Mercedes não pretende assinar novo Pacto de Concórdia da Fórmula 1

compartilhar
comentários
Mercedes não pretende assinar novo Pacto de Concórdia da Fórmula 1
Por:
, Editor

Equipe alemã acredita que está sendo prejudicada nas negociações sobre um novo conjunto de termos comerciais

A Mercedes não pretende assinar o atual Pacto de Concórdia antes do prazo final em 12 de agosto, afirmando que foi maltratada e é a “maior vítima” das propostas. A Fórmula 1 está atualmente em discussões com todas as 10 equipes sobre um novo conjunto de termos comerciais que devem substituir o já existente Pacto de Concórdia, que expira no final de 2020.

A Liberty Media, proprietária da F1, está pressionando por uma distribuição de receita mais igualitária sob os novos termos, em uma tentativa de tornar o esporte mais justo e sustentável como parte das negociações.

Leia também:

Algumas equipes do grid, incluindo Ferrari e McLaren, já confirmaram que estão prontas para assinar os termos para o novo acordo. O prazo final de 12 de agosto foi estabelecido para as equipes assinarem o novo Pacto de Concórdia, conforme definido pela F1.

Mas o chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff, disse que a equipe não estava disposta a colocar a caneta no papel com os termos propostos atualmente e expressou sua frustração com o tratamento para com a Mercedes nas negociações.

"Nós da Mercedes, deixamos bem claro que estamos felizes com uma divisão mais equitativa do fundo de prêmios", disse Wolff. “A maneira como o sucesso é recompensado e possível para todos, concordamos”.

“Nós somos, eu diria, a maior vítima em termos de perda do fundo de prêmios em tudo isso. A Ferrari manteve uma posição vantajosa. Com a Red Bull, obviamente se equilibra com a AlphaTauri. Portanto, somos nós que mais são prejudicados”.

“Sinto que a Mercedes contribuiu para o esporte nos últimos anos. Além de ser competitivo na pista, temos o piloto que tem claramente o maior apelo global".

A F1 respondeu aos comentários de Wolff emitindo uma declaração dizendo que não iria atrasar a finalização dos acordos.

"A Fórmula 1 se envolveu com todas as equipes de forma colaborativa e construtiva e ouviu todas as suas opiniões", diz o comunicado. “Este acordo é importante para o futuro do esporte e para todos os nossos fãs. Estamos avançando com isso e não vamos demorar mais".

Questionado sobre o quão longe ele estava de estar em posição de assinar o acordo, Wolff disse que "depende do outro lado". “Se você estiver disposto a se sentar na mesa, abordar os tópicos críticos, discuti-los, chegar a talvez comprometer os resultados, acho que pode ser bem rápido. Eu não vi essa abordagem”, disse.

Embora Wolff não tenha elaborado as questões com as quais a Mercedes está insatisfeita, acredita-se que vários aspectos comerciais e de governança estejam no centro da questão.

Em particular, ele acha que a Mercedes não foi tratada tão bem quanto outras equipes na forma como as discussões foram estruturadas, especialmente considerando os recentes sucessos de título da equipe e o investimento que está fazendo no esporte como fornecedor de motores.

Um fator importante a considerar é como a Ferrari negociou com sucesso para manter seu veto sobre as regras da F1 e manteve um pagamento de bônus extra por seu significado histórico para o esporte.

Embora a Mercedes reconheça o status e a importância da Ferrari para o esporte, por isso não é contra um tratamento especial, ela também acredita que tem seu próprio valor, que não foi apreciado nas negociações.

Também se entende que existem alguns pontos críticos sobre a nova estrutura de governança que está sendo planejada para o próximo ano.

O esporte tem como objetivo se livrar da necessidade de unanimidade para mudanças de regras de curto prazo, o que poderia deixar uma única equipe impotente para impedir que uma aliança em outros lugares vote em ajustes nos regulamentos.

Ferrari, McLaren e Williams prontas para assinar o Pacto de Concórdia

O chefe da equipe da Ferrari, Mattia Binotto, reiterou o compromisso da equipe com as propostas atuais, dizendo que seu papel no esporte foi "reconhecido" nas negociações.

Binotto expressou sua esperança de que a Mercedes concordasse com os termos, mas disse que não tinha certeza sobre qual era a posição da equipe.

“Espero obviamente que eles assinem. Eu acho que será ótimo ter a Mercedes conosco no próximo ano”, disse. “Somos os únicos que estão lá desde o início da Fórmula 1, 70 anos. Portanto, também é verdade que algumas equipes às vezes estão lá e não podem estar lá”.

Zak Brown, CEO da McLaren, e Claire Williams, vice-chefe da Williams, confirmaram que suas equipes também estão em posição de assinar o acordo.

“Colocar os pingos nos Is, cruzando o Ts, mas todos os fundamentos estão lá. Estou muito empolgado com o futuro da Fórmula 1”, disse Brown. "Acho que o novo Pacto de Concórdia trará um esporte muito mais saudável, mais competitivo e os maiores vencedores serão os fãs".

Williams acrescentou: "Você conseguiu o trio, as três equipes mais históricas da Fórmula 1 prontas para assinar o Pacto de Concórdia".

“A Williams está em posição de fazê-lo. Como Mattia está, temos alguns problemas legais menores para resolver, mas estaríamos prontos para assiná-lo para cumprir o prazo."

Punição à Racing Point, troca de farpa com Renault e destaques no SEXTA-LIVRE; veja

Ferrari, McLaren e Renault confirmam que vão apelar sobre decisão da FIA no caso Racing Point

Artigo anterior

Ferrari, McLaren e Renault confirmam que vão apelar sobre decisão da FIA no caso Racing Point

Próximo artigo

Hamilton, Bottas, Sainz e Albon explicam “dor de cabeça” com pneus em Silverstone

Hamilton, Bottas, Sainz e Albon explicam “dor de cabeça” com pneus em Silverstone
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Luke Smith