F1 faz acordo com Aramco, uma das maiores poluidoras do mundo

compartilhar
comentários
F1 faz acordo com Aramco, uma das maiores poluidoras do mundo
Por:

Empresa de petróleo e gás natural é a nova parceira global da categoria máxima do automobilismo mundial

A Fórmula 1 anunciou um contrato de vários anos com a gigante de petróleo e gás natural Saudi Aramco, da Arábia Saudita. A empresa é o primeiro parceiro global que a F1 faz desde que a Liberty Media assumiu a gestão da categoria no início de 2017.

A Saudi Aramco se junta aos cinco principais players que embarcaram na F1 durante a era Bernie Ecclestone: Rolex, Heineken, DHL, Emirates e Pirelli. No entanto, a Aramco foi nomeada recentemente como uma das maiores poluidoras do mundo, o que entra em desacordo com o objetivo estratégico da F1 de não emitir carbono até 2030.

Leia também:

Um estudo recente indicou que a Aramco produziu 59,26 bilhões de toneladas de CO2 desde 1965, mais de 15 bilhões a mais do que qualquer outra empresa. Um estudo de 2017 sobre as emissões de CO2 entre 1988 e 2015 sugeriu que apenas as usinas a carvão da China haviam contribuído mais do que a Aramco para a emissão de carbono.

De todo modo, o acordo entre a Aramco e a F1 inclui o patrocínio aos nomes dos GPs de Espanha, Hungria e Estados Unidos. A parceria também é vista como o primeiro passo para uma corrida na Arábia Saudita.

A F1 ainda enfatizou que o acordo se encaixa ao seu impulso rumo à sustentabilidade e que incluirá pesquisas sobre combustíveis alternativos e a próxima geração de unidades de potência.

"Estamos muito satisfeitos em receber a Aramco na família Fórmula 1 como um Parceiro Global de longo prazo ao iniciarmos nossa temporada de 2020", disse o CEO da F1, Chase Carey, da Liberty Media.

"Estamos ansiosos para compartilhar nossa experiência combinada e trabalhar com a Aramco em inovação tecnológica. Nos beneficiaremos enormemente de suas capacidades e experiência no setor de combustível e energia".

O presidente e CEO da Aramco, Amin Nasser, acrescentou: "Como maior fornecedor mundial de energia e líder em inovação, temos a ambição de encontrar soluções inovadoras para motores com melhor desempenho e energia mais limpa. Parcerias como essas são importantes para nos ajudar a cumprir nossas ambições.

Cervejarias, bancos e churrascaria; veja marcas brasileiras que já passaram pela F1

1975 - Empresa brasileira da área de açúcar e etanol, a Copersucar entrou na F1 em 1975 com equipe própria.

1975 - Empresa brasileira da área de açúcar e etanol, a Copersucar entrou na F1 em 1975 com equipe própria.
1/28

Foto de: LAT Images

1976 - Nos primeiros anos, a marca da empresa era a única estampada em seus carros.

1976 - Nos primeiros anos, a marca da empresa era a única estampada em seus carros.
2/28

Foto de: LAT Images

1977 - Até a chegada de marcas que timidamente, começaram a apoiar a iniciativa.

1977 - Até a chegada de marcas que timidamente, começaram a apoiar a iniciativa.
3/28

Foto de: LAT Images

Em 1978, a Varig, extinta companhia aérea fechou uma parceria de transporte com a Arrows na F1.

Em 1978, a Varig, extinta companhia aérea fechou uma parceria de transporte com a Arrows na F1.
4/28

Foto de: LAT Images

1979 - Como os lubrificantes Varga, que se juntou à Copersucar em 1979.

1979 - Como os lubrificantes Varga, que se juntou à Copersucar em 1979.
5/28

Foto de: Jean-Philippe Legrand

Nelson Piquet contou com o apoio de empesas como Brastemp e Caracu.

Nelson Piquet contou com o apoio de empesas como Brastemp e Caracu.
6/28

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em 1980, a Skol foi a patrocinadora principal da equipe de Emerson Fittipaldi. No entanto, a cervejaria, muito famosa no Brasil, foi fundada por um consórcio de empresas europeias e tem suas origens na Bélgica e África do Sul. Hoje, a Inbev detém os direitos da marca na América do Sul.

Em 1980, a Skol foi a patrocinadora principal da equipe de Emerson Fittipaldi. No entanto, a cervejaria, muito famosa no Brasil, foi fundada por um consórcio de empresas europeias e tem suas origens na Bélgica e África do Sul. Hoje, a Inbev detém os direitos da marca na América do Sul.
7/28

Foto de: LAT Images

A força dos pilotos brasileiros passou a atrair marcas para a categoria. Também confundida como marca brasileira, a Parmalat, que tem forte presença no Brasil, é uma empresa italiana.

A força dos pilotos brasileiros passou a atrair marcas para a categoria. Também confundida como marca brasileira, a Parmalat, que tem forte presença no Brasil, é uma empresa italiana.
8/28

Foto de: LAT Images

1981 - A equipe de Fittipaldi atraiu a marca de bicicletas Caloi, em 1981.

1981 - A equipe de Fittipaldi atraiu a marca de bicicletas Caloi, em 1981.
9/28

Foto de: LAT Images

1981 - Além da seguradora Atlântica Boavista.

1981 - Além da seguradora Atlântica Boavista.
10/28

Foto de: LAT Images

1982 - E de outras, como a Brasilinvest.

1982 - E de outras, como a Brasilinvest.
11/28

Foto de: LAT Images

e o Sal Cisne.

e o Sal Cisne.
12/28

Foto de: LAT Images

1982 - Além do Café do Brasil.

1982 - Além do Café do Brasil.
13/28

Foto de: Jean-Philippe Legrand

Senna chegou à F1 apoiado pelo Banco Nacional.

Senna chegou à F1 apoiado pelo Banco Nacional.
14/28

Foto de: LAT Images

Rubens Barrichello atraiu a empresa especializada em molhos e enlatados, Arisco.

Rubens Barrichello atraiu a empresa especializada em molhos e enlatados, Arisco.
15/28

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em 1994, a churrascaria Fogo de Chão patrocinou a equipe Simtek no GP do Brasil, pagando a publicidade com fornecimento de refeições. A empresa já havia feito o mesmo em outras temporadas no início dos anos 90.

Em 1994, a churrascaria Fogo de Chão patrocinou a equipe Simtek no GP do Brasil, pagando a publicidade com fornecimento de refeições. A empresa já havia feito o mesmo em outras temporadas no início dos anos 90.
16/28

Foto de: LAT Images

Em meados dos anos 90, o grupo Pão de Açúcar, da família do brasileiro Pedro Paulo Diniz investiu na Forti Corse, expondo marcas vendidas nos supermercados da rede que apoiaram a empreitada do brasileiro e de Roberto Moreno.

Em meados dos anos 90, o grupo Pão de Açúcar, da família do brasileiro Pedro Paulo Diniz investiu na Forti Corse, expondo marcas vendidas nos supermercados da rede que apoiaram a empreitada do brasileiro e de Roberto Moreno.
17/28

Foto de: LAT Images

Diversas marcas estiveram presentes no carro da equipe ao longo da temporada.

Diversas marcas estiveram presentes no carro da equipe ao longo da temporada.
18/28

Foto de: LAT Images

No entanto, a presença de maior peso na F1 foi da Petrobras, que se associou a Williams em 1999.

No entanto, a presença de maior peso na F1 foi da Petrobras, que se associou a Williams em 1999.
19/28

Foto de: Sutton Motorsport Images

Permanecendo com a equipe até 2008.

Permanecendo com a equipe até 2008.
20/28

Foto de: XPB Images

Com a transferência de Massa para a Williams em 2014, a petrolífera voltou a estampar sua marca na equipe.

Com a transferência de Massa para a Williams em 2014, a petrolífera voltou a estampar sua marca na equipe.
21/28

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nos anos mais recentes, o Banco do Brasil foi principal patrocinador da Sauber durante a permanência de Felipe Nasr na equipe.

Nos anos mais recentes, o Banco do Brasil foi principal patrocinador da Sauber durante a permanência de Felipe Nasr na equipe.
22/28

Foto de: XPB Images

Desde 2018 a Petrobras esteve próxima à McLaren, fazendo a parceria oficial no início deste ano.

Desde 2018 a Petrobras esteve próxima à McLaren, fazendo a parceria oficial no início deste ano.
23/28

Foto de: Simon Galloway / Motorsport Images

Parceria desfeita dez meses depois.

Parceria desfeita dez meses depois.
24/28

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

A cerveja Itaipava, a bebida energética TNT e o Banco do Brasil também estiveram nos carros da Brawn, em 2009.

A cerveja Itaipava, a bebida energética TNT e o Banco do Brasil também estiveram nos carros da Brawn, em 2009.
25/28

Foto de: XPB Images

Bruno Senna ostentou as marcas da Embratel e da OGX de Eike Batista pela Hispania, em 2010.

Bruno Senna ostentou as marcas da Embratel e da OGX de Eike Batista pela Hispania, em 2010.
26/28

Foto de: XPB Images

Mauricio Gugelmin era o garoto-propaganda da Perdigão na March.

Mauricio Gugelmin era o garoto-propaganda da Perdigão na March.
27/28

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

O Banco Safra esteve no carro da Tyrrell de Ricardo Rosset em 1997 e 1998

O Banco Safra esteve no carro da Tyrrell de Ricardo Rosset em 1997 e 1998
28/28

Foto de: LAT Images

Ferrari quer que F1 na Austrália anime italianos em meio ao Covid-19

Artigo anterior

Ferrari quer que F1 na Austrália anime italianos em meio ao Covid-19

Próximo artigo

F1: Ocon revela a maior lição que teve com Hamilton na Mercedes

F1: Ocon revela a maior lição que teve com Hamilton na Mercedes
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper