Fórmula 1
29 ago
-
01 set
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Evento encerrado
19 set
-
22 set
Evento encerrado
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Próximo evento em
10 dias
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
17 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
45 dias

FIA não quis ser "ditadora" em relação a furos de aros da Mercedes

compartilhar
comentários
FIA não quis ser "ditadora" em relação a furos de aros da Mercedes
Por:
27 de mar de 2019 16:27

Órgão atestou legalidade do recurso utilizado pela equipe alemã no fim do ano passado. Outras escuderias estão aplicando em 2019

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) admitiu que não quis ser "ditadora" e proibir os buracos de rodas inspirados na Mercedes do final do ano passado. A equipe alemã estava no centro da polêmica por conta de seu projeto, que tinha furos para um melhor fluxo de ar e ajudava a gerenciar o resfriamento dos pneus.

Embora o projeto tenha sido considerado legal pela FIA, equipes rivais questionaram o órgão regulador sobre uma eventual infração de regulamentos que proíbem dispositivos aerodinâmicos móveis.

Para evitar o potencial de um protesto generalizado durante a batalha pelo título da F1 em 2018, a Mercedes decidiu não usar o projeto até o campeonato ser confirmado. No entanto, com o sinal verde neste ano, a Mercedes deu continuidade à ideia.

Leia também:


Entende-se que tanto a Ferrari quanto a McLaren também testaram suas próprias versões em 2019, com outras equipes avaliando projetos similares. A tendência inclusive deu início a uma guerra de gastos entre as escuderias para desenvolver ainda mais tecnologia para a peça.

O chefe da área técnica de monopostos da FIA, Nikola Tombazis, disse estar ciente de que grandes recursos estão sendo gastos na área. Ele acha, porém, que teria sido um erro do órgão proibir o recurso.

Ao Motorsport.com, Tombazis disse: "A solução da Mercedes foi legal e a ideia foi aceita por outros. Mas se você quer minha opinião, eu digo que esses projetos complicados não são bons para a F1, porque custam muito. Quando eles apareceram em outubro, não pudemos mudar as coisas, já que descobrimos que eles respeitavam as regras. Por isso, não me surpreende que outras equipes estejam aproveitando o mesmo conceito”.

Próximo artigo
Veja a agenda da Fórmula 1 no Bahrein neste fim de semana

Artigo anterior

Veja a agenda da Fórmula 1 no Bahrein neste fim de semana

Próximo artigo

F1: Haas pretende introduzir atualizações mais cedo em 2019

F1: Haas pretende introduzir atualizações mais cedo em 2019
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble