Ferrari pode contratar Ross Brawn para novo plano de ação

A fim de voltar a vencer, escuderia italiana tenta tirar Ross Brawn da aposentadoria para ser uma espécie de consultor em Maranello

Ferrari pode contratar Ross Brawn para novo plano de ação
Ross Brawn, chefe da equipe Mercedes AMG F1
Ross Brawn, chefe da equipe Mercedes AMG F1
Ross Brawn, chefe da equipe Mercedes AMG F1
Ross Brawn, chefe da equipe Mercedes AMG F1
Maurizio Arrivabene, Ferrari Team Principal
Maurizio Arrivabene, Ferrari Team Principal
Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H
Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H
Carregar reprodutor de áudio

Após uma série de reuniões na semana passada entre o presidente da Ferrari, Sergio Marchionne, e o chefe da equipe, Maurizio Arrivabene, a escuderia italiana dever passar por algumas mudanças em breve. Para ter uma ideia do potencial de longo prazo do SF16-H, Marchionne conversou diretamente com os engenheiros. Para tentar voltar a vencer, está previsto um novo plano de ação na equipe. 

Brown como consultor

Uma ideia que ganhou força é recrutar os serviços de Ross Brown como consultor, para ajudar a dar direcionamento nas melhorias, mesmo sem ele precisar estar 100% presente nessa posição. 

Uma primeira investida da Ferrari foi rejeitada por Brawn, que deliberadamente está distante da F1 desde que deixou a equipe Mercedes no final de 2013. Sabe-se que o britânico não tem o desejo de estar presente nas 21 provas nem voltar a se comprometer 100% com o trabalho.    

Ainda assim, a Ferrari quer Brawn como uma espécie de conselheiro para Marchionne e Arrivabene em assuntos técnicos. Ele opinaria sobre quais pontos acha que a equipe precisa mudar. Ainda não está claro como tal situação iria se encaixar com a posição do atual diretor técnico, James Allison.

Novos esforços estão sendo feitos pela Ferrari para tentar convencer Brawn de que existe uma forma de ele atuar junto à Ferrari em um modo que agrade as duas partes. 

Brawn foi um dos arquitetos do tremendo sucesso que a Ferrari teve no início dos anos 2000 com Michael Schumacher, quando ambos trabalharam juntos com Jean Todt e Rory Byrne.

Ele também teve sucesso na Benetton e na Brawn GP, além de ter deixado as bases para o sucesso da Mercedes nas últimas temporadas. 

Entretanto, desde que deixou a F1, Brawn tem mostrado pouco interesse em voltar às corridas. Em recente entrevista à Sky, ele se mostrou relutante a retornar para a F1. 

"Quando eu estava envolvido era 24 horas por dia, sete dias por semana. Esse é o meu jeito. Não tenho certeza se quero isso novamente para mim", disse. 

"Nunca diga nunca para coisas desse tipo,  mas estou bem contente fazendo o que tenho feito e não surgiu nada que me motivasse e no qual eu estivesse interessado", finalizou.  

compartilhar
comentários
Ericsson sobre Felipe Nasr: "não somos os melhores amigos"
Artigo anterior

Ericsson sobre Felipe Nasr: "não somos os melhores amigos"

Próximo artigo

Segundo empresário, Raikkonen pode ficar na Ferrari em 2018

Segundo empresário, Raikkonen pode ficar na Ferrari em 2018