F1 – Reviravolta: Horner pode ser demitido após perder apoio de cúpula da Red Bull

Reunião deste domingo pode selar futuro de chefe da equipe de F1

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

LAT Images

Apesar do tsunami midiático que varreu a Red Bull mundialmente desde que o caso de Christian Horner surgiu em 5 de fevereiro, ele ainda não foi suspenso de sua posição como chefe de equipe da Red Bull Racing, muito menos demitido. Mas agora, os ventos podem mudar e ele pode perder seu emprego, de acordo com apuração realizada pelo Motorsport-Total.com, publicação irmã do Motorsport.com.

Leia também:

Oliver Mintzlaff, CEO de Projetos Corporativos e Investimentos da Red Bull GmbH, conseguiu convencer todos os envolvidos a parar de lavar roupa suja publicamente.

"Não queremos falar sobre temas de RH na frente do mundo", ele falou para alguns repórteres antes do início da corrida.

Qual é o papel de Franz Watzlawick?

Uma mensagem que foi compreendida. Tanto Marko quanto Verstappen, assim como Horner, foram questionados sobre a luta pelo poder que estava acontecendo após a corrida, mas deram respostas diplomáticas, sem exceção. "Minha relação com Helmut não é um problema. Acho que ele sempre é direto, mas isso é o Helmut", disse Horner, por exemplo.

Mintzlaff, e este é um detalhe significativo nesta história, foi acompanhado na Arábia Saudita por Franz Watzlawick, responsável pelo Grupo Red Bull (como CEO de Negócios de Bebidas). Um movimento incomum, já que Watzlawick não é responsável pela F1 nem nunca fez uma aparição pública.

No entanto, a apuração do Motorsport-Total.com agora revelou que Watzlawick pode desempenhar um papel decisivo no processo de encontrar uma solução limpa no interesse do Grupo Red Bull como um todo. Especialmente quando se trata de abalar o apoio anterior dos principais proprietários tailandeses a Horner.

Horner mesmo parece ter uma percepção muito diferente das conversas na Arábia Saudita: "Oliver foi muito solidário, mas também o outro CEO, Franz Watzlawick - você sabe, existem três CEOs na Red Bull, e ambos que estavam aqui hoje têm sido muito, muito solidários. É bom vê-los vindo e apoiando a equipe."

Reunião de cúpula no domingo em Dubai

Uma reunião entre Watzlawick, Mintzlaff e Chalerm Yoovidhya estava agendada para este domingo em Dubai para discutir os próximos passos para a Red Bull GmbH no caso Horner. Não se sabe se a reunião já terminou no momento da publicação deste artigo ou se ocorrerá mais tarde hoje.

Enquanto isso, no entanto, vazou qual será um item-chave na agenda da reunião. Ou seja, preocupações agudas, especialmente no lado austríaco da Red Bull GmbH, de que uma continuação da colaboração com Horner poderia ter um impacto negativo na área de negócios de Watzlawick, na venda de bebidas.

Especialmente na América do Norte, a sensibilidade a questões como assédio sexual é extremamente alta. Não apenas, mas especialmente desde o caso Weinstein em Hollywood. Não se pode descartar que grandes cadeias de varejo, como o Walmart, acabem removendo as latas de Red Bull de seus sortimentos se o escândalo se espalhar ainda mais.

Para o Grupo Red Bull, para o qual o mercado norte-americano é tão importante, isso seria um grande desastre. Um argumento com o qual Watzlawick aparentemente também pode encontrar uma audiência com Yoovidhya agora. Até agora, ele não foi persuadido a demitir Horner. Mas quando se trata de dólares, "os ventos mudam", diz uma fonte que deseja permanecer anônima.

Funcionária planeja declaração pública

Além disso, de acordo com informações do Motorsport-Total.com, diante das recentes aparições de Horner em compromissos midiáticos e coletivas de imprensa, a mulher que foi assistente de Horner por anos e o acusou de assédio sexual agora também está planejando se manifestar publicamente.

A mulher aparentemente está preparando uma declaração pública para a próxima semana para apresentar sua própria perspectiva e não permitir que as declarações de Horner, que ela considera enganosas, permaneçam sem contestação. Se ela realmente der esse passo, será a próxima etapa de escalada - e aumentará significativamente a pressão sobre Horner e a Red Bull.

O comentarista da Sky Alemanha, Ralf Schumacher, acredita que Horner terá "uma posição interna muito, muito difícil" após a reunião em Dubai - e ele enfatiza em entrevista ao Motorsport-Total.com: "Sim, acho que Christian Horner deveria renunciar, e sim, acho que ele vai renunciar. Não acho que ele sobreviverá."

O ex-piloto de Fórmula 1 assume que Yoovidhya não terá escolha a não ser se distanciar de Horner diante da pressão de parceiros como Ford ou Honda ou de riscos potenciais na colaboração com cadeias de varejo como o Walmart.

O que o McDonald's tem a ver com o caso Horner?

"Sabemos que a América é extremamente crítica nessas questões. Eles nem mesmo fazem perguntas, eles demitem pessoas imediatamente se puder ser provado que alguém tem relacionamentos inadequados com outras pessoas na empresa. O chefe global do McDonald's é um muito bom exemplo disso", disse Schumacher.

Com isso, ele quer dizer que o McDonald's demitiu o então CEO Steve Easterbrook em 2019 depois que ele teve que admitir que havia enviado mensagens sexualmente sugestivas para uma funcionária como parte de um relacionamento consensual. Easterbrook inicialmente afirmou que não havia ocorrido outros incidentes desse tipo.  

Mesmo assim, o McDonald's se separou dele e mais tarde recebeu informações de que Easterbrook teve relações sexuais com outras funcionárias. A história terminou com Easterbrook tendo que devolver 105 milhões de dólares à empresa de fast food porque foi possível provar que ele mentiu no processo de conformidade.

Este exemplo não pretende de forma alguma sugerir que o caso Easterbrook seja diretamente comparável ao caso Horner. Mas é um exemplo que demonstra claramente quão sensíveis são estas questões nos EUA e quão rapidamente tais escândalos podem também ter implicações económicas. A presunção de inocência continua a aplicar-se a Horner.

“Estamos seguindo em frente”, disse Horner na noite de sábado, após a corrida na Arábia Saudita. Um dia depois, já não parece fora de questão que este “seguimos em frente” possa assumir um significado completamente diferente. E ele pode perder o emprego como chefe da equipe Red Bull Racing, afinal.

PÓDIO CAST #1: MotoGP no BRASIL? Fausto Macieira dá detalhes e analisa Bagnaia, Márquez e cia em 2024

Podcast #273 – Quais pilotos estão 'fazendo hora extra' na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Artigo anterior F1: Bearman revela atitude de Vettel antes do GP da Arábia Saudita
Próximo artigo F1: Hamilton se sentiu em uma "categoria diferente" no GP da Arábia Saudita

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil