uma câmera giroscópica se tornou a mais recente inovação de TV da F1

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil