Fórmula 1
R
GP de Eifel
09 out
Próximo evento em
19 dias
R
GP de Portugal
23 out
Próximo evento em
33 dias
04 dez
Próximo evento em
75 dias
R
GP de Abu Dhabi
11 dez
Próximo evento em
82 dias

Hamilton, Bottas, Sainz e Albon explicam “dor de cabeça” com pneus em Silverstone

compartilhar
comentários
Hamilton, Bottas, Sainz e Albon explicam “dor de cabeça” com pneus em Silverstone
Por:

Segundo pilotos, pneus macios e médios da Pirelli estão com desempenhos parecidos, mas com desgaste diferente

As equipes da Fórmula 1 encaram uma “dor de cabeça” na estratégia de pneus para a classificação deste sábado (08) em Silverstone: os pneus médios e macios mostraram ritmo comparável e o mais mole está se degradando rapidamente. Os times tendem a se afastar do macio, mas temem pela falta de compostos duros e médios durante o final de semana.

Para o GP do Aniversário de 70 anos da F1, a Pirelli fez uma escolha mais macia do que no último final de semana, trazendo os compostos C2, C3 e C4. Hoje, os pilotos descobriram que era difícil manter os pneus mais macios C4 vivos e, ao mesmo tempo, havia pouca diferença de ritmo entre ele e o composto C3 médio.

Leia também:

O C4, portanto, tem um período limitado como pneu de classificação e pneu de largada, com o médio parecendo uma aposta muito melhor.

No entanto, com a definição padrão para 2020, significa que os pilotos começaram a etapa com oito conjuntos de macios, apenas três médios e dois duros.

As equipes já estão empregando diferentes estratégias para passar pelo final de semana de corrida. A McLaren se concentrou exclusivamente nos pneus macios hoje e a Renault combinou macios e duros, enquanto outros testaram os compostos médios.

"Acho que será um pouco de dor de cabeça para todos", disse Carlos Sainz, da McLaren. “Especialmente no Q2, decidindo o que você fará. Não é tanto se você pode passar pelo Q2 no macio ou no médio, é o que você prefere começar a corrida, independentemente de você passar ou não".

“Vai ser um pouco desafiador, muito a se pensar hoje à noite e amanhã. Eu gosto disso, tendo uma escolha de pneu diferente da semana passada, porque desafia os engenheiros, os pilotos, a configuração, a mecânica, todos, então vamos abraçá-lo e fazer as escolhas certas a partir de agora”.

“Foi uma sexta-feira um pouco estranha para nós, optamos por nos comprometer rodando com os pneus macios, para guardar os médios e os duros para o final do fim de semana, tentando descobrir o que é melhor”.

Sainz disse que era difícil fazer o C4 durar: "Muito, muito difícil, há muita formação de bolhas e muita granulação com todos os quatro pneus, e estamos apenas sobrevivendo”.

"Sabemos que é uma fraqueza do nosso carro lidar com esses compostos mais macios, por isso queremos garantir que tenhamos tempo de pista suficiente hoje e também porque mais para frente do final de semana provavelmente precisaremos de compostos mais duros".

Alex Albon, da Red Bull, disse que estava claro que o C4 não é o pneu mais rápido neste final de semana.

"Acho que não é uma ótima escolha da Pirelli", disse o piloto tailandês. “O pneu não é rápido, é muito macio para este circuito. Acho que fomos mais rápidos hoje nos médios do que nos macios".

“De todos os carros que entraram na pista, quase todos foram rápidos nos médios e, se você olhar a evolução da pista, se você fosse mais rápido nos macios, era apenas um décimo mais rápido do que nas primeiras voltas, então definitivamente se inclina para esse lado”.

“O problema é que não temos (pneus) médios e duros suficientes para o fim de semana, então estamos um pouco presos à estratégia. Amanhã será muito importante escolher o pneu certo no momento certo para Q1, Q2, Q3”.

Lewis Hamilton relatou que o C3 e o C4 pareciam similares, embora o último tenha sofrido com superaquecimento.

“Para ser honesto, eles têm sido exatamente o mesmo pneu,” disse o hexacampeão mundial. “O pneu mais macio, o pneu vermelho, fica um pouco superaquecido no final da volta, e o médio fica praticamente o mesmo até as últimas curvas e é um pouco melhor na traseira”.

Seu companheiro de equipe, Valtteri Bottas, expressou sentimentos semelhantes sobre o pneu mais macio. “Estamos aprendendo sobre os pneus”, disse o finlandês.

"Eles definitivamente não duram tanto tempo e, com essas temperaturas e com os compostos, eles estão passando por um momento difícil, especialmente com combustível alto. Ainda com o ritmo de volta única de pneu macio versus médio, não acho que haja muito em termos de tempo de volta entre esses dois compostos”.

“No início da volta, o macio é um pouco melhor, mas no final cai mais. É assim que é. É uma pista de muita energia e os pneus estão passando por momentos difíceis em todas estas curvas de alta velocidade. É algo para se olhar da noite para o dia e precisamos ter o plano certo para o quali".

F1 2020: Punição à Racing Point, troca de farpa com Renault e destaques da Inglaterra no SEXTA-LIVRE

PODCAST: Qual é o tamanho da 'sorte' de Hamilton ao vencer com três rodas?

 

Related video

Mercedes não pretende assinar novo Pacto de Concórdia da Fórmula 1

Artigo anterior

Mercedes não pretende assinar novo Pacto de Concórdia da Fórmula 1

Próximo artigo

Chefe da Racing Point detona dirigente da McLaren: “Não tem ideia do que está falando”

Chefe da Racing Point detona dirigente da McLaren: “Não tem ideia do que está falando”
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP de 70º aniversário
Autor Adam Cooper