F1: Wolff elogia estratégia da Red Bull em Austin, que Mercedes "não pôde igualar"

Equipe austríaca chamou Verstappen aos boxes de forma antecipada e conseguiu pegar a liderança após a parada de Hamilton

F1: Wolff elogia estratégia da Red Bull em Austin, que Mercedes "não pôde igualar"

Toto Wolff disse que a Mercedes não conseguiu igualar a estratégia de pit stop da Red Bull com Max Verstappen para evitar que Lewis Hamilton perdesse a liderança do GP dos Estados Unidos de Fórmula 1, chamando a jogada de "corajosa".

Depois de se classificar em segundo lugar, atrás do rival pelo título, o heptacampeão assumiu a liderança da corrida de Austin na primeira volta após passar por dentro na Curva 1 em uma reação mais rápida na largada. Ele se manteve à frente nos estágios iniciais, mas a equipe austríaca trouxe seu piloto aos boxes antes do previsto e fez o undercut.

Leia também:

A Mercedes tentou estender o segundo stint de Hamilton para criar um delta de pneus maior, mas o heptacampeão mundial não conseguiu tirar a desvantagem nas últimas voltas e terminou 1s3 atrás na bandeira quadriculada.

Wolff disse que a parada antecipada da Red Bull foi uma jogada ousada, e que sua equipe não tinha tentado igualar depois de julgar seus dados: "Dava para ver as diferentes estratégias".

"Uma equipe partiu para o undercut por necessidade, em uma jogada muito corajosa, eu diria, porque era muito cedo. Particularmente no último turno, você pode ver que [Verstappen] aprendeu a não danificar os pneus muito cedo porque ele tinha algo sobrando no final."

"Estávamos atrasados ​​porque o carro não foi rápido o suficiente no meio do primeiro stint. Não poderíamos ter feito uma parada antecipada, porque com base nos dados que tínhamos, não parecia que poderíamos terminar a corrida naquela fase com uma parada precoce."

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Hamilton conseguiu criar um delta de pneus de oito voltas em direção à passagem final e foi até um segundo por volta mais rápido do que Verstappen ao ganhar terreno. No entanto, Wolff disse que a Mercedes não considerou deixar o britânico fora por mais tempo para criar uma lacuna maior, já que seus tempos haviam caído muito.

"Em um determinado estágio, você é muito lento e perde muito tempo", comentou. "Essa foi a situação na segunda parada, onde não tivemos a pressão de Sergio [Pérez], mas simplesmente tivemos que ir para os boxes porque ele estava muito devagar. É sempre um equilíbrio entre criar uma compensação de pneu sem perder muito terreno. "

Wolff elogiou Hamilton por pilotar "brilhantemente" em sua tentativa de recuperar o tempo até Verstappen antes que a diferença se estabilizasse quando ele chegasse em alguns segundos.

"Ele trouxe o carro e permaneceu calmo, embora estivesse 6s5 atrás [após a primeira parada] e, na segunda, a 8s5 segundos para Max", relembrou. "Aumentou o ritmo e, a certa altura, havia uma diferença enorme. Foi executado de forma brilhante, mas não ficou perto o suficiente no final."

"Quando você segue um carro, começa a sofrer um pouco, e acho que se tivéssemos talvez duas voltas a mais, quem sabe? É o que é, e você precisa parabenizar a Red Bull por seus pit stops."

F1 2021: Verstappen SEGURA Hamilton após GUERRA ESTRATÉGICA e vence em Austin; veja análise do GP | PÓDIO

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #139 – Qual o campeonato da F1 mais emocionante do século?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Alonso detona comissários do GP dos Estados Unidos por falta de critério
Artigo anterior

F1: Alonso detona comissários do GP dos Estados Unidos por falta de critério

Próximo artigo

F1: Ricciardo 'agradece' Sainz por ser chamado de 'sujo' em disputa nos EUA

F1: Ricciardo 'agradece' Sainz por ser chamado de 'sujo' em disputa nos EUA
Carregar comentários