F1 - Schumacher não 'convence' Ferrari e Steiner diz: "Se decidir ir para outro lugar, não posso mudar”

Falta de apoio por parte da escuderia italiana de Maranello pode dificultar manutenção no time dos Estados Unidos em 2023; entenda

Mick Schumacher, Haas F1 Team

Em meio aos rumores sobre o mercado de pilotos da Fórmula 1 para 2023, o alemão Mick Schumacher, da Haas, pode não continuar na equipe no próximo ano. Segundo o jornal Bild, o jovem perdeu apoio da Ferrari, à qual é vinculado, e isso poderia impactar seu futuro na F1.

De acordo com a publicação germânica, “o chefe da Ferrari, Mattia Binotto, não está totalmente convencido sobre Schumacher”. Além de comandar a escuderia de Maranello, o dirigente italiano também supervisiona a academia de pilotos do time, da qual Schumacher faz parte.

O editor recomenda:

Apoiado pela Ferrari, Mick construiu sua carreira em categorias juniores de monopostos até ser campeão da Fórmula 2 em 2020 pela Prema, o que 'garantiu' sua promoção à F1 em 2021 com a Haas, que é cliente da Ferrari.

No ano passado, o alemão tinha o russo Nikita Mazepin como companheiro de equipe, de modo que se considerava que a referência interna de Schumacher não era satisfatória, e o carro do time norte-americano era um dos dois piores do grid da categoria máxima do automobilismo mundial.

Para 2022, muito em função da guerra na Ucrânia, Mazepin acabou dispensado e foi substituído pelo dinamarquês Kevin Magnussen, veterano que retornou à Haas em boa forma, conquistando resultados consideráveis no começo da temporada.

Recentemente, Schumacher equilibrou o jogo na batalha da escuderia, após somar seus primeiros tempos na F1, mas, segundo o Bild, Binotto ainda não está 'convencido' das qualidades de Mick, o que pode prejudicar a manutenção do germânico na Haas.

Além de comprar suas unidades de potência da Ferrari, o time dos Estados Unidos também é cliente da escuderia em outros componentes do carro e seu diretor técnico (o italiano Simone Resta), inclusive, é 'emprestado' pelo time de Maranello.

Assim, sabe-se que a Ferrari tem uma influência na escolha de um dos pilotos da Haas, embora a equipe norte-americana tenha afirmado nos últimos tempos que suas opções de mercado são feitas de forma independente. 

De todo modo, o fato é que Magnussen tem contrato para 2023, mas Schumacher não. Assim, uma perda de apoio da Ferrari pode dificultar a manutenção do germânico na Haas, que teria postulantes à vaga, como o ex-F1 italiano Antonio Giovinazzi e o russo Robert Shwartzman, reserva da Ferrari.

Neste sentido, até o australiano Daniel Ricciardo, que deve ser dispensado pela McLaren para abrir espaço para o compatriota Oscar Piastri, é especulado, embora não haja sinalizações de uma ida do ex-Red Bull para a Haas. E, por ora, Schumacher segue onde está.

O chefe da equipe dos Estados Unidos, Gunther Steiner, falou sobre a situação do piloto germânico. “Não quero falar sobre nosso acordo com a Ferrari porque senão eles ficam chateados!", explicou inicialmente o italiano, no habitual tom de bom humor

"No final das contas, não sei o verdadeiro acordo entre Ferrari e Mick... E não preciso saber. Se ele decidir ir para outro lugar, eu não posso mudar isso”, completou o dirigente, em entrevista ao site Racer.

VÍDEO EXCLUSIVO: DRUGOVICH admite que é “MUITO DIFÍCIL” entrar na F1 como piloto oficial e revela PARCERIA

Podcast #189 - Quem tem mais a perder com confusão contratual? Alpine, Piastri, McLaren ou F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Ricciardo avalia Gasly, concorrente por vaga na Alpine em 2023
Próximo artigo F1: Como Honda perdeu oportunidade de assinar com Vettel ainda jovem

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil