F1: Williams defende que não depende mais de pilotos pagantes

Jost Capito, CEO da equipe britânica, elogiou o trabalho da Dorilton Capital e defendeu que suas vagas estão entre as mais cobiçadas da F1

F1: Williams defende que não depende mais de pilotos pagantes

Após a venda para a Dorilton Capital no ano passado, a Williams defende que sua situação financeira atual significa que a equipe não é mais dependente de pilotos pagantes para a próxima temporada da Fórmula 1.

Com a equipe enfrentando problemas financeiros nos últimos anos para manter as operações em meio ao crescimento vertiginoso de custos na F1, a Williams passou a depender de pilotos com bom aporte financeiro.

Leia também:

A lista inclui nomes como Pastor Maldonado, Lance Stroll e Nicholas Latifi, com todos entregando resultados mistos. Porém, o aumento de investimentos da Dorilton, aliado ao teto orçamentário da F1 e a nova estrutura de renda comercial, deixaram a equipe em uma situação financeira muito melhor.

Isso significa que, enquanto a Williams pondera sua formação para 2022, ela não depende mais de correr atrás apenas de pilotos que tragam bons pacotes de patrocínio. Vale lembrar que os contratos de ambos os pilotos acabam neste ano. E apesar do interesse em ficar na F1, Latifi já teve seu nome ligado a uma possível mudança para a Indy.

Já George Russell é o favorito para ocupar uma das vagas na Mercedes em meio a uma disputa com Valtteri Bottas, mas a Williams já afirmou que, se possível, gostaria de manter o britânico.

Em meio à incertezas sobre o que a Williams fará, especulações recentes também ligaram o piloto da Mercedes na Fórmula E, Nyck de Vries, a uma das vagas, o que pode ser parte de um arranjo financeiro com a montadora alemã.

O CEO da Williams, Jost Capito, disse que a equipe está em uma situação privilegiada, podendo escolher quem quiser para 2022, em vez de se preocupar com o financeiro.

"Acho que nós, na Williams, estamos na posição de decidirmos apenas pelos pilotos. Não dependemos de um piloto que traz dinheiro como no passado".

"Temos um plano de longo prazo para voltarmos ao topo e precisamos escolher pilotos que se encaixam nesse plano. Estamos pensando nisso. Claro, todos podem falar conosco, mas essa decisão é nossa".

Capito acredita que, com várias equipes já fechando seus pilotos para 2022, a Williams se tornou uma opção atrativa para vários.

"Acho que todos os pilotos sem uma vaga fixa para o próximo ano estão falando com a gente no momento. É a vaga mais cobiçada da F1 no momento para uma equipe com carros livres".

VALENTINO ROSSI confirma APOSENTADORIA da MOTOGP ao final de 2021; relembre trajetória

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast – A primeira metade do campeonato da F1 foi a mais incrível dos últimos anos?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Mercedes admite erro em não trocar pneus de Hamilton após bandeira vermelha na Hungria
Artigo anterior

F1: Mercedes admite erro em não trocar pneus de Hamilton após bandeira vermelha na Hungria

Próximo artigo

F1: Rosberg defende que Gasly deveria ser companheiro de "fenomenal" Verstappen na Red Bull

F1: Rosberg defende que Gasly deveria ser companheiro de "fenomenal" Verstappen na Red Bull
Carregar comentários